fbpx

Vitória dos estudantes! Alckmin recua de seu plano de reorganização

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Após muita luta os estudantes da rede estadual de ensino tiveram uma grande vitória na tarde desta sexta-feira, 4: o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), conhecido pelo seu autoritarismo, recuou da decisão de seu projeto de reorganização das escolas e suspendeu a implantação do projeto para 2016.

O decreto que previa para o próximo ano letivo a separação de estudantes e professores por níveis de ensino para 754 escolas, afetando, assim, a vida de milhares de estudantes, pais e professores, já havia sido publicado no Diário Oficial da última terça-feira. A publicação acompanhou uma guerra declarada pela Secretaria de Educação do Estado, que envolveu muita violência e ilegalidades por parte da Policia Militar e das Diretorias de Ensino.

Os estudantes responderam com luta política. Manifestações paralisaram diversos pontos da cidade de São Paulo durante a semana, chegando ao seu auge na quinta-feira (3), em que registraram 11 pontos interditados por protestos estudantis na capital paulista, além de mais de 250 escolas ocupadas em todo o estado.

Suspensão, não cancelamento

Segundo Alckmin, a suspensão ocorre neste ano de 2016, para, então, ser implementado em 2017. No entanto, ele não deixou claro até quando exatamente estaria valendo a suspensão, nem questões relacionadas a estudantes, professores e apoiadores presos e processados. Também não tocou no assunto sobre as inúmeras ilegalidades cometidas pela PM, ao invadir diversas escolas mesmo após as negativas de reintegração do Tribunal de Justiça.

A coletiva concedida às 13h desta sexta foi limitada somente à grande imprensa. Diversos jornalistas e fotógrafos de mídias alternativas e independentes foram proibidos de participar do pronunciamento oficial.

Até o fechamento deste texto o Comando das Escolas Ocupadas, formado por alunos de diversas unidades de ensino, estava reunido na E.E. Prof. Antonio Alves Cruz e ainda não haviam se posicionado. A orientação até o momento é para que as escolas permaneçam ocupadas.

O Ministério Público e a Defensoria, que na quinta-feira já haviam entrado com pedido de cancelamento do projeto em todo o estado, também se reuniram após o pronunciamento do governador para avaliar a suspensão do projeto.

Secretário da Educação pede para sair

Juntamente com o recuo do governador veio a demissão de Herman Voorwald, agora ex-secretário da Educação do Estado. Ele já havia sido retirado das negociações com os estudantes pelo próprio Alckmin, que colocou em seu lugar o responsável pela Casa Civil, Edson Aparecido.

Com o anúncio pelo governador de que a reorganização estava suspensa, Voorwald solicitou seu afastamento do cargo.

Leia também:
Secretaria da Educação de Alckmin amplia a violência na ‘guerra’ declarada contra os estudantes
Lei que define atos terroristas pode acabar com ocupações de escolas
Nota da Intersindical em apoio às ocupações nas escolas estaduais
Tribunal de Justiça de SP desautoriza reintegração de posse de escolas ocupadas
Renata Hummel: 7 motivos para admirar os estudantes paulistas
Jorge Souto Maior: A aula dos “secundas”

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top