Bernadete Menezes: Um 2013 politizado

Nas primeiras manifestações de junho de 2013 eu saí com nossos colegas da UFRGS para o centro de Porto Alegre. Fui com minha bandeira do PSOL. Assim que cheguei na Esquina Democrática vários jovens começaram a gritar comigo: sem partido! Sem partido! Sem Partido! Na mesma hora fiz um comício. Quem são vocês para dizer que não posso levar minha bandeira? Vocês chegaram hoje na luta. Eu lutei contra a ditadura militar, fui presa e enquadrada na Lei de Segurança Nacional para que todos pudessem ter o partido que quisessem e até de não ter partido. Foram calando, mas estavam incomodados.

Bem, deu no que deu. Aquele grande movimento de protesto, que pedia mais e melhores serviços públicos, que não foi entendido por boa parte da esquerda, foi disputado pela direita, que acabou levando uma boa parte dele, descambando para o impeachment.

Ontem foi diferente. Era uma festa de bandeiras. De todas as cores. De partido e sem partidos, movimentos sociais, centrais, sindicatos, movimento estudantil, cartazes de protestos muito criativos. A pluralidade tão necessária para construção de uma nova síntese. Mudou! Por isso não adianta dizer que o povo é burro. O povo é pragmático. Nós, de esquerda, temos que deixar de estar apartado do povo. Ontem estávamos conectados.

Se abriu um novo momento. A guerra ontem foi dos livros contra as armas. A educação contra a ignorância. E contou com a solidariedade da população que sofre com desemprego em massa, inflação e o desmonte dos serviços públicos.

Temos uma nova chance. Temos que disputar as mentes e corações com propostas concretas e não com adjetivos. O Brasil é rico quer seja em riquezas naturais como pelo seu povo. Esse governo, está claro, vai levar a economia para um buraco. É hora de unidade, mobilização e projeto.

Bernadete Menezes, é da Direção do PSOL e da Direção Nacional da Intersindical


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

Tags

*

Top