Por 14 a 1, comissão mista aprova MP 905 do “Contrato de Trabalho Verde e Amarelo”

Por 14 a 1, comissão mista aprova MP 905 do “Contrato de Trabalho Verde e Amarelo”

mp 905

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Numa reunião absolutamente atípica, a comissão mista da MP 905/19, que instituiu o “Contrato de Trabalho Verde e Amarelo” aprovou, por 14 a 1, o PLV (projeto de lei de conversão) 4/20, do relator, deputado Christino Aureo (PP-RJ). Importante destacar que foi a única comissão deliberativa que funcionou — na Câmara e no Senado — nesta terça-feira (17).

Por meio da MP, incentiva-se à contratação de pessoas entre 18 e 29 anos de idade, com rendimento limitado a 1,5 salário mínimo por mês (hoje, R$ 1.567,50). O relatório amplia o limite máximo de contratações para até 25% do total de empregados e autoriza a admissão de pessoas com mais de 55 anos, desde que estejam sem vínculo formal de trabalho há mais de 12 meses.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O relator apresentou complementação de voto, com “errata” ao PLV. “Ao final, a maior parte dos ajustes têm caráter técnico, mas alguns desses afetam o mérito da proposição”, atesta o consultor legislativo do Senado, Luiz Alberto dos Santos.

E segue: “Há inclusões e supressões de dispositivos, que demonstram a dificuldade de o relator apresentar um PLV consistente, dada a complexidade do tema e o grande número de normas objeto de alteração.”

Destaques

Durante a votação, deputados e senadores de partidos da oposição anunciaram a obstrução da votação. Eles também acusaram o presidente do colegiado, senador Sérgio Petecão (PSD-AC), de descumprir acordo feito com os parlamentares para a votação de destaques que alterariam o texto. Pelo acordo, haveria votação nominal tanto para os destaques quanto para o relatório, mas alguns destaques acabaram sendo rejeitados em votação simbólica.

Apenas 1 dos 6 destaques apresentados e votados foi aprovado. O destaque foi solicitado pelo senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) a 1 emenda, do senador Acir Gurgacz (PDT-RO). O texto determina que o direito do empregado ao vale-transporte não poderá ser excluído ou reduzido em convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho.

Medidas excepcionais

Em razão das medidas excepcionais tomadas para prevenir e minorar o contágio pela pandemia de coronavírus, apenas 16 dos 26 membros da comissão mista participaram da reunião desta terça-feira.

Tramitação

O texto segue para votação no plenário da Câmara dos Deputados, que adotará, segundo Projeto de Resolução 11/20 aprovado pelos deputados em plenário, nesta terça, “a forma de discussão e votação remota de matérias sujeitas à apreciação do Plenário, doravante denominado Sistema de Deliberação Remota (SDR).”

Se aprovada pelos deputados, em seguida vai a votos no plenário do Senado. A MP, agora, em razão das alterações no texto, tramita como PLV 4/20expira no dia 20 de abril.

Critérios para participar:

• ter entre 18 e 29 anos e estar no 1º emprego (trabalho avulso, intermitente, menor aprendiz e contrato de experiência não contam como 1º emprego);

• pessoas acima de 55 anos e fora do mercado formal a mais de 12 meses também terão os benefícios;

• vagas que paguem até 1,5 salário mínimo (R$ 1.567,50, em 2020); e

• empresas podem preencher até 25% das vagas pelo programa.

Duração:

• até 2 anos (24 meses); empresas poderão contratar até 31 de dezembro de 2022; e

• se passar desse prazo, o contrato é convertido automaticamente em contrato de trabalho por tempo indeterminado, com as regras iguais às dos demais trabalhadores.

Trabalhador perde:

• patrão paga 2% de FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) ao mês; demais trabalhadores recebem 8%; e

• multa na hora da demissão será de 20% do FGTS; demais trabalhadores recebem 40%.

Programa garante:

• pagamento mensal referente a 1/12 do 13º salário e das férias, incluindo adicional; e

• multa de 20% do FGTS será paga também em demissão por justa causa; demais trabalhadores não recebem multa nesse caso.

Empresa deixa de pagar:

• 20% ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social);

• contribuições ao “Sistema S”, que financia Sesi, Sesc e Senai;

• contribuição ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária); e

• salário-educação.

Taxação do seguro-desemprego:

• para bancar o rombo deixado na Previdência pela isenção do pagamento das empresas ao INSS, o governo resolveu taxar o seguro-desemprego. O benefício sofrerá desconto de 7,5%. Hoje, esses desempregados não pagam nada ao INSS; e

• essa contribuição dos desempregados vai contar como tempo para a aposentadoria. Ao contrário do programa para os jovens, que tem prazo para acabar, a taxação é permanente.

Trabalho aos domingos:

• governo aproveitou para incluir nessa MP pontos que constavam na MP de “Liberdade Econômica”, que ficou conhecida como “minirreforma trabalhista”, que caíram durante a tramitação no Congresso. Uma dessas diz respeito ao trabalho aos domingos para todos os trabalhadores:

• trabalho aos domingos e feriados fica autorizado, desde que o descanso semanal seja compensado em outro dia da mesma semana;

• caso não seja compensado, o pagamento será em dobro;

• no caso do comércio, a legislação local deverá ser observada;

• folga deverá coincidir com o domingo, no mínimo, 1 vez a cada 4 semanas no comércio e no serviço; na indústria, só precisa coincidir 1 vez a cada 7 semanas; e

• até então, o trabalho aos domingos era permitido para algumas categorias, em que o trabalho era indispensável, como hospitais, por exemplo, ou no comércio, já que a proibição do trabalho atrapalharia a atividade. O trabalho aos domingos, porém, dependia de autorizações ou de acordos e convenções coletivas. Agora, esses acordos não são mais necessários.

O governo diz que será possível criar 500 mil empregos até 2022 com essa medida, de acordo com dados dos setores.

Pessoas com deficiência:

• atualmente, empresas com 100 ou mais funcionários precisam ter entre 2% a 5% de trabalhadores com deficiência. O governo quer mudar a legislação para facilitar o preenchimento da cota pelas empresas; e

• também quer aumentar a reabilitação de pessoas afastadas por incapacidade, que recebem benefícios como o BPC (Benefício de Prestação Continuada). A ideia é que essas pessoas voltem a trabalhar.

As medidas são:

• pessoas com deficiência severa contarão em dobro para o preenchimento de vagas; o governo não definiu o que é “deficiência severa”;

• acordo entre empresas para que uma compense a cota de outra;

• possibilidade de um mesmo trabalhador ser contabilizado para as cotas de aprendiz e deficiente;

• temporários e terceirizados entram na cota da empresa que contrata o serviço;

• recolhimento para um fundo destinado a ações de habilitação e reabilitação de pessoas com deficiência; e

• governo espera beneficiar 1,25 milhão de trabalhadores entre 2020 e 2022.

Bancos poderão abrir aos sábados:

• MP aumenta a jornada de trabalho dos bancários e libera o trabalho dessa categoria aos sábados, em locais que não ofereçam risco à segurança, como shopping center.

Fonte: DIAP

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários