A defesa dos direitos unem o que as eleições dividiram

A defesa dos direitos unem o que as eleições dividiram

A defesa dos direitos unem, o que as eleições dividiram

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A luta contra o fim da aposentadoria será tema do 2° Congresso das Intersindical Central da Classe Trabalhadora

As eleições de 2018 criaram uma profunda divisão na sociedade brasileira. O discurso do ódio ganhou nas urnas, junto com ele uma agenda política de ataque à classe trabalhadora tomou ainda mais força. Mas, a luta em defesa da aposentadoria e dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras será a chave para unir o povo novamente.

O discurso do governo, dos bancos e da grande mídia apresentam a previdência social como deficitária. Se calam diante dos verdadeiros problemas do financiamento da previdência, os quais apresentamos a seguir.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

1) SONEGAÇÃO FISCAL

O governo federal simplesmente deixa de arrecadar R$ 500 bilhões por ano de impostos das empresas. Um recurso que deve ser destinado ao financiamento do aposentadoria. É preciso cobrar este dinheiro das empresas.

2) RENÚNCIAS FISCAIS

O governo federal reduziu as alíquotas dos impostos cobrados das empresas e que são fonte de financiamento da Previdência. No ano de 2019, estas renúncias fiscais significarão R$ 54,9 bilhões a menos nos cofres da Previdência. É preciso que as empresas paguem os impostos, e tirem este peso das costas dos trabalhadores e trabalhadoras.

3) DESVIO DE RECURSOS

Por meio da DRU (Desvinculação de Receitas da União) o governo desvia parte da verba da arrecadação que deveriam ir para a previdência para usar no pagamento de juros da dívida pública junto aos bancos. É preciso reduzir os juros, revogar a DRU e com isso acabar com a farra dos banqueiros.

4) CRISE ECONÔMICA E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO

O financiamento da previdência depende, em parte, da folha de pagamento dos trabalhadores ativos. Quanto mais desemprego e menores salários, menos recursos são transferidos para a Previdência. É preciso criar uma política econômica que valorize o trabalho, que garanta salário digno e que tire os trabalhadores da miséria e da informalidade. A responsabilidade do “déficit” da previdência não é dos trabalhadores, mas de total responsabilidade do governo federal. Combater a sonegação fiscal, revogar as renúncias fiscais e as desvinculações orçamentárias e além disso aplicar uma política econômica pró-emprego são as quatro medidas necessárias para equilibrar as contas da previdência e garantir a aposentadoria digna para todos.

No lugar de fazer a coisa certa, o governo pretende adotar um modelo que deu errado em outras partes do mundo. Paulo Guedes, o ministro da economia, defende a privatização da previdência, ou seja, passar sua contribuição previdenciária para as mãos dos bancos privados.

No chile, país em que foi adotado este modelo, os padrões não contribuem para a aposentadoria (como é feito no Brasil), nove em cada dez aposentados chilenos recebem menos que 60% do salário mínimo. É este o modelo falido que o Ministro “Posto Ipiranga” que adotar no Brasil.

Diante disso, a Intersindical Central da Classe Trabalhadora convoca seu 2° Congresso, que se realizará de 15 a 17 de março em São Paulo, para debater a organização da classe na defesa da aposentadoria e dos direitos. A Intersindical seguirá comprometida e atuante em defesa dos direitos dos trabalhadores, e em unidade com as demais centrais sindical e movimentos, fará a resistência frente a proposta indigna do governo que promove, na prática, o fim da aposentadoria.

Em defesa dos Direitos, da Soberania e da Democracia!
Intersindical Central da Classe Trabalhadora

Texto: Pedro Otoni

CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários