Votação de entrega do pré-sal ficará para depois do 1° turno das eleições municipais

Compartilhe

Após forte mobilização de movimentos sociais, sindicatos, e principalmente petroleiros, líderes da base governista e da oposição na Câmara dos Deputados chegaram a um acordo para não votar a retirada da obrigatoriedade da Petrobras como operadora única do regime de partilha de produção em áreas do pré-sal na última terça-feira (13). Ficou acertado que o Projeto de Lei 4567/16, será apreciado somente depois do 1° turno das eleições municipais. Havia  risco de votação ainda ontem.

O PL 4567/16, originário de projeto do senador licenciado José Serra (PSDB-SP), atual ministro das Relações Exteriores, e livre defensor da petrolífera Chevron, entrega à iniciativa privada toda a expertise e os investimentos realizados há anos pela Petrobras no desenvolvimento de uma tecnologia única no mundo, e de baixo custo, para a extração do petróleo em águas profundas, na camada do pré-sal.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em sua página na internet, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) confirmou que o adiamento do projeto do pré-sal foi garantido em reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), após os líderes da minoria – PSOL, PT, PCdoB e PDT – concordarem em retirar a obstrução da votação de algumas medidas provisórias.

jose-serra-003_01 pré-sal

Iniciativas que ameaçam os trabalhadores e a soberania nacional

As lideranças do PT, do PCdoB e do Psol têm afirmado reiteradamente que sem mobilizações não haverá como evitar a aprovação de iniciativas que ameaçam os direitos dos trabalhadores, dos cidadãos e da soberania nacional.

Na última quinta-feira (8), por exemplo, o Senado aprovou a Medida Provisória 727, que cria o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Aprovado sem alterações após passar pela Câmara, projeto vai à sanção presidencial. A MP 727 foi aprovada com facilidade no Senado, por 44 votos a 6.

Outra pauta que tramita na Câmara e é citada por todas as lideranças da oposição como uma das principais ameaças a direitos é a PEC 241, que congela investimentos em saúde e educação por 20 anos. Como se trata de uma emenda à Constituição, a PEC exige a aprovação de três quintos dos plenários da Câmara e do Senado em dois turnos.

A avaliação da FUP é de que, com o adiamento da votação do projeto do pré-sal, os petroleiros terão mais tempo para mobilizar a sociedade. “Uma luta que vem sendo travada pela FUP e seus sindicatos desde março do ano passado, quando o então senador José Serra deu entrada no PLS 131, cumprindo promessa feita à Chevron, de que mudaria as regaras de exploração do pré-sal”, diz a entidade em nota.

O PL altera a Lei nº 12.351/2010, tornando “facultativo” à Petrobras o direito de preferência para atuar com participação mínima de 30% nos consórcios formados para exploração no regime de partilha. Pela lei em vigor, a Petrobras atua sempre como operadora. Na prática, a “Lei José Serra” desconstrói o regime de partilha.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários