Estaleiro Mauá demite milhares de funcionários e ameaça fechar as portas

Estaleiro Mauá demite milhares de funcionários e ameaça fechar as portas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Ao final do expediente desta quinta-feira, 02, o Estaleiro Mauá – controlado pela Eisa Petro Um – entregou carta aos 2 mil funcionários informando que não devem retornar ao trabalho até segunda ordem. Fez isso na mesma semana em que implantou o terror entre os trabalhadores. Demitiu 1.100 pessoas numa manhã. À tarde, dispensou mais 400. Nos dois dias seguintes, ainda demitiria mais 600 metalúrgicos do setor naval.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Sequer as verbas rescisórias foram pagas no dia acertado.

A empresa alega que precisa adequar suas questões financeiras com a crise no setor, mas ignora o fato de que apresentou lucros formidáveis nos últimos anos. Na primeira dificuldade joga nas costas de milhares de funcionários a conta de uma crise que não foi provocada pelos trabalhadores.

“Os trabalhadores esperam que o estaleiro ou a Petrobrás encontrem outras saídas, que não penalizem os trabalhadores”, afirma José Batista Júnior, que é dirigente sindical da categoria.

Na opinião de Júnior Metalúrgico, como é conhecido, o trabalhador não pode ser penalizado pela má gestão do estaleiro ou pela corrupção no setor. “É necessário que o governo e a Petrobrás ajam para mudar o controle acionário da empresa e manter o estaleiro funcionando, para o bem dos trabalhadores e da economia brasileira”.

O metalúrgico critica a atuação do presidente do sindicato da categoria. “Cometeu muitos erros nos últimos anos e deixou nosso sindicato enfraquecido, desacreditado. Mas a união da categoria e o diálogo com a sociedade na defesa da política de conteúdo local podem permitir a garantia dos empregos e dos interesses nacionais” acredita Júnior, que coordenada um grupo de metalúrgicos em oposição ao atual presidente do sindicato da categoria. “Nos próximos dias a categoria vai se mobilizar e promete aumentar a pressão social” conclui Júnior Metalúrgico, que também é dirigente da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários