“Trabalho intermitente é servidão voluntária e Senado precisa corrigir excessos da reforma”, diz ministro do TST

“Trabalho intermitente é servidão voluntária e Senado precisa corrigir excessos da reforma”, diz ministro do TST

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Segundo convidado a se manifestar na sessão temática sobre a reforma trabalhista, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Maurício Godinho Delgado, criticou o PLC 38/2017 e disse que o Senado deve corrigir “os excessos e as desproporcionalidades” contidas no texto aprovado pela Câmara dos Deputados.

Godinho esteve na audiência conjunta das comissões de Assuntos Sociais (CAS) e de Assuntos Econômicos (CAE) realizada quarta-feira (10/5) no Senado.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Segundo ele, o projeto autoriza a retirada dos direitos dos trabalhadores de uma forma “inteligente e sagaz”. O jurista explicou que a proposta retoma um tipo de poder individual do empregador próprio do Código Civil de 1916, já revogado pelo Parlamento.

“Não é mais o caso de apenas permitir a redução de direitos por negociação coletiva. O projeto foi além. Foi ao extremo e deu poderes quase incontrastáveis ao empregador, como se fosse uma relação entre iguais, quando na verdade se trata de um contrato de adesão “, argumentou.

Jornada intermitente

O ministro do TST fez duras críticas à parte do projeto que trata da jornada intermitente. Essa modalidade, segundo ele, vai deixar o empregado numa espécie de servidão voluntária, o que é inaceitável.

“A população brasileira não merece regra dessa ordem. A jornada intermitente é um contrato de servidão voluntária. O indivíduo que vai passar por isso ficará à disposição o tempo inteiro ao aguardo da convocação. 

Ele vai receber pelo que trabalhou e sequer poderá ter crédito bancário, por exemplo, porque o salário será desconhecido. Nem ele, nem o patrão saberá, dependerá do dia, da semana, do mês. O Parlamento não precisa fazer isso com os brasileiros. E o sistema capitalista não precisa disso para se desenvolver”,  afirmou Delgado.

O procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, também alertou para a precarização de direitos e citou o exemplo de países onde a flexibilização das leis trabalhistas foram implantadas para gerar mais empregos. Sem sucesso. Houve maior incidência de desemprego, principalmente entre jovens e idosos, redução dos salários e aumento das jornadas.

Direitos suprimidos

Na segunda mesa de debates, outro magistrado chamou atenção para a “inconstitucionalidade gritante” da reforma trabalhista.

Segundo o  vice-presidente da Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, não é verdadeira a afirmação de que o projeto da reforma trabalhista não retira direitos. “Basta observar quando o texto fala em  retirada do direito do trabalhador receber pelas horas de trajeto entre casa e trabalho, do descanso intrajornada, da definição de atividades insalubres (NR 12), da deliberação sobre salário por produtividade abaixo do que diz a lei, entre outros. Tudo que está no texto poderá ser negociado individualmente, quando a Constituição diz que só em três temas pode-se ser negociado para menos, mediante negociação coletiva. Isso é de uma inconstitucionalidade gritante”, alertou Feliciano.

Quanto à afirmação do Governo de que a reforma trará um crescimento econômico para o país, com a geração de empregos, Feliciano destacou que o crescimento não pode se dar com a precarização e redução de direitos do trabalhador.

“Na era FHC foram feitas reformas que permitiam diversas reduções e flexibilizações. Eu pergunto: o Brasil teve pleno emprego nos anos 90? Foi um marco de crescimento e empregabilidade? Não”, indagou, reforçando que não ser “adequado culpar a legislação trabalhista agora que a economia mudou”. 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários