fbpx

CONJUNTURA EM MOVIMENTO #4: Defesa da soberania

Defesa da soberania, conjuntura em movimento, trabalhadores unidos, força dos trabalhadores, brasil melhor

Não há na história do capitalismo moderno uma única nação que conseguiu se industrializar sem desenvolver forte presença do estado. No caso brasileiro, o estado foi coordenador e investidor dos setores de base, estratégicos para o desenvolvimento fabril, garantiu assim a nossa industrialização nos anos 30 e o crescimento até a década de 70.

O Estado brasileiro moderno sempre esteve à frente dos projetos de desenvolvimento: o grande crescimento da economia brasileira de 1930 a 1970 foram liderados por empresas públicas, como a Petrobras, BNDES, Companhia Siderúrgica Nacional e os bancos públicos. 

A título de exemplo, o Banco do Brasil ainda é hoje o maior responsável pelo financiamento da agricultura familiar e do agronegócio; a Caixa Econômica Federal é a principal financiadora do setor habitacional e fomento às obras de infraestrutura essenciais para a garantia de direitos,  como o saneamento básico (água potável e esgoto). O BNDES é praticamente o único financiador da indústria de bens de capital no país. Tudo isso com juros abaixo dos patamares praticados pelo setor bancário privado, isso porque o sistema financeiro público tem o papel de fomento e fortalecimento da economia real e não para acumulação privada. 

Agenda de privatizações

A agenda de privatizações é o conteúdo concreto da agenda anti-nacional de Bolsonaro, na contramão do desenvolvimento nacional aposta na dilapidação do capital nacional estatal. 

No campo do setor petroquímico, uma das áreas estratégica para a economia brasileira, o desmonte assume a proporção de um crime contra a viabilidade nacional. A privatização da Transportadora Associada de Gás (TAG), a venda controle acionário da BR Distribuidora, o leilão anunciado de 8 refinarias da Petrobras são um ataque a soberania energética brasileira e compromete todos os setores econômicos e a vida cotidiana do conjunto da população brasileira. 

A privatização dos Correios, proposta já anunciada pelos apoiadores do governo, é outro crime contra a soberania nacional e o direito à informação e serviços fundamentais a grande maioria da população brasileira. O Correios são uma empresa que garante muito mais que correspondência, mas o acesso a serviços públicos que não podem ser substituídos pela iniciativa privada. 

Mas a lista de privatizações é longa e inclui a venda das 134 empresas públicas estratégicas (ditas empresas-mãe) além das 88 empresas públicas subsidiárias. A decisão do STF do dia 06/06, que liberou a privatização sem licitação ou aprovação legislativa das subsidiárias, mas abre caminho para enfraquecer todo o sistema estatal, o tornando frágil e mesmo inviável.

Diante desta avalanche privatista, é fundamental a resistência dos trabalhadores e usuários dos serviços públicos. A defesa dessas empresas públicas com controle social está associada à defesa de uma vida digna para todos os brasileiros e a garantia de que nosso país saia do subdesenvolvimento e se projete no rol das nações democráticas com justiça social.

A questão Amazônica

No último mês, tivemos notícias de forte repercussão internacional em relação à ampliação do desmantamento na Floresta Amazônica e a violação criminosa de reservas indígenas demarcadas. Acontecimentos que geraram mobilizações importantes no Brasil e no exterior e repercussões negativas na diplomacia brasileira. O fato é que a chancela por parte do governo dos crimes ambientais no norte do país cria lacunas para que as grandes corporações empresariais e governos de nações imperialistas, interessadas na região, questionem a capacidade do estado em garantir a efetividade da lei no território da Amazônia  Legal.

 Diante da crítica internacional, Bolsonaro desfere ataques contras as ongs e minimiza a responsabilidade do agronegócio e das mineradoras no tema. Assume um discurso soberano, frente aos interesses internacionais em relação a região, uma reação unicamente retórica, uma vez que tem defendido a presença de empresas mineradoras estrangeiras, em especial americanas, em áreas indígenas demarcadas. Junto a isso, não imprimiu nenhuma resistência em relação ao “acordo” que transfere para o controle de militares estadunideses atividades da Base Aérea de Alcântara (MA), instalação estratégica tanto para o programa espacial brasileiro quanto para operações de defesa e controle da região amazônica. 

A soberania brasileira sobre a Amazônia Legal é incontestável, para que seja assegurada, é necessário a defesa frente aos interesses internacionais, mas também regular e limitar as atividades predatórias do agronegócio e da mineração na região. Em especial porque estes são  setores de produção de matérias-primas, commodities que satisfazem as demandas internacionais e não possuem correspondência com as necessidades de nacionais de desenvolvimento. A mineração e a monocultura são fatores históricos de atraso da nossa estrutura econômica, privilegiá-los, como faz o governo, implica em retirar as condições de desenvolvimento futuras, implica em continuar a reproduziur a dependência econômica e o atraso social brasileiro.

Alexandre Caso
Manuel Elídio Rosa
Pedro Otoni

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top