Violência policial tira a visão de estudante. Mídia trata caso com cinismo

Violência policial tira a visão de estudante. Mídia trata caso com cinismo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Leia também:
→ URGENTE: Manifestação garantida neste domingo em SP (04/09)


A estudante da Universidade Federal do ABC Débora Fabri foi atingida por estilhaços de bombas no rosto na última quarta-feira (31), durante a manifestação pacífica e democrática na cidade de São Paulo. A manifestação reunião pessoas contrárias ao golpe chancelado pela maioria do Senado Federal.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Débora ficou cega de um dos olhos. O caso foi noticiado por Reinaldo Azevedo, colunista da Veja, com sarcasmo e cinismo.

O título do post de Azevedo: “UFABC – Se Débora estivesse cega dos dois olhos, seria ainda mais útil às esquerdas”.  No texto, o colunista tenta sensibilizar a direita a partir do caso de Debora, isenta a ação truculenta e desproporcional da PM paulista e joga a culpa na presidenta afastada. Diz ele textualmente: “No momento, a principal responsável pela violência é Dilma Rousseff”.

A truculência da PM nas manifestações contra o golpe tem surpreendido os próprios manifestantes, uma espécie de estado de sítio, com bombas de gás gratuitas, pancadaria e balas de borracha.

Durante a ação policial de quarta-feira na capital paulista, os fotógrafos Willian Oliveira e Vinicius Gomes foram detidos pela polícia. O equipamento de trabalho de Vinicius foi destruído durante a abordagem policial.

Em nota sobre o caso, o Levante Popular da Juventude, afirma: “Repudiamos veementemente a ação da Polícia Militar do governador Geraldo Alckmin. Exigimos apuração, identificação e punição dos responsáveis imediatamente. Essa é a marca desse governo ilegítimo e desse golpe: violência, truculência e autoritarismo. Não tolera a democracia, a liberdade de expressão, a soberania popular. Querem nos tirar tudo, desde os nossos direitos à nossa voz: não permitiremos! Michel Temer e seu governo não nos representa, muito menos irá nos intimidar. Tomaremos todas as medidas judiciais e políticas cabíveis. Lutaremos e resistiremos em todas as trincheiras!”.

“Muito triste o que aconteceu com a Débora, que tem toda nossa solidariedade. É inaceitável essa truculência e irresponsabilidade da ação repressiva do Estado. Mas não calarão a resistência social ao golpe e à repressão ilegítima”, afirma o Secretário-Geral da Intersindical, Edson Carneiro Índio.

Debora Fabri 0003

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Oliveira
Oliveira
5 anos atrás

Quero ver agora ela ir pra mais outra , era melhor se tivesse em casa