Vitória de Lula e a tática de Fachin

Vitória de Lula e a tática de Fachin

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Decisão do Ministro do STF, Edson Fachin, devolve a liberdade para Lula, e dá uma reviravolta na farsa lavajatista

Nesta segunda-feira (8) o Ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, acolhe as argumentações da defesa Lula e declara incompetente a 13° Vara Federal de Curitiba  nos julgamentos contra o ex-presidente. Esta decisão anula as sentenças relacionadas ao sítio de Atibaia, a propriedade do apartamento no Guarujá e a denúncia em relação ao terreno do Instituto Lula.

Fachin – defensor ardoroso do lavajatismo – teria mudado de posição? Não. Mas mudou de tática; a defesa da Lava Jato, tal como estava sendo feita, tornou- se insustentável.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Mas qual foi então a tática adotada por Fachin?

PRIMEIRO. O objetivo imediato de Fachin é salvar a Lava-Jato, que está correndo o risco de ser declarada ilegal pelo STF em consequência do vazamento das trocas de mensagens por Telegram entre Sergio Moro e os procuradores da GAECO de Curitiba. A suspeição de Moro está indicada no STF pelo Habeas Corpus 164.493 de autoria da defesa de Lula.  A correlação de forças não é favorável para Fachin no Plenário, então ele teve de manobrar para evitar que a discussão sobre a suspeição de Moro fosse debatida pelo conjunto dos ministros. 

Se o STF julga procedente a suspeição de Moro, todo o castelo de cartas da “Lava-Jato” se desfaz. Significa anular todos os atos da operação – como os inquéritos onde estão as delações, conteúdos de grampos telefônicos etc. – e condenar Moro e os procuradores do MP em Curitiba por seus crimes contra o devido processo legal. É justamente isso que Fachin pretende evitar com a decisão de hoje.

SEGUNDO. O passo dado por Fachin foi evitar o julgamento da suspeição de Moro declarando a incompetência do mesmo como juiz natural do processo

O que isso quer dizer?  Significa que quem tem competência para julgar as ações em que Lula foi condenado é a Justiça do Distrito Federal e não da 13° Vara Federal de Curitiba.

Com isso, Fachin anulou as condenações, mas não anulou as decisões de Moro na instrução dos processos, ou seja autorizações para grampos, busca e apreensões, etc., este material será transferido para a Justiça em Brasília, e esta pode ou não aproveitar as “provas” elaboradas em Curitiba, e abrir um novo processo contra o ex-presidente.

O resultado é a anulação das sentenças contra Lula e a devolução dos seus direitos políticos, porém sem invalidar a Lava-Jato como um todo e condenar Moro.

TERCEIRO. A outra parte da manobra de Fachin foi ao declarar nula as sentenças contra Lula, declarou também a perda de objeto do Habeas Corpus 164.493, o que propõe a suspeição de Moro, impedindo que este vá a julgamento no Plenário do STF. Com isso, tenta anular os efeitos da “vaza-jato”,  salvar a pele de Moro, dos procuradores, da Globo e ainda colocar panos quentes sobre a  intervenção dos EUA na trama lavajatista. 

Fachin entregou o anel para não perder os dedos. Anular a sentença de Lula foi o preço a pagar para evitar a condenação de Moro por suspeição. 

A tática de Fachin dará certo?

Isso só o tempo dirá. Irá depender do STF, que poderá não acolher a tese de Fachin sobre a perda do objeto do HC da defesa de Lula, e colocar a suspeição de Moro em debate, e ainda vir a condená-lo. 

A manobra de Fachin pode ser frustrada. Os dados ainda estão rolando. 

O recuo de Fachin foi uma vitória dos setores democráticos. Lula com direitos políticos altera a correlação de forças e cria novas possibilidades para o campo progressista, além de ser em si um ato de justiça contra um cidadão condenado injustamente.

Porém, é a suspeição de Moro o objetivo colocado agora para as forças democráticas, porque será por meio dela que se passará a limpo a Lava-Jato, e com isso avançarmos na recuperação da democracia e da soberania. 

Pedro Otoni
Secretário de Comunicação da Intersindical

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários