Assembleia de Trabalhadores da UFRGS aprova nova greve dias 8, 15 e 16 de junho

Assembleia de Trabalhadores da UFRGS aprova nova greve dias 8, 15 e 16 de junho

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Reitoria age de forma autoritária e sem diálogo com os grevistas

Os trabalhadores em greve da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) lotaram o saguão da Reitoria na última quinta-feira (2/6) para Assembleia Geral da categoria. O sentimento era de indignação com o reitor Carlos Alexandre Netto, que se negou a receber o comando de greve e negociar a pauta de reivindicações.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Nos informes, os integrantes do comando deram relato da reunião com o terceiro escalão da Administração sobre a pauta da greve. E se limitaram a dizer que a questão do login era exigência do Ministério Público Federal (MPF) e não estava em negociação, ignorando os problemas do sistema e esquecendo-se que o MPF recomendou o ponto biométrico.

Sobre a assinatura dos planos de flexibilização, os representantes da Administração afirmaram que o reitor estaria disposto a negociar, mas somente depois da desocupação da reitoria e exclusivamente com a Comissão de Flexibilização e não com o comando de greve ou com a Associação dos Servidores da UFRGS (Assufrgs).

Diante do desrespeito com o movimento grevista, os trabalhadores técnico-administrativos decidiram manter o estado de greve e tirar um novo calendário de greve.

Também se manifestaram contra a candidatura da chapa 3 para a consulta para reitor, encabeçada por Rui Opermann, porque representa a continuidade do autoritarismo, descaso e desrespeito com as demandas da comunidade universitária que marcaram as gestões Alex/Rui.

Com o término da greve de 72 horas, a Assembleia deliberou pelo fim da ocupação da reitoria,   e comemorou a vitória da mobilização da categoria, que compareceu em peso as atividades e garantiu o prédio fechado desde o fim da tarde de segunda-feira (30/5).

Deliberações:

Estado de greve por tempo indeterminado, pela assinatura dos planos de flexibilização e contra o sistema de login.

Dia 16/6 – Oppermann NÃO!

Nenhum TAE participa das mesas eleitorais da consulta.

Reivindicar a retomada da mobilização pela Fasubra da campanha 30 horas para todos.

Greve nos dias 8, 15 e 16/6.

Manifestação nos debates dos candidatos a reitor, para que se posicionem sobre nossa pauta (paridade, flexibilização e suspensão do login) e para mostrar nossa oposição à chapa de Rui Oppermann.

Manifestação no Consun  e no show de Maria Bethania sobre a greve.

Terminada a Assembleia, caminhada até o ICBS, onde o administrativo da Reitoria funciona nos dias de obstrução do acesso ao prédio principal.

Calendário

7/6: reunião do comando de mobilização da greve, com representantes das unidades. Na Assufrgs, às 17h.

8/6: greve de 24 horas e manifestação no debate dos candidatos, às  9h, no Salão de Atos.

14/6: envio de uma representação para o debate dos candidatos a reitor no Campus Litoral Norte, às 14h.

 

 

15 e 16/6: greve de 48h – Dia 16 Oppermann não; pela assinatura dos planos de flexibilização; contra o login.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários