Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil voltam ao trabalho

Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil voltam ao trabalho

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Greve termina após 133 dias de paralisação

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Os trabalhadores técnico-administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil iniciaram a volta ao trabalho nesta sexta-feira (9), após 133 dias de paralisação. Esta foi a greve mais longa e com maior número de adesões: 65 instituições federais de ensino.

A proposta de 5,5% de reajuste para agosto de 2016 e de 5% em janeiro de 2017, com a inclusão de 0,1% de reajuste no step (diferença entre um nível e outro na tabela salarial) foi aceita pela maioria dos trabalhadores e homologada em assembleias realizadas dias 5 e 6 de outubro.

Os benefícios serão reajustados a partir de janeiro de 2016, nos seguintes índices: auxílio saúde, 22,8% (diferenciado por idade e faixa salarial); auxílio pré-escolar hoje com valores variáveis, de R$ 66 a R$ 95, passa para R$ 321,00. Já o auxílio alimentação sobe de R$ 373,00 para R$ 458,00.

A Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra) considera a greve vitoriosa, diante da proposta inicial do governo de conceder o reajuste ao longo de quatro anos. No entanto, ressalta que o processo de lutaainda não está encerrado, uma vez que as pautas não financeiras foram ignoradas.

“Num processo em que o Governo teve de recuar de algumas de suas diretrizes, como o parcelamento do índice em quatro anos, estratégico para o ajuste fiscal, também teve limitadores e recuos por parte do governo em aspectos que expressam seu compromisso com o superávit para os banqueiros. Para a Federação, o Termo de Acordo ainda está aquém do que poderia ser feito em reconhecimento aos trabalhadores técnico-administrativos, mas é o resultado da luta e intervenção da categoria. Mesmo em meio ao quadro de ajuste fiscal, a Categoria obteve algo que minimiza as perdas, além de colocar uma perspectiva de calendário de mobilizações e lutas em breve. Ainda, serão retomados debates de pontos como os editais para implementação de 2000 vagas de graduação e 2000 vagas de especialização para os trabalhadores técnico-administrativos em educação no primeiro semestre de 2016, a racionalização, capacitação, trabalhadores cedidos à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), assédio moral e outros itens da pauta de reivindicações”, diz a Fasubra em nota.

Universidade pode fechar as portas em 2016

Além disso, o secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação, Jesualdo Farias, afirmou na mesa de negociações que, com a retirada do abono permanência, cerca de 17 mil trabalhadores técnico-administrativos e 7 mil docentes podem aposentar no próximo ano.

Se isso ocorrer de fato, alerta a Fasubra, a universidade pode fechar as portas em áreas estratégicas por falta de pessoal, uma vez que o governo já avisou que não fará novos concursos públicos para a contratação de funcionários.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários