Valdete Souto Severo | Corrupção e terceirização: faces de um mesmo discurso

Valdete Souto Severo | Corrupção e terceirização: faces de um mesmo discurso

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
  • Valdete Souto Severo*

Quem é contra a corrupção e está atento à insistente informação midiática acerca da operação Lava Jato deve ter observado a quantidade de terceirizações e quarteirizações diretamente envolvidas no desvio de dinheiro público. O tema da terceirização está, portanto, mais próximo de nós – de todos nós – do que podemos imaginar.

A operação Lava Jato investiga um esquema de superfaturamento de contratos da Petrobrás para pagamento de propina a agentes públicos e privados. A burocracia e a possibilidade de contratação de empresas privadas (a terceirização) é um dos caminhos principais para permitir tais atos de corrupção.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A terceirização, portanto, está diretamente relacionada ao discurso contra corrupção, que vem animando manifestações pelo país. A administração pública é o empregador que mais terceiriza no país. Ao fazê-lo, burla a norma de contratação por meio de concurso público. A recente decisão do STF na ADI 1923 permite à administração pública, direta e indireta, contratar pessoas por meio de Organizações Sociais, mesmo em tribunais, hospitais e escolas.

A prática de contratar empresas, para contratar pessoas, em lugar de contratá-las diretamente, por meio de certame público, potencializa as possibilidades de desvio de dinheiro público, cria procedimentos desnecessários e burocratiza a prestação de serviço público. O PLC 30 amplia ainda mais as possibilidades de repasse de força de trabalho, estimulando a corrupção tanto em âmbito público quanto privado.

A chamada Agenda Brasil, anunciada recentemente, inclui a terceirização e, portanto, a aprovação do PLC 30/2015, no rol de prioridades dos poderes de Estado. E, ao que parece, pela movimentação do Congresso para a inclusão em regime de urgência, a terceirização figura realmente como o verdadeiro principal objetivo da articulação que se desenha no panorama político do país.

Muito já foi dito contra a terceirização: reduz salários, distancia o trabalhador do verdadeiro beneficiário do trabalho, potencializa o número de acidentes, reduz as contribuições previdenciárias e fiscais, facilita a exploração do trabalho infantil ou em condição análoga à de escravo. Resta o que ainda precisa ser dito: está diretamente relacionada às últimas notícias de corrupção no país.

O discurso que rechaça a corrupção, vestindo-se das cores do Brasil para pedir maior compromisso com a coisa pública, precisa urgentemente perceber que a agenda da terceirização está na contramão também das suas prioridades. Para além das diferenças político-partidárias, portanto, existe uma agenda comum, que repele a institucionalização da corrupção e que, por consequência, precisa repelir fortemente qualquer tentativa de regulamentação da terceirização nas relações de trabalho.

Leia também:
Tomar as ruas por direitos, liberdade e democracia!
Senado prepara extermínio de direitos e mais privatizações

_______________________
Valdete Severo 001 190x247
*Valdete Souto Severo – Juíza do trabalho no Tribunal Regional do Trabalho da Quarta Região. Especialista em Direito do Trabalho, Processo do Trabalho e Direito Previdenciário pela UNISC, Master em Direito do Trabalho, Direito Sindical e Previdência Social, pela Universidade Européia de Roma – UER (Itália), Doutora em Direito do Trabalho pela USP/SP. Diretora da FEMARGS – Fundação Escola da Magistratura do Trabalho do RS.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Douglas Dickel
Douglas Dickel
2 anos atrás

Discordo, apenas, que o “combate à corrupção” seja incompatível com o apoio à terceirização. Ambas as campanhas foram induzidas pela mídia, para benefício de seus sócios, os grandes empresários. Por parte dos “manifestantes”, o objetivo de “combater a corrupção” é/era afastar do poder os políticos mais ligados aos pobres, da mesma forma que o apoio à terceirização também é um movimento na direção da manutenção das desigualdades sociais e da concentração de renda.