Trabalhadores mais pobres serão atingidos pelas MPs 664 e 665

Trabalhadores mais pobres serão atingidos pelas MPs 664 e 665

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Sindicato dos Bancários de Santos e região

Milhões de trabalhadores sem direito ao seguro-desemprego, limitação de acesso à abono salarial e privatização das perícias médicas do INSS são alguns dos malefícios previstos nas medidas provisórias 664 e 665, segundo estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A Intersindical – Central da Classe Trabalhadora e outros setores do movimento sindical têm se articulado para combater essa série de ataques à classe trabalhadora.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Anunciadas em 30 de dezembro do ano passado, as MPs determinam diversas mudanças nas regras do Seguro-Desemprego, Abono Salarial, Seguro-Defeso, Pensão por Morte, Auxílio-Doença e Auxílio-Reclusão. De acordo com a pesquisa do Dieese, os prejuízos atingem essencialmente os trabalhadores de baixa renda.

Uma das alterações, da medida 665, aumenta a necessidade de meses de trabalho para que a pessoa acesse o seguro-desemprego. Na regra atual, para ter o benefício pela primeira vez eram necessários 6 meses ininterruptos de trabalho. Com a MP, o prazo é ampliado para 18 meses trabalhados ao longo dos últimos 24 meses. 

De acordo com o Dieese, “A alta rotatividade no emprego não permitirá que uma proporção razoável de trabalhadores cumpra as exigências para o primeiro acesso ao Seguro-Desemprego, uma vez que quase metade (43,4%) da força de trabalho é demitida antes de seis meses no mesmo emprego”.

Já o Auxílio-Doença é um dos temas abordados na MP 664. Uma das mudanças que o texto traz é que o “o auxílio passa a ser pago apenas após 30 dias de afastamento, e não mais depois de 15 dias de licença médica”. Clique aqui e veja a íntegra da análise do Dieese.  

O governo alega que as medidas são um caminho para o ajuste de contas públicas e projeta uma economia de R$ 18 bilhões. Entretanto, ainda segundo dados do Dieese, o governo ajudou os empresários, nos últimos anos, com redução do IPI e outras desonerações, que representam em torno de R$ 200 bilhões de impostos não cobrados. Ou seja, dinheiro que deixou de ser arrecadado. Não faz sentido que o ajuste atinja justamente a parcela mais pobre da população.

“Temos que nos posicionar contra as medidas que o governo tem chamado de ‘ajustes’, mas que prejudicam toda a classe trabalhadora e servem apenas para benefício do capital. Devemos cobrar as promessas feitas durante a campanha eleitoral e lutar para que nenhum direito seja retirado”, afirma Eneida Koury, presidente em exercício do Sindicato dos Bancários de Santos e Região.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários