Trabalhadores fazem nova greve por atraso salarial no Hospital Florianópolis

Trabalhadores fazem nova greve por atraso salarial no Hospital Florianópolis

A paralisação começou às 7h com a realização de uma assembleia em frente ao Hospital. Na assembleia que encerrou a greve motivada por atraso salarial no início de janeiro, trabalhadoras e trabalhadores do Hospital Florianópolis haviam decidido: nova greve em fevereiro em caso de salários atrasados.

Fevereiro chegou e a história se repete. Já virou rotina para quem trabalha no HF sob administração da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM). O direito mais básico negado sistematicamente ao trabalhador, pelo terceiro mês consecutivo, a SPDM atrasa salários. É a sétima vez desde janeiro de 2016. As contas, o aluguel, os compromissos do trabalhador que fica sem salário, entretanto, não podem esperar.

 A convenção coletiva da categoria prevê o pagamento de uma multa de 10% sob o salário, quando há atraso no pagamento, além dos juros

Crise na relação da SPDM com a SES

Em Santa Catarina, além do HF, a SPDM também administrava o SAMU e o Hospital Regional de Araranguá. Assim como no HF, nessas outras duas unidades, os problemas de gestão e atrasos salariais eram recorrentes, o que levou a Secretaria do Estado da Saúde (SES) a rescindir ambos os contratos com a empresa paulista.

Cogita-se a possibilidade de repetição do quadro também no contrato da SPDM com a SES na administração do Hospital Florianópolis. O SindSaúde/SC reitera sua posição em defesa da saúde pública e 100% estatal, realizada por servidores públicos e administração direta do Estado. O modelo de terceirização via Organizações Sociais não funciona.

O Sindicato espera que, se for o caso de um novo rompimento de contrato, a SES, desta vez, planeje a transição para garantir o cumprimento dos direitos das trabalhadoras e trabalhadoras, bem como a recontratação de todos os profissionais por uma eventual nova administradora, garantindo também que não haja interrupção dos serviços e que a população não fique prejudicada.

Desde 2013, o Hospital deixou de ser 100% público e passou a ser gerido pela Organização Social. De lá para cá, as metas contratuais diminuíram 30%. Os serviços são realizados pelos servidores públicos remanescentes e por cerca de 500 trabalhadores contratados pela empresa. Nos últimos quatro anos, várias especialidades já foram fechadas. Somente quatro, dos dez leitos de UTI estão funcionando, como também as cirurgias eletivas e o atendimento de emergência foram temporariamente suspensos em julho de 2017. O orçamento mensal do HF é de cerca de R$ 4 milhões, sendo que 49% é gasto em folha de pagamento.

Fonte: Sindsaúde/SC


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Postagens Relacionadas

*

Top