Votação do PLS 555 é adiada e trabalhadores devem intensificar mobilização

Votação do PLS 555 é adiada e trabalhadores devem intensificar mobilização

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Pela terceira vez, foi adiada a votação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 555, que impõe a abertura de capital das empresas públicas, entre elas a Caixa e o BNDES. Desde essa terça-feira, 16, representantes das principais centrais sindicais do país, federações e de sindicatos de diversas categorias estão em Brasília para dialogar com os parlamentares sobre os riscos do PLS 555 e pedir que votem “não” ao projeto. A votação foi agendada para a próxima semana. 

Uma comitiva do Sindicato dos Bancários/ES também foi à Brasília e conversou com os assessores dos senadores capixabas. Caso seja aprovado, o PLS 555 também impõe a abertura de capital dos bancos Banestes e Bandes, genuinamente capixabas. Após a mobilização das entidades representativas dos trabalhadores, o PT, PCdoB e a Rede Sustentabilidade declararam apoio ao arquivamento do projeto. 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A mobilização contra o PLS 555 começou no segundo semestre de 2015 e ganhou alcance nacional com ampla repercussão. Mas o projeto não foi arquivado e ainda representa uma ameaça. Por isso, é preciso que os trabalhadores intensifiquem a mobilização e que toda a sociedade seja envolvida nessa debate.

O perigo do PLS 555

Na verdade, o PLS 555 pode ser chamado como o Estatuto da Desestatização. O projeto determina que as empresas públicas sejam constituídas sob a forma de S.A. (Sociedade Anônima), permitindo a participação do capital privado. A proposta foi apresentada como parte da Agenda Brasil sugerida pelo Senado. É um substitutivo ao PL 167/2015, do senador Tasso Jereissati (PSDB), e uma referência ao PLS 343/2015, do senador Aécio Neves (PSDB).

No seminário do dia 27 de janeiro, Luiz Alberto dos Santos, especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, enumerou os principais problemas do projeto. “Para começar, existe vício de iniciativa, pois legislar sobre organização da administração pública é competência exclusiva da União. Também há limitação dos órgãos societários e engessamento da atuação social das estatais”, explanou.

Para saber mais sobre o PLS 555, de autoria do senador Tasso Jereissati (PSDB), e sobre a mobilização para impedir que seja aprovado, acesse o site www.diganaoaopls555.com.br

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários