fbpx

“Eu estive no inferno durante 22 dias”. Relato comovente de uma mãe de presos políticos

  • Renata Hummel 

“De madrugada no outro dia, bateram à minha na porta . Eram soldados com metralhadoras, invadiram a casa, mexeram em tudo e me levaram para o Dops de Niterói. Meu cachorro ficou preso dentro de casa, escondido debaixo da mesa como se soubesse o perigo de aparecer. Um homem me levou para o Rio. Estive no inferno por 22 dias.

                                      (…)

Fiquei em cima de uma sala de tortura ou coisa parecida, eu ouvia barulho de todo jeito, pareciam cabeçasbatendo nas paredes. A luz da cela ficava sempre acesa. Era sinal que de madrugada vinham buscar uma. Sempre que levavam uma mocinha. Eu ficava chorando, quando elas voltavam e me contavam que foram torturadas com choques, etc.

                                      (…)

Vi um dia minha nora no corredor.  Ela parecia um monstro, o rosto inchado, cheio de hematomas. Ela me olhou com os olhos cheios de lágrimas.”

Foto 1 Inazinha, ex-presa política. Filha de Inah Meirelles de Souza

Foto 2 Colombo e Jessi Jane na prisão

Foto 3 Inah Meirelles de Souza, com ex-presos políticos por ocasião de seu 80º aniversário

 Trechos de documento escrito por Inah Meirelles de Souza, em 1º de novembro de 1978.

Hoje, dona Inah está com 92 anos.

 Trechos de documento escrito por Inah Meirelles de Souza, em 1º de novembro de 1978.

No dia 2 de julho de 1970, agentes da ditadura invadiram a casa de “dona” Inah e a levaram presa. Um ano antes foi presa sua filha Iná e seu então genro Marcos Medeiros. A casa da Rua Doutor Sardinha, 22, no bairro do Fonseca, em Niterói, foi invadida e dona foi presa após a prisão de seu filho Colombo, de sua nora Jessie Jane e do amigo da família Fernando Palha Freire. Eiraldo, o irmão de Fernando foi assassinado pela repressão no ato da prisão.

Na carta, “dona” Inah faz relato das visitas que fazia aos presos políticos nos presídios da Ilha das Flores e da Ilha Grande, ambos situados no Rio de Janeiro.

“Inah Meirelles de Souza nasceu na cidade de Conquista, no triângulo mineiro, em dezembro de 1923. Na adolescência, veio com sua família para Marechal Hermes, subúrbio do Rio, onde ficou até se casar, em 1945, com um jovem aviador com quem teve dois filhos (Iná e Colombo).

Em 1955, um trágico acidente interrompeu a felicidade do casal e Inah ficou viúva. Em 1969, soube que sua filha, Iná Meireles de Souza, e seu então genro, Marco Antonio Medeiros, haviam sido presos no Paraná e que se encontravam sendo torturados na Ilha das Flores, à época base de um centro de torturas da Marinha. Esta noticia transformou sua vida que a partir daquele momento passou a girar em torno das prisões.

Em 1970, seu filho Colombo e sua companheira Jessie Jane foram presos juntamente com dois outros jovens, Fernando Palha Freire e Eiraldo Palha Freire. Na manhã seguinte, sua casa foi invadida por agentes da repressão que a levaram presa para o DOI-CODI e, posteriormente, para o CISA. Foram trinta dias de terror. Ali Inah assistiu seu filho ser torturado e conviveu com dezenas de mulheres que também estavam sendo interrogadas e torturadas.” (Texto do GTNM, do Rio de Janeiro)

Fonte: Documentos Revelados

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top