Entidades ganham liminares contra ataques de Bolsonaro ao financiamento sindical

Entidades ganham liminares contra ataques de Bolsonaro ao financiamento sindical

Entidades ganham liminares contra ataques de Bolsonaro ao financiamento sindical

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Criada para asfixiar os sindicatos brasileiros, a Medida Provisória (MP) 873, do governo Bolsonaro, tem sido contestada na Justiça, principalmente nas instâncias inferiores. Diversos sindicatos têm obtido liminares pela não aplicação da MP que afronta o direito de organização, a liberdade e autonomia sindical.

Publicada em 1º de março, a MP 873 proíbe o desconto em folha de todas as formas de custeio sindical, tentando impedir inclusive o desconto de mensalidades dos associados.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A MP tenta obrigar a emissão de boletos bancários, além de impedir a prevalência das decisões coletivas dos trabalhadores em assembleia.

Uma das vitórias em liminar veio do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4). Para a desembargadora Simone Maria Nunes, a medida de Bolsonaro extrapola suas atribuições como presidente do país. “Ainda que o Executivo tenha sido eleito pela vontade popular, fruto da nossa democracia representativa, não o foi para que exacerbasse os limites que a Constituição da República lhe impõe. Promulgada a medida sem ao menos a chancela do Poder Legislativo, e tolhida do debate a população, não se constata, nesta Medida Provisória especificamente, a ‘manifestação da autêntica vontade popular’”, decidiu a desembargadora do TRT4 no mandado de segurança.

A 9ª Vara do Trabalho de Natal também se colocou contra o ataque de Bolsonaro em ação ajuizada pelo Sindipreto/RN. Na ação, o sindicato alega que “a forma de recolhimento das mensalidades sindicais está regulamentada há quase 80 anos e contou com a previsão constitucional no inciso IV do Art. 8º da CF/88, mas a reforma trabalhista de 2017 impôs restrições ao modelo de financiamento sindical, que foram aprofundadas com a medida”.

Para a juíza Lygia Godoy, “ao se proibir que qualquer cobrança ou desconto esteja previsto em norma coletiva, a lei se sobrepõe à norma constitucional, num claro objetivo de extinguir, desestabilizar, destruir as organizações representativas que, ao longo da história dos países civilizados, contribuíram para a conquista dos direitos laborais e que, nos países do primeiro mundo mantêm-se fortes e decisivas para o equilíbrio entre o capital e o trabalho”.

Caso a Petrobras descumpra a liminar, terá de pagar multa diária de R$ 10 mil, em favor do Sindipetro/RN.

Texto: Matheus Lobo
Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários