Primeira mulher presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região assume com muita luta pela frente

Primeira mulher presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região assume com muita luta pela frente

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A nova diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região tomou posse dia 8 de abril de 2016, em solenidade concorrida, com cerca de 200 pessoas presentes, na Av. Washington Luiz – 140, Santos, para comandar a entidade no triênio 2016/19. Esta diretoria tem no comando Eneida Koury, a primeira mulher presidente da história do Sindicato, desde sua fundação em 11/01/1933. A diretoria foi eleita com 1.688 votos – 98,37% do total de 1.716 votantes. Além de Eneida, tomaram posse mais 47 bancários (as) da ativa e aposentados distribuídos em diversas diretorias e funções.

A mesa de convidados sindicalistas foi formada por Bernadete Menezes (ASSUFRGS e da Intersindical), Manoel Elídio Rosa (Contrafcut e Intersindical), Nilza Pereira de Almeida (Químicos Unificados de Osasco e Campinas e Intersindical), Vanessa Gravino (Apeoesp e Intersindical), Edson Carneiro Índio (Secretário Geral da Intersindical), Ricardo Saraiva Big (Secretário Geral do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e Secretário de Rel. Internacionais da Intersindical) e Eneida Koury (Presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e da Direção Nacional da Intersindical).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Todos foram unânimes em dizer que a conjuntura política nacional está muito ruim para a classe trabalhadora. “Vamos ter que lutar muito para não perdermos nossos direitos contidos na CLT como férias remuneradas, 13º salário, FGTS, horas extras e muitos outros. Caso o governo Dilma caia e a direita tome posse com o golpe, a primeira medida dos defensores dos patrões, banqueiros e da Fiesp será a aprovação da terceirização irrestrita afetando em cheio a categoria bancária”, disse Eneida.

“A segunda é retirar direitos previdenciários dos trabalhadores. Como, por exemplo, aumentar a idade mínima de 65 anos para que as mulheres se aposentem igualando aos homens. Sem levar em consideração a jornada dupla, tripla ou ainda maior que as mulheres enfrentam diariamente cuidando de filhos, idosos, da casa e outros compromissos”, alertou a presidente eleita.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários