Após 100 anos Ford abandona o Brasil

Após 100 anos Ford abandona o Brasil

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O fechamento das fábricas de Camaçari (BA), Horizonte (CE) e Taubaté (SP) marca o fim da produção de veículos da montadora no Brasil

Símbolo da indústria do século XX, a montadora de veículos Ford foi a marca pioneira na fabricação de automóveis no Brasil, tendo inaugurado a primeira planta em São Paulo em 1° de Maio de 1919. Atualmente, a Ford detém 7,4% do mercado brasileiro de veículos e emprega diretamente mais de 6 mil funcionários. 

No dia 11 de Janeiro a montadora anunciou o fechamento das suas três fábricas no Brasil – Camaçari (BA), Horizonte (CE) e Taubaté (SP) – colocando fim a produção em série no país. A desativação das fábricas ocorrerá durante o ano de 2021. Permanecerão em funcionamento apenas o escritório da empresa, um centro de desenvolvimento de produtos e o campo de provas. 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Sendo nota da Ford, a finalização das atividades no Brasil faz parte do reposicionamento da empresa diante do novo cenário econômico e tecnológico da indústria no mundo. Em termos práticos, a empresa seguirá atuando no mercado brasileiro, porém com a venda de automóveis importados de suas fábricas no exterior, em especial no Uruguai e Argentina. 

A Ford deve ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) R$ 335 milhões, recursos públicos destinados ao desenvolvimento de novos veículos e ações sociais no polo de Camaçari. O total de transações entre a Ford e o BNDES chegam a R$ 2 bilhões de reais. 

Segundo dados da Receita Federal,a Ford recebeu desde 1999 aproximadamente 20 bilhões de reais em incentivos fiscais, ou seja, a empresa irá abandonar o país que subsidiou a instalação e operação de suas fábricas. A alegação de perdas financeiras devido a questões fiscais no Brasil é um dos pontos mais absurdos da declaração de razões da decisão da Ford. 

Ao abandonar o país depois de tantos anos de operações e subsídios recebidos, a decisão da Ford abre a reflexão sobre a consistência e razoabilidade das renúncias fiscais concedidas às grandes empresas por parte dos governos estaduais e federal. Até que ponto é realmente positivo conceder subsídios sem garantias de continuidade das operações? A planta da Ford em Camaçari possui apenas 20 anos de atividades, e neste período os subsídios passaram de 20 bilhões de reais. Este modelo é realmente sustentável?

O futuro

O Governo Bolsonaro demonstra completa apatia em relação a situação, não apresentando nenhuma medida que sinaliza para uma negociação com a Ford ou mesmo o atendimento das demandas imediatas dos trabalhadores ameaçados de demissão. O compromisso do governo com a indústria é nulo.

O Governador da Bahia, Rui Costa (PT) anunciou que irá convidar empresas chinesas, sul-coreanas e japonesas para conhecerem o Complexo Industrial de Camaçari com vistas a compensar a retirada da Ford. 

O movimento sindical já organiza pressão para que as cláusulas de estabilidade presentes na convenção coletiva sejam respeitadas e que os trabalhadores não sejam demitidos. O fim das atividades não afetam apenas os 6 mil funcionários da Ford, mas aproximadamente 50 mil trabalhadores que atuam na cadeia produtiva da empresa. 

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora, assim como outras entidades sindicais, se solidariza com as demandas dos funcionários da Ford que exigem a manutenção dos empregos e dos direitos estabelecidos.

 “A Ford deve muito ao Brasil, abandonar o país em meio a uma crise sanitária e econômica é o pior que esta empresa poderia fazer para com seus funcionários e com o país que financiou suas operações na América do Sul”, afirma Edson Carneiro Índio, Secretário- Geral da Intersindical.

Texto: Pedro Otoni

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários