Eduardo Cunha é notificado sobre pedido de afastamento da Câmara

Eduardo Cunha é notificado sobre pedido de afastamento da Câmara

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi notificado nesta terça-feira (16) sobre o processo que pede seu afastamento do comando da Casa e de seu mandato. O pedido foi feito pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

Cunha já havia sido denunciado ao STF pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção e lavagem de dinheiro, sob acusação de ter recebido US$5 milhões em propina de contratos para a fabricação de navios-sonda para a Petrobras. O pedido também é justificado por indícios de que o presidente da Câmara esteja utilizando o cargo para frear as investigações da operação Lava Jato.

Além disso, Cunha está sendo acusado de intimidar colegas parlamentares, advogados e agentes públicos. Em manifestação ao STF, Janot declarou que Cunha “sempre se mostrou (…) extremamente agressivo e dado à retaliações a todos aqueles que se colocam em seu caminho a contrariar seus interesses”. O presidente da Câmara também responde a um processo de cassação desde outubro – com trâmite praticamente paralisado.

“Não podemos ter hoje um presidente da Câmara dos Deputados com todas essas acusações e ainda podendo interferir no caso. Entendemos que a permanência dele na presidência fere o devido processo legal”, afirma Carlos Lamachi, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Cunha recebeu dez dias corridos (até o dia 29 de fevereiro) para apresentar sua defesa ao STF. Após o prazo, seu caso poderá ser levado para julgamento no plenário da corte, pelo ministro Teori Zavascki. Entretanto, o presidente da Câmara entrou com recurso no STF para aumentar seu prazo de defesa no processo.

O recurso foi apresentado pelo advogado de Cunha, Marcelo Nobre, na tarde desta terça-feira, e será analisado pelo ministro Luís Roberto Barroso. Caso o ministro não conceda o pedido, Nobre pede a paralisação do processo no Conselho de Ética da Câmara, até que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) julgue outro recurso de Cunha, que também pede por mais prazo. O presidente da Câmara ainda não se posicionou sobre o caso.

Fonte: Brasil de Fato

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários