TRT-2 mantém condenação da rede Pernambucanas por trabalho análogo à escravidão

TRT-2 mantém condenação da rede Pernambucanas por trabalho análogo à escravidão

TRT-2 mantém condenação da rede Pernambucanas por trabalho análogo à escravidão

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A rede Pernambucanas recorreu e perdeu em decisão de segunda instância da 7ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) que manteve, por unanimidade, a condenação ao pagamento de R$ 2,5 milhões por danos morais coletivos, além de multa, pela sujeição de trabalhadores ao trabalho análogo ao de escravo.

Em janeiro de 2012, o Ministério Público do Trabalho (MPT) ajuizou ação civil pública depois de Auditores-Fiscais do Trabalho terem flagrado estrangeiros em situação irregular em duas oficinas de costura.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

As unidades – de Miguel Angel Soto e Guido Ticona Limachi –, eram subcontratadas por fornecedoras da Pernambucanas – Nova Fibra Confeccções e Dorbyn.

Foram dois flagrantes na cadeia produtiva da empresa, em 2010 e 2011. No total, 31 pessoas foram resgatadas, vindas da Bolívia, Paraguai e Peru – sendo dois adolescentes de 16 e 17 anos.

Entre as ilegalidades constatadas nas oficinas estavam jornadas exaustivas, valores irrisórios pagos por peça, trabalho de adolescentes, falta de condições mínimas de higiene e segurança, restrição de locomoção e servidão por dívida de trabalhadores.

O julgamento na 7ª Turma negou os recursos da empresa e confirmou na íntegra a sentença da 81ª Vara do Trabalho de São Paulo, proferida no final de 2014. O MPT queria aumento das penas, mas o pedido foi recusado.

A desembargadora relatora, Sonia Maria de Barros, citou inúmeras conclusões do relatório produzido pelos Auditores-Fiscais do Trabalho, comprovando que as provas colhidas pelos servidores e pelo MPT foram fundamentais para a condenação da empresa.

Condenação na primeira instância

Em primeiro grau, o juiz Marcelo Donizeti Barbosa, titular da 81ª VT/SP, reconheceu a responsabilidade objetiva da Pernambucanas. A empresa foi condenanda a uma série de obrigações a serem observadas nos contratos com fornecedores, sob pena de multa de R$ 30 mil por descumprimento e de R$ 5 mil por trabalhador lesado.

Os valores seriam revertidos em favor do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Bem como ao pagamento de R$ 2,5 milhões por danos morais coletivos, também direcionados à entidade ou projeto de combate ao tráfico de pessoas e trabalho escravo, conforme indicação do MPT de São Paulo.

Para o magistrado, restou nítida a pulverização da cadeia produtiva da empresa, que optou por terceirizar a produção de roupas próprias para baratear custos operacionais, mesmo diante da possibilidade da utilização de mão de obra em condições irregulares e até análogas ao trabalho escravo.

Os resgates

Em um dos flagrantes, na fornecedora Nova Fibra, o pagamento aos trabalhadores por produção não ultrapassava os R$ 800 mensais. O recebido, entretanto, era muito menor – até R$ 630 eram descontados das vítimas como custos pelas refeições oferecidas. Já os trabalhadores da Dorbyn recebiam cerca de R$ 400 por mês para trabalhar mais de 60 horas semanais. Todos costuravam roupas da Argonaut e Vanguard, marcas exclusivas da Pernambucanas.

Os locais de trabalho estavam em condições degradantes em ambos os casos. Não havia qualquer ventilação nem extintores de incêndio. As cadeiras eram improvisadas e a iluminação era fraca. Os alojamentos, que ficavam junto às oficinas, também estavam em condições precárias. 

Essas características, verificadas pela fiscalização, fizeram a empresa ser enquadrada pela exploração de trabalho em condições análogas às de escravos, conforme definido pelo artigo 149 do Código Penal.

Fonte: TRT-2


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários