fbpx

Governo do Distrito Federal mantém calote no reajuste de 2012 dos servidores

INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora

Os servidores do Distrito Federal só estão exigindo o pagamento do reajuste salarial de 2012 que foi escalonado até 2015 e que não tem sido cumprido pelo governador Rodrigo Rollemberg (PSB). Diversas categorias já entraram e saíram da greve este ano. Algumas mantêm a paralisação, como é o caso dos servidores de assistência social, educação e segurança alimentar.

Rollemberg comunicou que só pagará a partir de outubro de 2016, sem levar em conta o período retroativo, dando como desculpa a crise econômica e o “ajuste fiscal”.

“Não vamos nos render ao ajuste fiscal que retira os exames do Hospital Regional de Taguatinga ao mesmo tempo em que destina R$ 6,4 milhões para spray de pimenta contra os manifestantes”, explica Clayton de Souza Avelar, presidente do Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do DF (SINDSASC).

No meio de tanta crise, o governador Rollemberg (PSB) gastou em seus primeiros 96 dias de governo, R$ 27,5 milhões com diárias e passagens aéreas.

Segundo Clayton de Souza Avelar, o governo precisa entender que a categoria não aceita oficializar o calote nem tampouco formar um Grupo de Trabalho para discutir “aumento de receita e venda de terrenos públicos para pagamento de retroativo”.

Avelar lembra que Rollemberg se elegeu com o discurso de “atitude para mudar”, prometendo “executar, após amplo debate com os servidores de diferentes categorias, como os da saúde, da educação e da segurança, assim como os do ‘carreirão’, medidas para reestruturar carreiras, recompor salários e benefícios, preencher vagas e assegurar a prestação de serviços de qualidade à população”.

Nesta quarta-feira, o SINDSASC realiza nova assembleia para definir os rumos do movimento.

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top