Fórum de trabalhadores realiza ato por justiça e reparação das violações durante a Ditadura

Fórum de trabalhadores realiza ato por justiça e reparação das violações durante a Ditadura

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Ato por justiça e reparação: Memória, Verdade e Justiça – Reparar Já:

Lúcio Bellentani estava trabalhando na fábrica da Volkswagen de São Bernardo do Campo, em 1972, quando dois homens portando metralhadoras o algemaram e o levaram à sala de segurança da empresa. Segundo seu depoimento à extinta Comissão Nacional da Verdade, lá mesmo, dentro do local de trabalho, já começaram a torturá-lo. Tapas, socos e muita violência fizeram parte de sua prisão, junto a mais de vinte operários na mesma ocasião.

Este e outros cruéis casos motivam o Fórum de Trabalhadores e Trabalhadoras por Verdade, Justiça e Reparação (antigo GT 13), do qual a INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora faz parte, a ainda continuar lutando pela apuração das responsabilidades de diversas empresas na repressão a trabalhadores e dirigentes sindicais durante a Ditadura, mesmo após o encerramento da CNV.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Nesse sentido, os trabalhadores envolvidos com o GT de São Paulo organizaram o Ato por Memória, Justiça e Reparação que aconteceu nesta última quinta-feira, 11, no Arquivo Histórico de São Paulo. Sob a organização do IIEP (Intercâmbio, Informações, Estudos e Pesquisas), a atividade contou com a presença de diversos integrantes que pesquisam e também lutam pelo direito à justiça e reparação por todo o país, além do Secretário Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, Eduardo Suplicy.

“Este evento é importante para que possamos nos aprofundar no conhecimento do que aconteceu em nossa história e, em especial, para as trabalhadoras e trabalhadores das mais diversas categorias, que foram objeto de perseguições, maus trator e torturas, e os que foram mortos e desaparecidos”, disse Suplicy, em sua saudação.

Eugenia Gonzaga, presidenta da Comissão Especial da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, apontou alguns caminhos que ela entende que seria possível dar andamento ao tema da reparação e que, em sua opinião, realmente é preciso dar continuidade ao trabalho que já foi iniciado no âmbito da CNV.

Para ela, uma das possibilidades seria dar seguimento por meio da C.E. de Mortos e Desaparecidos Político, presidida por ela. Outra proposta dela, seria criar uma comissão por lei, que objetive a reparação das empresas privadas. Ela lembrou que a responsabilização de entes privados não é novidade, se olharmos para acontecimentos da II Guerra Mundial e perseguição dos nazistas, por exemplo.

Eugenia também sugeriu fazer uma representação única, via Ministério Público Federal, para a Procuradoria Federal de Direitos do Cidadão. Outra possibilidade seria propor um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), pois quem está atualmente à frente das empresas envolvidas não gostaria de ver sua marca associada a situações que envolvam a Ditadura Civil-Militar.

Dra. Rosa Cardoso, afirmou que “a gente pretende não somente dar visibilidade a esta demanda da classe trabalhadora, mas também fazer avançar este trabalho, no sentido de promover efetivamente a punição e a reparação”.

Em sua opinião, a fundamentação para esta campanha deve ser simples e clara, se pautando em três eixos: reparação já, por parte dos empresários e empresas que participaram do golpe e da ditadura. O golpe e ditadura foram um empreendimento empresarial-militar; os empresários e empresas promoveram as graves violações de direitos oferecendo infra-estrutura, serviços, veículos, departamentos de recursos-humanos, fazendo listas, monitorando, pagando informantes, entre outras coisas; e, por fim, houve uma ditadura fabril dentro da ditadura, que reprimiu e super explorou trabalhadores.

Ela também defendeu que o caminho seja pro meio do Ministério Público. Ela lembrou que esta não é uma questão criminal, mas sim de responsabilidade civil, por isso deve ser cobrado às empresas que reconheçam seu papel no passado e se disponibilizem a realizar as reparações necessárias.

Representando o Ministério Público, Dr. Pedro Machado, que está recebendo a representação, alertou para o fato de que no judiciário a situação se complica, pois a maioria dos juízes não querem assumir este tipo de trabalho por não ter garantia de que, em caso de mudança de governo, este trabalho tenha continuidade.

Nádia Gebara, da Intersindical e assessora do Sindicato dos Químicos Unificados, ressaltou que “este trabalho é importante, no sentido que faz com que as pessoas saibam da ligação da ditadura com o capital. A ditadura foi uma serviçal dos bancos”, e recordou o importante trabalho feito pelo Sindicato dos Bancários de Santos e Região sobre a perseguição e prisão dos trabalhadores bancários a Baixada Santista e a luta dos trabalhadores durante este período.

Ao final representantes das centrais e de entidades que trabalham pela memória, verdade, justiça e reparação se reuniram para elaborar encaminhamentos que garantam a continuidade dos trabalhos. Ficou estabelecido que é necessário preparar coletivamente o pedido de abertura de Inquérito Civil ao Ministério Público Federal para a investigação das empresas cúmplices do golpe e da manutenção da ditadura civil-militar e fazer uma campanha nacional, distribuindo cartazes e banners para vários sindicatos no país, de modo que a luta pela justiça e pela reparação sigam vivas.

Leia também:
Para cumprir as tarefas de justiça e reparação é preciso responsabilizar o empresariado

Veja as fotos do ato:
[cincopa AUJAOoMtCReB]

banner-cartaz-0803-3ok p

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários