Força-tarefa resgata 86 pessoas de trabalho escravo em fazenda de Sítio D’Abadia, interior de Goiás

Força-tarefa resgata 86 pessoas de trabalho escravo em fazenda de Sítio D’Abadia, interior de Goiás

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Trabalhadores dormiam no chão, com mulheres e crianças, e eram expostos a agrotóxicos quando estavam na colheita do café, sem qualquer EPI

Uma operação do grupo móvel de trabalho escravo resgatou 86 trabalhadores da colheita de café, submetidos a condições análogas às de escravo, em uma fazenda no município de Sítio D’Abadia, no interior de Goiás. O Ministério Público do Trabalho, que participou da força-tarefa, conseguiu garantir o pagamento de mais de R$ 213 mil em verbas rescisórias.

Segundo o procurador do MPT no Piauí, Edno Carvalho Moura, que atuou na fiscalização, “os trabalhadores foram encontrados em situação degradante, dormindo em colchões velhos e rasgados, no chão, juntamente com mulheres e até crianças, em alojamentos em total discordância com a norma”.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Ele revela, ainda, que não havia banheiros suficientes e foi flagrada a aplicação de agrotóxicos diretamente na plantação no momento em que os trabalhadores estavam na colheita do café, sem qualquer equipamento de proteção individual (EPI).

“O pagamento era feito por saca de café. Cada saca valia R$ 15 reais, sendo que uma saca de café já ficava com o ‘gato’ para custear a alimentação fornecida por ele”, destaca Edno, que acrescenta: não havia anotação em carteira e a mesma era retida pelos empregadores.

A ação fiscal aconteceu no período de 30 de julho a 3 de agosto e contou com a participação do MPT, do Ministério do Trabalho, da Polícia Rodoviária Federal e da Defensoria Pública da União. O pagamento das verbas rescisórias aos 86 trabalhadores foi feito no período de 7 a 9 de agosto.

“Durante a espera, aqueles vindos de outros estados, que não tinham moradia na região, foram hospedados em hotel com as despesas pagas pelos donos da fazenda, inclusive alimentação”, conta o procurador.

Parte dos trabalhadores foram aliciados em Minas Gerais e na Bahia, portanto os empregadores também assumiram a obrigação de custear o transporte de volta para as cidades de origem.

Além das verbas rescisórias obtidas no acordo e do seguro-desemprego, que será pago pelo Governo Federal aos trabalhadores, o MPT chegou a propor aos proprietários da fazenda o pagamento de R$ 61.400, pelos danos morais individuais, aos trabalhadores.

No entanto, os empregadores se recusaram a incluir essa obrigação no acordo. Caso essa recusa persista, o MPT vai ajuizar ação civil pública para cobrar a devida reparação aos trabalhadores, além de indenização por dano moral coletivo, o que já poderia ser objeto de ação, ainda que fossem pagas as indenizações individuais.

Fonte: MPT


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários