Agentes de saúde e de endemias seguem em mobilização para garantir Piso Nacional sem perdas

Agentes de saúde e de endemias seguem em mobilização para garantir Piso Nacional sem perdas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Na quarta-feira, 09/12/15, o Sindifort mobilizou os Agentes de Saúde (ACS) e de Endemias (ACE) para assembleia geral seguida de ato de protestos na Câmara Municipal de Fortaleza (Cmfor). Já tramita na casa legislativa o projeto do prefeito Roberto Cláudio (PDT) que trata da implantação do Piso Nacional dos agentes (PL 43/2015). Embora o Piso Nacional seja determinado pela lei 12.994, de 17/06/2014 e estipule o valor do salário em R$ 1014,00, a Prefeitura de Fortaleza (PMF) não vem cumprindo está determinação.

O PL 43/2015 incorpora o Incentivo de Campo ao vencimento base para compçosição do valor do Piso, proposta que os agentes já recusaram, pois seria o mesmo que custear o Piso com a própria remuneração. Além do Piso, o PL 43/2015 trata também da implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS). Uma das perdas que o projeto traz é o não reconhecimento tempo de serviço dos trabalhadores como estatutários (2012-2015) para efeito de enquadramento, ascensão na carreira, progressões e promoções.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Nos dias 1º e 08/12/15, mobilizados pelo Sindifort, os agentes estiveram na Câmara para reunião com o presidente da casa Salmito Filho (PDT) e demais vereadores, num esforço de avançar na negociação com o prefeito. No dia 1º os vereadores tentaram, sem sucesso, negociar com o Executivo a manutenção da Gratificação do Incentivo de Campo.

Duas entidades sindicais, mesmo sem o respaldo dos agentes de saúde e de endemias, defendiam inicialmente a proposta do prefeito. Mas na quinta-feira, 03/12/15, o Sindisaúde enviou ofício a Prefeitura manifestando discordância com o projeto e pedindo a manutenção da Gratificação de incentivo de Campo. Com isso, apenas parte da diretoria do Sinasce endossa o PL 43/2015.

Diante da falta de diálogo com a Prefeitura, na terça-feira, dia 08/12, os agentes voltaram a a Cmfor e em assembleia geral aprovaram um Estado de Greve. Caso não haja avanço na negociação, a categoria afirmou que deve construir a greve. Em ato público, ACS e ACE distribuíram uma carta aberta a população, denunciando a falta de condições de trabalho, péssima remuneração e o risco que isto representa diante da eminencia de epidemias causadas pelo aedes aegypti, como dengue, Chikugunha e Zika Vírus. Na carta, assinada pelo Sindifort e intersindical – Central da Classe trabalhadora, os agentes pedem a solidariedade da população e dos vereadores para que projeto não seja votado sem a garantia dos direitos da categoria.

Para continuar pressionando os vereadores, novamente agentes de saúde e endemias compareceram massivamente a Cmfor, na quarta-feira dia 09/12. Em Assembleia no auditório da Câmara, o Sindifort e o Sindisaúde tentaram buscar uma proposta consensual a favor dos trabalhadores, com o presidente do Sinasce. Mas, infelizmente o dirigente sindical manteve seu apoio a proposta do prefeito.

O PL 43/2015 deverá ir a votação no plenário da Câmara, quarta-feira da semana que vem,  dia 16/12/2015. Em mobilização permanente, os agentes aprovaram novo ato, a partir das 8h, na casa legislativa municipal. Até lá os agentes continuam a luta pelo Piso e pelo PCCS sem perdas, fazendo articulação com os vereadores no sentido de assegurar uma emenda garantindo o direito.

Conheça as reivindicações imediatas dos agentes de saúde e de endemias junto à Prefeitura:
– Garantia do Piso Salarial Nacional e instituição por lei de uma gratificação, ou Vantagem Pessoal Reajustável (VPR), no valor correspondente ao do incentivo de campo, com reajuste anual na mesma data e percentual do reajuste dos servidores da PMF;
– Que a Prefeitura reconheça o tempo de serviço dos trabalhadores (estatutário, de 2012 a 2015) até a publicação da lei do PCCS para todos os efeitos legais, que são:
a) Enquadramento na tabela salarial do PCCS;
b) Ascensão funcional (promoções por capacitação e progressão por tempo de serviço);
c) Anuênios e licença-prêmio;
d) Incentivo a Titulação Acadêmica para os ACS e ACE, independente da idade dos servidores já em 2016;

Mobilização faz parte da Campanha Salarial

A mobilização dos Agentes de Saúde e de Endemias faz parte da Campanha Salarial 2016 dos Servidores, Professores e Empregados Públicos Municipais. O Sindifort já protocolou pauta de reivindicações junto à Prefeitura no último dia 25 e solicitou reunião para negociação até o dia 04/12.

A PMF não se manifestou sobre a questão. O funcionalismo municipal tem data base em 1º de janeiro e o índice de reajuste reivindicado é de 19,46%, o que equivale a recuperar o poder de compra  que os vencimentos e salários tinham em  maio de 2008. Para solicitar que os vereadores intermediem uma reunião com o Prefeito, na próxima terça-feira, 15/12/15, os servidores também terão assembleia geral às 8h30 na Câmara Municipal.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários