Trabalhadores da FASC protestam contra descaso da prefeitura

Trabalhadores da FASC protestam contra descaso da prefeitura

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Os trabalhadores da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc), organizados pelo Sindicato dos Muncipários de Porto Alegre (Simpa), realizaram ato em frente à sede da Fundação, na manhã dessa quinta-feira (17). Os servidores protestam contra o descaso da Prefeitura, que diminuiu o orçamento da assistência social, não efetiva as nomeações dos concursados para preencher cargos vagos e mantém a rede de proteção da Capital em condições precárias. O grupo também luta por valorização e pela isonomia salarial com os demais órgãos da administração municipal e denuncia os ataques aos direitos dos trabalhadores.
A realidade dos trabalhadores da FASC é extenuante, penosa e com alto grau de envolvimento. A falta de condições e de estrutura para enfrentar o cotidiano de intervenção em situações de violação de direitos, vulnerabilidade e exclusão social levam os trabalhadores a um alto grau de esgotamento e adoecimento.

PRECARIEDADE

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Como exemplo das diversas denúncias, hoje, dois serviços da FASC estão fechados, o CRAS LESTE por problemas de rachaduras na estrutura do prédio, e o CREAS LESTE, por infestação de pombos e piolhos. A empresa Multiágil atrasou novamente o pagamento dos trabalhadores terceirizados.

VALORIZAÇÃO

Desde 2012, a Gratificação da FASC está só na promessa.

AUDIÊNCIA

Em audiência com o presidente da FASC, Marcelo Soares, os trabalhadores reapresentaram a reivindicação da GFASC. Soares apresentou o impacto da gratificação na folha, assumiu o compromisso de discutir o tema com a direção do SIMPA e de levar o debate para o centro do governo. Também foi cobrada a participação dos trabalhadores no processo de normatização e implantação do ponto eletrônico, com representação do SIMPA no grupo de trabalho.

FALTA DE RECURSOS HUMANOS

Em 2014, após muitos anos de luta, conquistamos o Projeto de Reordenamento da FASC. Foram criados 655 cargos na assistência, mas ainda não vimos materializadas nem as 70 nomeações previstas para 2015. Também não foi iniciado o processo para concurso de educadores sociais e psicólogos. Por outro lado, 69 trabalhadores da FASC aderiram ao PDV – Programa de Demissão Voluntária – aumentando a defasagem.

Hoje, no quadro de servidores, 872 cargos estão vagos e somente 315, ocupados. No anexo III do Reordenamento, o governo apresentou um “escalonamento” para nomeação de concursados. Em 2014, seriam 12 e, em 2015, 70 profissionais. Até o momento, só há a promessa de 26 nomeações (20 assistentes sociais e seis técnicos em nutrição) e, mesmo assim, com mais um escalonamento: 10 assistentes, em setembro, outros cinco, em outubro, e mais cinco, em novembro.

Enquanto o número de servidores diminui, o governo amplia a contratação de empresas terceirizadas e sinaliza com um novo PDV. Em 2012, nos CRAS e CRES, eram 205 trabalhadores terceirizados, e, em 2014, o número passou para 271, conforme demonstra o Censo SUAS 2014. Nesse mesmo período, o número de estatutários passou de 107 para 100 trabalhadores.

Fonte: SIMPA (Sindicato dos Municipários de Porto Alegre)

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários