fbpx

Trabalhadores da Ford aceitam PPE e suspendem a greve

Os trabalhadores na Ford aprovaram o acordo de adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE) que prevê a redução de jornada de trabalho e de salário em 20% a partir de janeiro, sendo que o Fundo de Amparo ao Trabalhado (FAT), complementa a metade dessa redução. A duração do acordo será de seis meses, podendo ser prorrogado por mais seis.

Com a aprovação da adesão ao PPE, em assembleia realizada na última sexta (18), as 203 demissões anunciadas pela montadora foram canceladas e a greve chegou ao fim após 9 dias de mobilização.

A PLR, o INPC e o abono estão mantidos conforme o acordo. Os trabalhadores que estão em layoff (suspensão temporária do contrato de trabalho) continuarão e, no ano que vem, mais 150 trabalhadores entram em layoff.

Leia também:
Ford anuncia 200 demissões e trabalhadores fazem greve por tempo indeterminado
Índio: Programa de Proteção ao Emprego permite a empresas chantagear trabalhador

A Ford é a sétima empresa a aprovar o acordo de adesão ao PPE na base dos Metalúrgicos do ABC, assim como Rassini, Trefilação União, Mercedes, Volks e Ford, em São Bernardo; Pricol, antiga Melling, e Prensas Schuler, em Diadema.

As empresas demitem para chantagear os trabalhadores a aceitar redução de salário. A Ford, que é uma das maiores multinacionais do mundo, se aproveita do PPE para isso. Infelizmente, trata se da mesma prática da GM e outras empresas para impor sua política que traz prejuízos à classe trabalhadora brasileira.

Redução de salário,  layoff e PDV compõem o arsenal das empresas contra os trabalhadores.

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top