Fenaban mantém proposta rebaixaba e comando rejeita. Greve segue firme

Fenaban mantém proposta rebaixaba e comando rejeita. Greve segue firme

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Fenaban mantém postura intransigente e insiste em manter política de rebaixamento de salário da categoria

Frustrando a expectativa da categoria, a Fenaban apresentou nova proposta rebaixada. Em reunião durante toda tarde dessa quarta-feira, 28, em São Paulo, os bancos mantiveram o índice de 7% para salários e demais verbas em 2016, com abono de R$ 3,3 mil, e índice composto de inflação (INPC) mais 0,5% para 2017, em modelo de acordo válido para dois anos. O Comando Nacional dos Bancários considerou a proposta insuficiente e a rejeitou ainda na mesa de negociação,  por considerar insuficiente.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A greve da categoria continua por tempo indeterminado e nesta segunda-feira, 03, às 17 horas, no Centro Sindical,  será realizada uma plenária com os bancários e bancárias para debater e organizar os rumos do movimento. O Comando Nacional dos Bancários continua em São Paulo e reiterou que permanece à disposição da Fenaban para ter uma proposta que permita resolver a Campanha Nacional sem perdas para os bancários e bancárias. A paralisação chegou hoje ao 24º dia, e registrou recorde de adesão nessa quarta-feira, 28, com 356 agências fechadas no Espírito Santo. Nacionalmente, são 13.420 agências e 33 centros administrativos com atividades paralisadas.

“Mais uma vez, a Fenaban apresenta uma proposta vergonhosa. Os bancos continuam intransigentes e, mesmo com lucros bilionários, se recusam a  negociar uma pauta que proporcione valorização para a categoria. Já estamos na quarta semana de greve e essa postura da Fenaban é um desrespeito com os bancários e com a população, que precisa de atendimento. Não vamos aceitar essa política dos bancos de rebaixamento dos nossos salários e de intensificação das péssimas condições de trabalho”, enfatiza o coordenador do Sindibancários/ES, Jonas Freire.

A rodada de negociação teve início na terça-feira, 27, quando os trabalhadores já haviam afirmado que só negociaram o modelo bianual caso a proposta contemplasse ganhos reais para a categoria e as reivindicações de saúde, condições de trabalho, emprego, segurança e igualdade de oportunidades, o que não aconteceu. A pauta social da categoria foi ignora, e a proposta de remuneração não reflete a lucratividade dos bancos.

Lucros

Os lucros dos bancos permanecem nas alturas, enquanto muitos setores registram perdas. Os cinco maiores bancos brasileiros (Bradesco, Itaú Unibanco, Santander, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) apresentaram, no primeiro semestre de 2016, o lucro líquido de R$ 29,7 bilhões.

A população também sente no bolso a ganância dos banqueiros. Pesquisa divulgada nesta quarta-feira (28) pelo Banco Central, revela que a taxa de juros do cheque especial bateu novo recorde de julho para agosto, e chegou a 321,1% ao ano.
Os juros do cartão de crédito não param de subir. Em agosto, na comparação com o mês anterior, houve alta de 3,5 pontos percentuais, com a taxa em 475,2% ao ano. Neste ano, essa taxa já subiu 43,8 pontos percentuais.

Principais reivindicações dos bancários:

• Reajuste salarial: reposição da inflação (9,62%) mais 5% de aumento real.
• PLR: 3 salários mais R$8.317,90.
• Piso: R$3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).
• Vale alimentação no valor de R$880,00 ao mês (valor do salário mínimo).
• Vale refeição no valor de R$880,00 ao mês.
• 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor de R$880,00 ao mês.
• Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários.
• Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas.
• Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários.
• Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.
• Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários.
• Igualdade de oportunidades: fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários