Associações pedem a Dilma que vete PLC 77 e denunciam ameaça à pesquisa pública no país

Associações pedem a Dilma que vete PLC 77 e denunciam ameaça à pesquisa pública no país

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Associações representativas de mais de uma centena de entidades ligadas a universidades, instituições públicas de pesquisa e organizações sociais protocolaram, às vésperas do início de 2016, no escritório da Presidência da República em São Paulo, uma carta dirigida à presidenta Dilma Rousseff pedindo o veto total ao PLC (Projeto de Lei da Câmara) 77/2015, que propõe um conjunto de mudanças significativas no “Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação” e em outras legislações que regulamentam a pesquisa pública no Brasil.

O projeto de lei foi aprovado na Câmara Federal e no Senado, em dezembro, poucos dias antes do recesso do Congresso Nacional, e encaminhado à Presidência da República para que seja sancionado ou vetado.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

De acordo com as entidades que assinam a carta, o PLC 77 foi aprovado nas duas Casas do Congresso sem uma discussão ampla com a comunidade acadêmica e de pesquisa ou com a sociedade; e representa “uma ameaça sem precedentes às instituições públicas de ensino superior e de pesquisa no Brasil”.

As entidades signatárias afirmam que o projeto de lei estabelece diretrizes “completamente privatizantes às entidades públicas de pesquisa”. Caso o projeto seja sancionado, diz a carta, ele vai permitir que a área pública de pesquisa no Brasil seja “virtualmente ‘sequestrada’ por interesses privados e vultosos recursos destinados pelo Estado serão apropriados por interesses particulares”.

O risco dos ICTs

Uma das propostas do PLC 77 é a da criação dos chamados ICTs (Institutos Científico-Tecnológicos) que atuariam no desenvolvimento das atividades de pesquisa no país. Com o estatuto jurídico de OS (Organizações Sociais), os ICTs poderão receber recursos públicos de todos os entes federados e de fundações “de apoio” para a cobertura de todas as suas despesas, além de utilizar pesquisadores pagos com recursos públicos e a infraestrutura das universidades e institutos de pesquisa.

As entidades afirmam que as novas regras propostas no PLC 77 aumentarão a “sangria do fundo público para empresas privadas”, com a substituição de instituições públicas de pesquisa por OS. E que isso levará professores e pesquisadores financiados com recursos públicos a atuar dentro de empresas privadas.

Haverá ainda, afirma a carta, uma “drástica diminuição de concursos públicos para as carreiras de professores universitários e pesquisadores”.

Na avaliação das entidades, essas e outras consequências do projeto de lei promoverão um verdadeiro desmonte das instituições públicas de pesquisa no país.

______________________
A ÍNTEGRA DA CARTA

Leia, abaixo, a integra da carta e, ao final, a relação das entidades signatárias (ou acesse aqui)

Excelentíssima Senhora

DILMA ROUSSEF
Presidenta da República

Senhora Presidenta,

As entidades abaixo assinadas, representantes de profissionais ligados a alguns dos principais institutos de pesquisa e universidades brasileiras, consideram que o Projeto de Lei da Câmara 77/2015 é uma ameaça sem precedentes às instituições públicas de ensino superior e de pesquisa no Brasil. Embora o projeto, que se encontra agora para apreciação de Vossa Excelência, tenha sido já aprovado pelas duas Casas do Congresso Nacional, isso ocorreu sem a realização de audiências públicas amplas que deveriam dar voz a todos os segmentos da comunidade acadêmica e de pesquisa pública do País.

Assim, solicitamos que Vossa Excelência, utilizando os poderes que lhe são conferidos pela Constituição Federal, vete integralmente o referido projeto e convoque um amplo debate sobre os riscos que ele representa para as universidades e a pesquisa pública no Brasil, com base nas razões que a seguir relatamos:

 O PLC 77/2015 propõe mudanças no “Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação” e em outras legislações para o setor e estabelece diretrizes completamente privatizantes às entidades públicas de pesquisa, com repercussões diretas nas universidades e centros de pesquisa públicos. Se aprovado o projeto, a área pública de pesquisa no Brasil será virtualmente “sequestrada” por interesses privados e vultosos recursos destinados pelo Estado serão apropriados por interesses particulares. O Estado perderá o direito de autoria em caso de uma grande invenção ou descoberta científica, que serão revertidas para a empresa privada (royalties) e não para o bem da população.

 O PLC 77 propõe, entre outros quesitos, a criação de Institutos Científico-Tecnológicos (ICTs) com o estatuto jurídico de Organizações Sociais (OS), para o desenvolvimento de atividades de pesquisa no Brasil.

Os ICTs poderão:

1 – Receber recursos públicos de todos os entes federados e de fundações ditas “de apoio” para a cobertura de todas as suas despesas.
2 – Usufruir de recursos humanos especializados (pesquisadores) pagos com recursos públicos.
3 – Utilizar a infraestrutura pública das universidades e institutos de pesquisa.

As consequências são claras:
– Aumento da sangria do fundo público para empresas privadas e a substituição de instituições públicas (estatais) de pesquisa por OS, apontando para drástica diminuição de concursos públicos para as carreiras de professores universitários e pesquisadores.
– Professores universitários e pesquisadores das instituições públicas (estatais) assumirão funções de diretores-presidentes de OS que desenvolvam atividades de pesquisa e inovação tecnológica, auferindo remuneração e/ou rendimentos pelas atividades desenvolvidas nos setores público e privado. Isso impactará negativamente o regime de trabalho de dedicação exclusiva nas instituições públicas de ensino superior.
– Professores e pesquisadores financiados com recursos públicos atuarão dentro de empresas privadas.
– O gasto total em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) continuará a ser o mesmo ou poderá decair. Isso porque o Estado tende a manter ou ampliar seus gastos ao passo que as empresas tenderão a diminuí-los, uma vez que poderão ter acesso aos recursos estatais (financeiros e de pessoal).
– O número de patentes registradas pelas universidades deverá cair, pois o registro passará a ser feito em nome dos pesquisadores envolvidos no processo e das OS a que eles estarão ligados. A fonte dos recursos financeiros para a manutenção dos registros continuará a mesma, ou seja: os cofres públicos; enquanto a apropriação dos benefícios será privada.
– Ocorrerá uma restrição à divulgação pública dos resultados de pesquisa, em função do interesse na apropriação do conhecimento pelas organizações de caráter privado que coordenam os projetos.

Assim, as entidades abaixo assinadas consideram o PLC 77/2015 um grave retrocesso que poderá gerar efeitos avassaladores para a pesquisa pública brasileira.

Campinas e São Paulo, 21 de dezembro de 2015

 Fórum das Seis, que congrega as entidades sindicais, estudantis e de servidores técnico-administrativos das universidades públicas paulistas e do Ceeteps (Centro Paula Souza):

. Adunesp (Associação dos Docentes da Unesp)
. Adunicamp (Associação de Docentes da Unicamp)
. Adusp (Associação dos Docentes da USP)
. Sintunesp (Sindicato dos Trabalhadores da Unesp)
. STU (Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp)
. Sintusp (Sindicato dos Trabalhadores da USP)
. Sinteps (Sindicato dos Trabalhadores do Centro Paula Souza)
. DCE (Diretório Central dos Estudantes)-Livre da USP “Alexandre Vannucchi Leme”
. DCE (Diretório Central dos Estudantes) da Unicamp
. Representação Estudantil da Unesp

APqC (Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo), que congrega pesquisadores científicos de 19 institutos públicos do Estado de São Paulo:

. Instituto Agronômico
. Instituto Biológico
. Instituto de Economia Agrícola
. Instituto de Pesca
. Instituto de Tecnologia de Alimentos
. Instituto de Zootecnia
. Departamento de Descentralização do Desenvolvimento
. Instituto de Botânica
. Instituto Florestal
. Instituto Geológico da Secretaria de Estado do Meio Ambiente
. Instituto Adolfo Lutz
. Instituto Butantã
. Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia
. Instituto Lauro de Souza Lima
. Instituto Pasteur
. Instituto de Saúde e a Superintendência do Controle de Endemias
. Secretaria de Estado da Saúde
. Laboratórios de Investigação Médica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
. Seção Sindical Campinas e Jaguariúna do Sinpaf (Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário), que congrega trabalhadores dos seguintes centros de pesquisa da Embrapa:
. Embrapa Gestão Territorial
. Embrapa Informática Agropecuária
. Embrapa Meio Ambiente
. Embrapa Monitoramento por Satélite
. Embrapa Produtos e Mercados – Escritório de Campinas-SP
. Abra/SP (Associação Brasileira de Reforma Agrária)
. Centro de Estudos Rurais da Unicamp
. CSA Brasil (Comunidade que Sustenta a Agricultura)
. IBNF (Instituto Brasileiro de Nutrição Funcional)
. GAPI/Unicamp (Grupo de Análise de Políticas de Inovação da Unicamp)
. Movimento Urbano de Agroecologia
. VP Consultoria Nutricional
. Mandato do vereador Pedro Tourinho – Câmara Municipal de Campinas
. Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, movimento integrado pelas seguintes entidades:
. ANA (Articulação Nacional de Agroecologia)
. Cimi (Conselho Indigenista Missionário)
. CP (Consulta Popular)
. CPT (Comissão Pastoral da Terra)
. FBES (Fórum Brasileiro de Economia Solidária)
. FBSSAN (Fórum Brasileiro de Segurança e Soberania Alimentar)
. LPJ (Levante Popular da Juventude)
. MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens)
. MMC (Movimento das Mulheres Camponesas)
. MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores)
. MPP (Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais)
. MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra)
. PJMP (Pastoral da Juventude do Meio Popular)
. PJR (Pastoral da Juventude Rural)
. RADV (Rede de Alerta Contra o Deserto Verde)
. RECID (Rede de Educação Cidadã)
. REGA (Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil)
. Via Campesina
. Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva)
. Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz)
. Inca (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva)
. EBDA (Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrário-BA)
. EFA (Escola Família Agrícola de Conceição de Ipanema-MG)
. EFA (Escola Família Agrícola de Veredinha-MG)
. Gestru/UFMG (Grupo de Estudos em Saúde e Trabalho Rural da Universidade Federal de Minas Gerais-MG)
. NAC (Núcleo de Agroecologia e Campesinato/UFVJM-MG)
. Núcleo Tramas – Universidade Federal do Ceará
. Soltec/UFRJ – Núcleo de Solidariedade Técnica (RJ)
. UFFS – Universidade Federal da Fronteira Sul
. UFRRJ – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
. Univasf (Universidade Federal do Vale do São Francisco)
. Nesc (Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva) da UFPR (Universidade Federal do Paraná)
. Asfoc (Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz)
. CFN (Conselho Federal de Nutricionistas)
. Contag (Confederação Nacional do Trabalhadores na Agricultura)
. Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia)
. CUT – Central Única dos Trabalhadores
. Sinpaf (Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário)
. Adere-MG (Articulação dos Empregados Rurais do Estado de Minas Gerais)
. Aeaba (Associação dos Engenheiros Agrônomos da Bahia)
. CRN9 (Conselho Regional de Nutricionistas da 9ª Região-MG)
. Fetamg (Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais)
. FETQUIM/CUT ( Federação dos Trabalhadores Químicos da CUT no Estado de São Paulo)
. Senge-RJ (Sindicatos dos Engenheiros do Rio de Janeiro)
. Sepe-RJ (Sindicato Estadual dos Profissionais em Educação do Rio de Janeiro)
. Sindicato dos Comerciantes de Petrolina-PE
. SindiPetro-RJ (Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro)
. Sintagro-BA (Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas Agrícolas da Bahia)
. Sinttel (Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações de Minas Gerais)
. STR (Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ibirité-MG)
. STR de Petrolina-PE
. STTR (Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Miradouro-MG)
. ABA (Associação Brasileira de Agroecologia)
. Apromac (Associação de Proteção ao Meio Ambiente de Cianorte-PR)
. AS-PTA (Agricultura Familiar e Agroecologia)
. Cáritas Brasileira
. Fase (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional)
. Fundação Rosa Luxemburgo
. Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor)
. Rede Social de Justiça e Direitos Humanos
. Terra de Direitos
. Toxisphera Associação de Saúde Ambiental
. Visão Mundial
. Aarj (Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro)
. AAT (Associação Agroecológica de Teresópolis-RJ)
. AATR (Associação Advogados de Trabalhadores Rurais-BA)
. Acodefan (Associação Comunitária de Desenvolvimento Educacional, Familiar e Agropecuário de Veredinha-MG)
. AMA (Articulação Mineira de Agroecologia-MG)
. Amau (Articulação Metropolitana de Agricultura Urbana de Belo Horizonte-MG)
. Associação das Rendeiras de José e Maria
. Associação de Moradores de Água Limpa Simonésia-MG
. Associação de Moradores e Amigos de Itinga-MG
. CAA (Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas, Rede Ecológica-RJ)
. CAT (Centro Agroecológico Tamanduá-MG)
. CAV (Centro de Agricultura Alternativa Vicente Nica-MG)
. Ceas (Centro de Estudos e Ação Social-BA)
. Ceifar/ZM (Centro de Estudo Integração Formação e Assessoria Rural da Zona da Mata-MG)
. Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá-PE
. Cepedes (Centro de Estudos e Pesquisas para o Desenvolvimento do Extremo Sul-BA)
. Comissão de Segurança Alimentar do Médio Piracicaba-MG
. Consea-MG (Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais)
. Coopaf (Cooperativa de Produção Muriaé-MG)
. CTA (Centro de Tecnologias Alternativas-MG)
. Eita (Cooperativa Educação, Informação e Tecnologias para Autogestão)
. Faap-BG (Fórum dos Atingidos pela Indústria do Petróleo e Petroquímica nas Cercanias da Baía de Guanabara-RJ)
. Formad (Fórum Mato-Grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento-MT)
. Fórum Regional em Defesa da Vida e do Meio Ambiente-MG
. GAU (Grupo de Agroecologia de Umbuzeiro-BA)
. Gias (Grupo de Intercâmbio em Agricultura Sustentável de Mato Grosso-MT)
. Grupo Aranã de Agroecologia-MG
. Fundo Dema-AM
. Instituto Ideazul-ES
. Instituto Kairós-SP
. Neppa (Núcleo de Estudos e Práticas em Políticas Agrárias-BA)
. Pacs (Políticas Alternativas para o Cone Sul-RJ)
. Radio Agência NP
. Rede de Educadores do Vale do São Francisco-BA/PE
. Rede de Intercâmbio de Tecnologias Alternativas-MG
. Sasop (Serviço de Assessoria a Organizações Populares Rurais-BA)
. Semeadores Urbanos
. Vicariato Social/Arquidiocese de Belo Horizonte-MG
. Abeef (Associação Brasileira dos Estudantes de Engenharia Florestal)
. Denem ( Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina)
. Enebio (Entidade Nacional de Estudantes de Biologia)
. Enen (Executiva Nacional dos Estudantes de Nutrição)
. Feab (Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil)
. DA de Agronomia da Uneb (Universidade Estadual da Bahia)
. DA de Agronomia da Univasf-PE/BA
. DCE-Univasf-PE/B)
. Mandato do Deputado Estadual Simão Pedro (SP)
. Mandato Deputado Estadual Rogério Correia (MG)
. Mandato Deputado Federal Nilmário Miranda (MG)
. Mandato Deputado Federal Padre João (MG)
. Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo (RJ)
. Mandato da Deputada Estadual Marisa Formolo (RS)

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários