Fortaleza (CE) na luta contra a entrega da aposentadoria para os bancos

CE - Fortaleza Contra o Fim da Aposentadoria

Compartilhe

As Centrais sindicais (Intersindical, CUT, CTB, CSP-Conlutas, CSB, Unidade Classista), as Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular e vários sindicatos como o Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort) promovem neste momento o ato “Ceará contra o Fim da Aposentadoria”.

O protesto, que ocorre simultaneamente em diversas capitais, faz parte de uma mobilização nacional contra a Reforma da Previdência.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Além do protestar contra a Reforma da Previdência (PEC 06/2019), que significa na prática para muitos trabalhadores o fim da aposentadoria, o ato também denuncia a tentativa de desmonte dos sindicatos promovido pelo governo de extrema direita de Jair Bolsonaro. O ataque mais recente se dá por meio da Medida Provisória (MP) 873, que visa desgastar a atuação das entidades representativas dos trabalhadores e desviar a atenção da luta contra o fim das aposentadorias.

A Reforma da Previdência, que já tramita no Congresso, determina idade mínima de 65 anos para homens, 62 anos para mulheres e aumenta o tempo de contribuição de 15 para 20 anos. Mulheres, agricultore(a)s, professore(a)s e idosos serão os maiores prejudicados.

Além disso, a reforma dificulta o acesso a uma série de benefícios e estabelece que idosos carentes irão receber somente R$ 400,00 entre os 60 e os 70 anos, quando passam a ganhar um salário mínimo.

A reforma também pretende implantar o modelo de capitalização que beneficia banqueiros e especuladores. Este modelo não deu certo onde foi implementado, como no Chile, onde está sendo revisto. MP 873 viola Constituição.

Já a Medida Provisória (MP) 873 visa principalmente dificultar a forma de arrecadação e articulação dos sindicatos. A medida viola, por exemplo, o direito fundamental dos trabalhadores públicos e privados de livre associação sindical e ainda fere o artigo 8º da Constituição de 1988, que proíbe a interferências do Estado sobre a liberdade e a autonomia do movimento sindical e reconhece as organizações como fundamentais para a garantia da democracia do país.

Para Nascelia Silva, presidente do Sindifort, “é somente através da luta que poderemos derrotar estas medidas e este governo de extrema-direita que não respeita a Constituição e quer que trabalhemos até morrer sem direito a aposentadoria, tudo para dar lucro a banqueiros e especuladores”. #EmDefesadaAposentadoria


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
trackback

[…] em 20 de fevereiro. Em São Paulo, a avenida Paulista reuniu 70 mil pessoas; no Rio de Janeiro e em Fortaleza, outras 30 mil em […]