Trabalhadores do Santander paralisam nacionalmente contra a implantação da Reforma Trabalhista

Trabalhadores do Santander paralisam contra a Reforma Trabalhista

Santander implanta a Reforma Trabalhista

As agências do Banco Santander Brasil amanheceram paralisadas nacionalmente nesta quarta-feira (20). Há poucos dias do Natal, Sérgio Rial demitiu 200 trabalhadores do banco como presente. O presidente nacional do Santander é um dos maiores entusiastas da Reforma Trabalhista, em vigor desde 11 de novembro deste ano.

“Hoje o Santander está parado no país inteiro, por conta de o Santander estar implantando unilateralmente essa Reforma Trabalhista. Não chamou em nenhum momento o sindicato para conversar, está implantando banco de horas para os trabalhadores e obrigando eles a assinarem essa medida; mais de 200 pais e mães de família foram demitidos; o banco está impondo o parcelamento das férias, sem a escolha dos trabalhadores sobre esse parcelamento; o Santander está tentando fazer acordos extra judicial com os trabalhadores demitidos, reduzindo os direitos do recebimento desses trabalhadores; o Santander está abusando do direito dos trabalhadores”, explicou Vera Marchioni, da INTERSINDICAL e do Coletivo Bancários na Luta.

“Os trabalhadores precisam se unir. Apenas unidos conseguiremos resistir a essa imposição da Reforma Trabalhista”, alertou ela.

Alexandre Caso, também bancário e membro da INTERSINDICAL, chamou a atenção para o fato de que o Santander, por meio de seu presidente nacional, Sergio Rial, foi um dos primeiros bancos a aplicar a Reforma Trabalhista. “A Reforma Trabalhista revogou todos os direitos e garantias dos trabalhadores”, lembrou Caso.

“Temos de deixar claro que a Reforma Trabalhista está em discussão, ainda. Não está consolidada, não tem jurisprudência. Sequer os juízes sabem como se comportar frente às novas regras”, analisou Caso.

Santander também trabalha pela aprovação da Reforma da Previdência

Edson Carneiro Índio, também trabalhador bancário e Secretário Geral da INTERSINDICAL, ressaltou a luta dos trabalhadores contra as reformas do governo golpista de Temer: “Os trabalhadores bancários e de outras categorias em geral, não vão aceitar o fim dos direitos trabalhistas, que foi financiada pelos banqueiros do Santander, Bradesco, Itaú”.

Índio lembrou ainda que para o próximo ano está prevista a votação da Reforma da Previdência, que vai atingir em cheio os trabalhadores bancários e de praticamente todas as demais categorias. “O Santander é também um dos principais articuladores da Reforma da Previdência”.

“Dizem que os trabalhadores são privilegiados. Privilegiado são os rentistas e especuladores que não produzem um parafuso e recebem as mais altas taxas de juros desse país. O povo brasileiro vai lutar e não vai deixar passar o fim da aposentadoria. Vamos começar 2018 com muita mobilização”, disse Índio.

Além da implantação da Reforma Trabalhista e da demissão dos 200 trabalhadores às vésperas do Natal, os bancários e bancárias também estão insatisfeitos com as mudanças no plano de saúde e o corte das horas extras.

CLIQUE AQUI E VEJA AS FOTOS DA PARALISAÇÃO DA SEDE DO SANTANDER EM SÃO PAULO

Bancários paralisam Santander no litoral paulista

Em Santos e, pelo litoral sul de São Paulo, foram paralisadas 14 unidades do Santander. Você pode ler a reportagem completa clicando aqui.

Vídeos sobre a situação no Santander

Assista abaixo aos vídeos com os trabalhadores da INTERSINDICAL alertando sobre a situação no Santander:

Vera Marchioni, fala sobre a paralisação nacional dos trabalhadores do Santander Brasil nesta quarta-feira.

Intervenção de Alexandre Caso fala sobre os problemas jurídicos a respeito da Reforma Trabalhista.

Edson Carneiro Índio alerta para a votação da Reforma da Previdência para o início do ano que vem. Projeto que tem o apoio de Sergio Rial.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Postagens Relacionadas

*

Top