Dia 28 de janeiro é a data que marca o Combate ao Trabalho Escravo no Brasil

Dia 28 de janeiro é a data que marca o Combate ao Trabalho Escravo no Brasil

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo foi instituído após o assassinato brutal de três Auditores-Fiscais do Trabalho e do motorista que os acompanhava, no crime que ficou conhecido como Chacina de Unaí.

O Dia 28 de janeiro é o dia do Auditor-Fiscal do Trabalho e Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. É também a data em que é lembrada a Chacina de Unaí (MG), em que foram assassinados três Auditores-Fiscais – Eratóstenes, João Batista e Nelson, e o motorista Ailton. O crime completa 12 anos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em Brasília houve manifestação pela manhã diante do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), para exigir a prisão dos mandantes e intermediários da chacina e que recorrem da sentença em liberdade: os irmãos Antério e Norberto Mânica, Hugo Pimenta e José Alberto de Castro.

Delegacias sindicais do Sindicato Nacional de Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait) no Acre, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Santos (SP) e Sergipe organizam seminários, jornadas e atos públicos.

Tanto Antério como Norberto foram condenados a 100 anos de prisão. A pena ficou um pouco menor porque ambos chegaram a ser presos no início das investigações. A do ex-prefeito de Unaí por dois mandatos pelo PSDB ficou em 99 anos e 11 meses, enquanto a do empresário caiu para 98 anos e meio.

De 1995 (ano em que foram criados os grupos móveis de fiscalização) até o ano passado, foram feitas mais de 1.900 operações pelo país, com 49 mil trabalhadores resgatados.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora apoia a mobilização e alerta para o perigo de aprovação do projeto de lei (PLS 432/13) que mudará o conceito de trabalho análogo ao regime de escravidão.

No próximo dia 2 de fevereiro a Intersindical estará presente em audiência da Comissão de Direitos Humanos do Senado para defender os trabalhadores que sofrem com jornadas de trabalho desumanas e situações análogas à escravidão. O PLS 432/13 está na ordem do dia do próximo dia 3 de fevereiro, no Senado, para ser votado.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários