1º de maio de luta na Sé: trabalhadoras e trabalhadores reafirmam sua luta contra o PL 4330

1º de maio de luta na Sé: trabalhadoras e trabalhadores reafirmam sua luta contra o PL 4330

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

_MG_3810Mais uma vez a INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora esteve na Praça da Sé marcando sua posição enquanto entidade classista, de esquerda e combativa neste Primeiro de Maio, Dia Internacional de Luta dos Trabalhadores e Trabalhadoras. Pela derrubada do Projeto de Lei 4330, contra a terceirização e em defesa dos direitos trabalhistas conquistados com muitas lutas, cerca de duas mil pessoas estiveram desde cedo no marco zero da cidade.

“Temos de batalhar junto a trabalhadores de todo mundo, nosso inimigo são as empresas que botam as garras em cima da gente. É com a união de todos os trabalhadores que vamos conseguir garantir nossos direitos e mudar a sociedade”, disse Nádia Gebara, dos Químicos Unificados de Campinas, Osasco, Vinhedo e região.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

 Nilza Pereira, diretora também dos Químicos Unificados e integrante da Executiva Nacional da Intersindical, lembrou que a ofensiva dos setores conservadores se ampliou neste último período. “As greves dos educadores do Paraná, assim como os de Goiânia e os de São Paulo, que tem sido totalmente ignorada pelo Governo do Estado e pela grande mídia, a redução da maioridade penal, os 17 PMs que foram presos no Paraná por se recusarem a agredir os professores. Precisamos lutar contra estes absurdos”, afirmou.

A luta contra o PL 4330, que ampliará a possibilidade de terceirização ao todos os setores do trabalho também foi tema debatido por Nilza: “não podemos abrir mão de outra luta fundamental para os trabalhadores, que é a lua contra a terceirização. O PL 4330 foi agora para o Senado e será anexado nesta casa ao PLS 87, que tem a mesma lógica do 4330. Tudo isso faz com que tenhamos de ter muita unidade na ação”, alertou.

Entre as colocações das entidades presentes o Coletivo de Galochas apresentou um trecho da peça Revolução das Galochas, que trata de um Brasil com uma relação de poder muito opressora aos trabalhadores, que começam a questionar a unidade entre o capital e o Estado, chamado de “esquema” na peça. Assim, estes trabalhadores começam a buscar formas de resistência ao “esquema” e se localizar nas lutas da sociedade.

[cincopa AYOAAg8RDJzU]

Após a Pça. Da Sé, todas e todos se dirigiram em passeata à Praça da República, também na região central de São Paulo, onde estão acampados os trabalhadores da educação estadual que estão enfrentando uma grande greve há cinquenta dias.

“Este ato é uma demonstração de força e este espaço é simbólico por conta da luta que os professores do estado de São Paulo, e do país inteiro, estão fazendo em defesa da escola pública. E nós, do Bloco de Oposição Educação, Movimento e Luta, estamos em um grande combate direto contra o governador Geraldo Alckmin, que não tem nenhum compromisso com a escola pública”, disse Sergio Cunha, educador e Direção Nacional da Intersindical.

Intersindical participa do 1º de Maio Unificado no Anhangabaú/SP

No Vale do Anhangabaú, o 1º de Maio a INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora participou da atividade juntamente com outras entidades como CUT, CTB, MST e MTST com pauta única em defesa dos interesses dos trabalhadores: contra  o PL 4330 (terceirização), as Medidas Provisórias 664 e 665, o Ajuste Fiscal proposto pelo Ministro da Fazenda (Joaquim Levy), o ataque da direita contra os direitos dos trabalhadores e o plano econômico imposto pelo governo Dilma.

Ricardo Saraiva, o “Big”, Presidente do Sindicato dos Bancário de Santos e Secretário de Relações Internacionais da Intersindical, discursou juntamente com os coordenadores do MTST e MST, além dos presidentes das centrais CUT e CTB, representantes de partidos políticos e vários movimentos sociais e religiosos.

Big afirmou que este 1º de maio é de defesa dos direitos, dos interesses da maioria do povo brasileiro. Para a Intersindical, os trabalhadores devem rechaçar as saídas e as propostas que a direita quer dar para o Brasil. A direita brasileira, a Globo, os banqueiros, empresários e latifundiários querem mais lucros e mais desigualdade social.

Para a Intersindical, este 1º de maio é de combate à redução da maioridade penal. “Eles querem encarcerar os filhos da classe trabalhadora. A PEC 171 é a senzala do século XXI”, disse Big.

028“Também é preciso combater as MPs 664 e 665 que ferem direitos dos trabalhadores. O ajuste fiscal que deve ser feito é a taxação das grandes fortunas”, continuou. A política econômica de Levy, que representa os banqueiros, é o mesmo projeto da direita derrotado nas urnas.

“Devemos rechaçar o PL 4330”, alertou Big. “Este é o projeto da precarização, do desemprego e da barbárie, nós queremos o fim da terceirização e não a precarização do trabalho”.

O dirigente lembrou que o papel do movimento social é de fazer luta e mobilização em defesa dos direitos do povo. Não podemos permitir a criminalização dos movimentos sociais como vem acontecendo em São Paulo, no Pará e Paraná nas greves dos professores e metroviários.

É preciso construir a unidade da classe trabalhadora. A Intersindical defende a construção de uma grande greve geral contra a terceirização e as saídas que a direita quer para o Brasil.

“Quem deve pagar essa conta são os milionários que lucram bilhões no rentismo e na especulação financeira e não a classe trabalhadora”, disse. O 1º de Maio Popular e de Luta finalizou apontando para uma grande paralisação no Brasil dia 29 de maio e a construção de uma greve geral contra o PL 4330.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários