Associação dos Magistrados Piauienses se posiciona contra projeto de terceirização

Associação dos Magistrados Piauienses se posiciona contra projeto de terceirização

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A Associação dos Magistrados Piauienses (AMAPI) se posicionou, durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Piauí, na última quinta-feira (6), contra o projeto de lei nº 4330/2014, aprovado em abril deste ano na Câmara dos Deputados, que permite a terceirização das atividades-fim das empresas do setor privado.

O presidente da Amapi, Leonardo Trigueiro, acredita que o projeto é “um grande retrocesso”, pois prevê uma série de medidas que comprometem direitos historicamente conquistados pelos trabalhadores brasileiros. “O texto do projeto aprovado na Câmara não usa os termos atividade-fim ou atividade-meio, mas permite a terceirização de qualquer setor de uma empresa”, explica.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O presidente da Amapi invoca, ainda, a Constituição Federal de 1988 para reforçar a argumentação contra a proposta. “A Constituição garante não só a atividade laboral, mas o direito ao emprego decente, que é aquele que contempla proteção jurídica generalizada, salário digno e patamares mínimos de segurança ambiental. Ela não coloca como direito social apenas o trabalho em si, mas estabelece uma série de dispositivos que asseguram ao cidadão todo o básico necessário para a sua existência digna e para que tenha condições de trabalho e emprego ideais”, explica Leonardo Trigueiro.

Outro ponto observado pelo o presidente da Amapi é que o projeto não se debruça sobre formas de evitar acidentes no trabalho, baixos salários da classe terceirizada, fragmentação dos sindicatos, a baixa qualificação dos terceirizados com reflexo nos serviços prestados à sociedade.

Pesquisa do Dieese aponta perfil do trabalho terceirizado no Brasil

Recente pesquisa do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revela a precarização das condições de trabalho e de emprego associada à terceirização. A pesquisa aponta que o trabalhador terceirizado recebe 27,1% menos que o trabalhador direto.

A pesquisa do Dieese revela, também, que a diferença de tempo de permanência no emprego é maior para os trabalhadores diretos que para os terceiros. Ao analisar as condições do ambiente de trabalho, o Dieese revela que o terceirizado lidera o ranking das doenças ocupacionais, dos acidentes de trabalho e até de óbitos. O estudo diz que a cada dez acidentes de trabalho, oito acontecem entre os terceirizados.

Leia mais sobre terceirização clicando aqui.

Fonte: Jornal Capital Teresina

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários