Dieese revela: só metade das negociações salariais de 2015 ficou acima da inflação

Dieese revela: só metade das negociações salariais de 2015 ficou acima da inflação

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Pouco mais da metade dos reajustes salariais em 2015 ultrapassou a variação da inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), segundo estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Apenas 52% dos reajustes salariais apresentaram ganhos, ficando acima da inflação medida pelo INPC1 , 30% foram em valor equivalente à variação do índice e 18% ficaram abaixo. O aumento real médio em 2015 foi de apenas 0,23%.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Foram analisados pelo Sistema de Acompanhamento de Salários (SAS-DIEESE) os reajustes de 708 unidades de negociação da indústria, comércio e serviços em quase todo o território nacional.

Em 2014, 90,2% das negociações tinham resultado em ganhos acima da inflação. O estudo mostra ainda que, em um terço delas, o percentual de reajuste ficou igual ao da inflação e 18% tiveram a remuneração abaixo do INPC.

Pior resultado em 12 anos

Este foi o pior resultado em 12 anos. Desde 2004 não se observava um resultado tão desfavorável para os trabalhadores. Naquele ano, 54,9% resultaram em ganhos reais aos salários, 19% dos reajustes ficaram abaixo da inflação, 26% tiveram valor igual. A variação real média em 2004 foi de 0,61% acima da variação do INPC.

O levantamento aponta que os ganhos e perdas, em sua maioria, oscilaram em torno da inflação. Os ganhos até 1% foram registrados em 38% dos reajustes e, em 66% dos que ficaram abaixo da inflação, as perdas se situaram até 1%.

Inflação em alta

O estudo também aponta que, enquanto a inflação foi subindo, houve uma gradativa mudança no resultado das negociações. No início do segundo semestre, os reajustes com perdas salariais param de subir e ao mesmo tempo ganham força os reajustes com taxas iguais aos da inflação.

“Uma possível explicação para a deterioração dos reajustes salariais ao longo do ano pode ser encontrada no agravamento do quadro econômico nacional, principalmente, no que se refere ao comportamento do nível de atividade, da ocupação e da inflação”, aponta a justificativa técnica do Dieese.

O setor industrial foi que mais evidenciou os efeitos da crise. Só em 45% dos reajustes do setor ocorreram ganhos reais; em 36% os aumentos ficaram iguais ao da inflação; e em 19% houve perdas. Já no comércio, o aumento com ganhos atingiu 53% das negociações e os casos com perdas foram observados em 15%. As correções em taxa semelhante atingiram 32%.

Nos serviços, o quadro foi melhor com 62% das categorias estudadas obtendo ganhos reais; 18% tiveram perdas e 20% correções em índice igual ao da inflação.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários