Intersindical participa de Encontro Latinoamericano e Caribenho de Solidariedade da FSM à Venezuela

Intersindical participa de Encontro Latinoamericano e Caribenho de Solidariedade da FSM à Venezuela

FSM: Encontro Latinoamericano e Caribenho de Solidariedade à Venezuela - INTERSINDICAL

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Encontro Latinoamericano e Caribenho de Solidariedade da FSM com a Revolução Bolivariana na Venezuela

Convocados pela Federação Sindical Mundial, nos reunimos na cidade de Bogotá com 25 organizações sindicais e de aposentados do país anfitrião, junto a delegações de trabalhadores do Brasil, Panamá e Uruguai, com o propósito de debater, adotar e impulsionar ações comuns de solidariedade em favor do povo e do governo revolucionário da República Bolivariana da Venezuela: bastião de luta anti-imperialista em nossa América e fortaleza assediada pelas forças coléricas da contra revolução mundial.

Na presença de representantes das embaixadas da Venezuela e da Cuba socialista, e de membros de grupos solidários e de partidos de esquerda, analisamos de forma séria a luta travada entre o lado das forças motrizes da Revolução Bolivariana que apontam mudanças sociais transcendentes em favor dos trabalhadores contra as hordas narco-fascistas que, através de assédio sistemático, sabotagem e terror, tentam não apenas desacreditar e derrubar o governo legítimo presidido por Nicolás Maduro, como também silenciar e desmantelar as conquistas alcançadas na revolução pelos trabalhadores.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Como aspecto central das transformações alcançadas pela Revolução Bolivariana valorizamos os progressos trabalhistas consagrados na Lei Orgânica do Trabalho, tais como: redução da jornada de trabalho sem redução de salários, aumento de um ano na licença maternidade, férias de 30 dias, proibição da contratação de mão de obra terceirizada e a extensão de direitos de pensão a idosos que não puderam contribuir com a previdência social. Tudo isso contrasta com o desmantelamento de nossos direitos sociais e das garantias de trabalho que estão a serviço das grandes oligarquias latino-americanas.

A partir da nova realidade venezuelana, destacamos a participação protagonista da classe trabalhadora, do campesinato e de outros setores laboriosos na definição dos destinos de seu país, como evidenciado na convocação e eleição de 30 de julho da Assembleia Nacional Constituinte: instrumento encaminhado com o objetivo de projetar a arquitetura da República Bolivariana em favor das gerações futuras, a partir de um referendo das conquistas e realizações trabalhistas e sociais (missões, etc.).

Também reconhecemos o governo venezuelano, anteriormente presidido pelo comandante Hugo Chávez e agora pelo sindicalista Nicolás Maduro, em relação ao seu papel decisivo para impulsionar e consolidar o processo emancipatório de integração regional, constituído na Alianza Bolivariana de los Pueblos de Nuestra América (ALBA), uma ferramenta que permitiu a nossos povos infligir um golpe severo ao projeto colonial moderno do imperialismo ianque (a ALCA).

Ao defender o direito inalienável da autodeterminação dos povos, denunciamos e condenamos:

1) O recrudescimento e a expansão do cerco econômico, “diplomático”, e informativo que as forças reacionárias deslocam ilegalmente na pequena pátria do Libertador;  uma estratégia que aglutina o secretário da OEA, Luis Almagro, que através do Ministério ianque das Colônias tenta criar consensos para “justificar” o assalto sangrento à Venezuela bolivariana.

2) A escalada criminosa do narcoparamilitarismo colombiano-venezuelano em território patriota; antesala de uma invasão armada prevista pelo Governo dos Estados Unidos e por governos de marionetes e / ou golpistas, como os de Temer, Kuczsinski, Nieto e Santos, como a CIA acaba de cinicamente confirmar. A este respeito, denunciamos a ação febril da burguesia colombiana, que pela dupla sinistra Santos-Uribe habilitou com vistas à intervenção armada sete bases militares, promovendo o contrabando de produtos e incentivando o êxodo em massa de cidadãos venezuelanos, de modo a promover o ódio entre as nações irmãs.

Em particular, rejeitamos a prática maniqueísta das oligarquias da América Latina e do Caribe de usar sua campanha antibolivariana como uma cortina de fumaça para esconder a política desastrosa que eles realizam contra seus próprios povos; o que se manifesta nas novas contra reformas do trabalho, visando aniquilar o pouco que nos resta de estabilidade de emprego e o direito à aposentadoria, revivendo as condições de trabalho subumanas do século 18.

Sob tais ameaças, cabe a nós, como força classista da FSM, demarcar o sindicalismo amarelo, rompendo o cerco desinformativo do imperialismo e de seus capangas, divulgar mais plenamente e sem hesitação as conquistas da Revolução Bolivariana e incentivar um firme apoio venezuelano à classe trabalhadora latino-americana e no movimento sindical em escala mundial.

Terminamos esta declaração parafraseando a mensagem enviada a esta reunião pelo Secretário Geral da FSM, George Mavrikos:

“Devemos reafirmar a nossa solidariedade internacionalista para com o povo da Venezuela, que tem o direito de decidir sobre o futuro de seu país. Rejeitamos as provocações dos assassinos imperialistas e todos  expressamos em uma só voz:

ABAIXO À AGRESSIVIDADE IMPERIALISTA!

FORA MÃOS ESTRANGEIRAS NA VENEZUELA BOLIVARIANA!

NÃO AO USO DO SOLO COLOMBIANO COMO PLATAFORMA DE AGRESSÃO!

VIDA LONGA À SOLIDARIEDADE INTERNACIONALISTA!

VIVA A FEDERAÇÃO SINDICAL MUNDIAL!

Bogotá, 10 e 11 de agosto de 2017.

Ref.Encuentro Latinoamericano y Caribeño de la Federación Sindical Mundial en solidaridad con la República Bolivariana de Venezuela


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários