Carlos Marighella, um símbolo de luta e resistência socialista

Carlos Marighella, um símbolo de luta e resistência socialista

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora

A velha militância de esquerda e ativistas de movimentos sociais se reuniram nesta quarta-feira (4) ao redor do monumento que marca o local onde Carlos Marighella, um dos principais líderes da resistência contra o conservadorismo e a ditadura militar, foi morto há 46 anos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A companheira de Marighella, Clara Charf, lembrou que a simbologia do ato é dar continuidade à luta pela democracia e à luta pela liberdade para todos, negros, índios, mulheres, pensamentos políticos, opções sexuais. “Ele não lutou para acumular nenhum bem material e sim pelos mais humildes, as ideias dele não estão mortas, fico feliz de ver aqui num dia feio, chuvoso, como hoje, vários jovens e amigos participando desta homenagem”, disse ela.

Manoel Elídio Rosa, da direção nacional da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, acompanhou a homenagem. “Foi um ato simbólico, de resistência. Marighella é um mártir pela democracia, pela liberdade, pela igualdade, pelo socialismo”, afirmou.

Uma das grandes lutas do antigo líder foi a defesa da liberdade de expressão e a busca do empoderamento dos que não tinham voz. “Marighella sempre batalhou para que as pessoas se expressassem, pois defendia que todos tinham uma experiência de vida para transmitir”, contou Clara.

Ela lembrou que o companheiro chegou a fundar uma universidade popular quando esteve preso em Fernando de Noronha (PE).

História

O baiano Carlos Marighella iniciou a militância aos 18 anos, quando se filiou ao Partido Comunista Brasileiro. Preso em 1936, durante a ditadura de Getúlio Vargas, foi eleito deputado federal constituinte em 1946 e, no ano seguinte, teve o mandato cassado. Quase 20 anos depois, foi preso pela Delegacia de Ordem Política e Social (Dops). Em 1968, fundou a Ação Libertadora Nacional (ALN), grupo armado de resistência à ditadura. No dia 4 de novembro de 1969 foi emboscado e assassinado pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury.

O monumento onde foi realizada a homenagem se localiza na Alameda Casa Branca, 815, no Jardim América, zona oeste paulistana. No local já foram colocadas três placas, todas acabaram sendo retiradas em atos de vandalismo. A Prefeitura de São Paulo promete colocar uma nova.

Marighella 002_01
Homenagem que acontece anualmente na Alameda Casa Branca, onde Marighella foi assassinado pelos policiais da repressão. Ao centro, Clara Charf, sua companheira durante muitos anos. (Foto: Edilson Montrose)
Marighella 001_02
Revista Veja, um dos veículos apoiadores da Ditadura Civil-Militar, sempre colaborou para a sua captura.

 

PS.: Primeira foto: Na redação do “Jornal do Brasil”, no Rio, Marighella mostra as pancadas recebidas de policiais em 1964 (Foto: Agência JB / Braz)

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários