Aldo Santos | O terror como ação política

Compartilhe

  • Aldo Santos*

As greves estaduais dos professores desempenham um papel pedagógico fundamental nesse momento polarizado entre o continuísmo governamental e o retrocesso fascista. Ao pautar a conjuntura, a educação chama atenção para a falta de prioridade e investimento neste setor, politiza e supera o debate conjuntural maniqueísta e aponta o caminho para a superação do anacronismo estrutural, das desigualdades sociais, contribui com as reflexões filosóficas, redefinindo o papel das ciências humanas diante das novas tecnologias, da mesma forma que enfrenta o Estado leviatã e a formação espartana dos membros do aparato repressivo do estado.

O massacre aos professores no Paraná, em Goiás, a criminalização de professores em São Bernardo do Campo, a prisão de um professor na Assembleia Legislativa de São Paulo, os tiros contra professores no comando de greve na zona leste e a morte de um professor grevista dentro do ônibus após manifestação, quando retornava para a cidade de Diadema em São Paulo, repõe a necessidade do aprofundamento e debate sobre  o papel da Filosofia Política ao longo do processo histórico, seu caráter partidário e de classe no contexto histórico, a partir das lutas de enfrentamentos e resistências.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Independentemente dos resultados no atendimento às pautas de reivindicações, essa greve registra significativo momento histórico e político, ao desmascarar as forças reacionárias do governo Dilma que vem negociando as migalhas de arrecadação contidas  no projeto de lei N°4330, desnuda os governos do PSDB com suas práticas ditatoriais e aponta  que  a saída para crise é a ação direta  nas escolas,  nas ruas, praças  e avenidas  contra  os governos e o sistema; sistema este que achaca o mundo do trabalho e os trabalhadores de todo o mundo com sua ideologia neoliberal, apoiado por sua grande mídia, sua máquina de guerra e seus abutres do sistema financeiro nacional e internacional.

Mesmo os ditos nacionalistas não ousam defender com vigor as ações trágicas e abjetas do bombardeio perpetrado contra os  educadores submetidos aos governos  fascistas de plantão. Talvez entendam de uma vez por todas o porquê da nossa defesa das bandeiras vermelhas tremulando ao longo da  história da luta de classe. É com o  vermelho do sangue dos educadores e de toda classe trabalhadora  que pintamos  nossas bandeiras, que carregam todas as cores como o branco da Paz, mas paz que nasce da luta e da justiça e não a paz dos cemitérios!

O que estamos assistindo é o movimento ditatorial em ação como política de estado assegurando o conluio dos opressores e a ditadura econômica que nunca deixou de existir.

Professores, estudantes e a sociedade reagem ao Estado terrorista  desses governantes, e pedagogicamente educam de forma revolucionária numa nova direção, contra esse Estado repressor, rumo a uma nova sociedade fartamente alimentada  com pão, trabalho livre, terra  e moradia, educação revolucionária,  igualdade de condições e  liberdade.

Lutar e resistir é preciso!

_______________________
Aldo Santos 001 151 x 196*Aldo Santos
– Presidente da Aproffesp e Aproffib, membro da Executiva Nacional da Intersindical e militante do comando de greve.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários