Governo e a grande mídia mentem sobre as contas da Previdência Social

Governo e a grande mídia mentem sobre as contas da Previdência Social

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A presidente Dilma Rousseff fez questão de comparecer no início dos trabalhos do Congresso Nacional, nessa terça-feira, 02. A ida de Dilma ao encontro dos parlamentares teve como motivação a defesa do ajuste fiscal baseado no corte de direitos trabalhistas e aumento de impostos, em especial a volta do CPMF. No entanto, enquanto amplia a opressão dos trabalhadores, o governo mantém a contenção de mais de 45% do orçamento da União para pagamento da dívida pública.

Durante o discurso, a presidente Dilma anunciou que irá enviar para a Câmara, neste ano, o projeto de reforma da Previdência com o estabelecimento da idade mínima de 65 anos tanto para homens como para mulheres se aposentarem. A justificativa é a urgente necessidade de “ajuste das contas” públicas, uma vez que o regime previdenciário tem um “rombo” previsto de R$ 130 bilhões para 2016. No entanto, esse discurso amplamente reproduzido pela grande mídia é mais uma falácia para empurrar para os trabalhadores o ônus da política econômica adotada pelo governo.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Omissão de dados

Tanto o governo como a mídia insistem em propagar que há um “rombo” na Previdência, causado principalmente pelo aumento do número de beneficiários,  que geram custos além do valor arrecadado, e da expectativa de vida dos brasileiros. Assim, tentam “justificar” a imposição da idade mínima. O que não é dito, no entanto, é que esse é um cálculo equivocado, uma vez que leva em conta somente a contribuição direta da folha de pagamento, descartando todas as outras contribuições sociais, como o Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) embutido nos preços  dos produtos consumidos pela população.

Além disso, é preciso compreender que  a  Previdência Social faz parte de um sistema mais amplo, que é a Seguridade Social, garantida na Constituição Federal. Portanto, tendo em vista todos os recursos destinados à sustentação da Seguridade Social, não existe rombo na Previdência, e sim superávit.

De acordo com os dados apresentados e analisados pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal, de 2010 a 2013, sobraram a cada ano, respectivamente, 55, 76, 83 e 78 bilhões de reais. Mas todos esses recursos foram desviados para  o pagamento de juros da dívida pública, cumprindo a meta do famoso Superávit Primário. 

 Previdencia-Social-e-Divida-Publica-3

 

Corrupção legalizada

Comprometido com os interesses dos banqueiros, grandes empresários e especuladores travestidos de investidores, o governo mantém uma política econômica voltada para o pagamento de altos juros. Em 2015, a dívida pública do Brasil bateu recorde de aumento, de 21,7%, chegando a 2,79 trilhões. E de acordo com o Tesouro Nacional, a dívida interna e externa continuará crescendo e deve ultrapassar R$ 3 trilhões no final deste ano, com possibilidade de chegar a R$ 3,3 trilhões. 

O que compromete, portanto, o orçamento público federal é o pagamento da dívida pública, como enfatiza o diretor do Sindibancários/ES, Carlos Pereira de Araújo (Carlão). “O ajuste fiscal proposto pelo governo é mais um ataque aos direitos dos trabalhadores. O governo de Dilma se nega a fazer a auditoria da dívida pública e mantém essa política econômica que retira recursos da saúde, educação e de outros setores essenciais, para pagar juros da dívida. E é esse sistema que faz do Brasil um paraíso para os banqueiros e grandes empresários, detentores dos papéis da dívida, e que enriquecem cada vez mais com essa política. Somente com união e mobilização dos trabalhadores de todas as categorias vamos conseguir barrar esse sistema”.

Confira os gastos do Governo em 2014:

Dívida 001_01

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo com informações do artigo “Previdência Social e Dívida Pública”, da coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida Pública, Maria Lucia Fattorelli
Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados/Fotos Públicas

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Agnor Gurgel
Agnor Gurgel
5 anos atrás

Se vc observar o orçamento da União, verá que 46% se destina ao serviço da Dívida Pública e 22% à Previdência. Para alguns políticos, 46 não é maior do que 22 e como elles não se atrevem a mexer na redução daquele índice de quase metade do orçamento destinado ao Pagamento da Dívida, preferem mexer com o PATRÃO DELLES, o povo, que tudo PAGA, mexendo ou inventando uma REFORMA da PREVIDÊNCIA, aí mentem. Mas Paulo Paim do PT, sempre vociferou que a PREVIDÊNCIA não é DEFICITÁRIA, mas SUPERAVITÁRIA!!! É fácil elaborar fórmulas matemáticas para provar o DEFICIT, do tipo 1 + 1 = 11!!! Deveria haver uma cláusula de condenação da mentira da parte do cidadão e sobretudo do Político, se defender atos mentirosos, vender mentiras por verdade, se comprovado, ser substituído por um SUPLENTE!!!