Trabalhadores/as realizam atos e paralisações em defesa da Previdência

Trabalhadores/as realizam atos e paralisações em defesa da Previdência

intersindical, manifestação, reforma da previdência (PEC 287)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Trabalhadores da farmacêutica Astrazeneca participaram de um ato organizado pelo Unificados nesta segunda-feira, 19/02, Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência Social.

A fábrica localizada em Cotia conta com cerca de 1.200 trabalhadores/as. Diversas categorias profissionais e movimentos populares realizam desde as primeiras horas de hoje assembleias com atrasos de jornada, paralisações e greves em protesto a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 287) que impedirá a aposentadoria de milhões de brasileiros/as.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O Sindicato Químicos Unificados convoca todos a participar dos atos que ocorrerão hoje em São Paulo e em Campinas e que estão sendo convocados pelas frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular. Na capital, a concentração será a partir das 16h no MASP. Já em Campinas, às 17h no Largo do Rosário.

Se votar não volta!

A votação desta PEC no Congresso vem sendo adiada seguidas vezes, tamanha a rejeição da população que não aceita o fim das aposentadorias por tempo de contribuição, a elevação da idade mínima (65 anos para homens e 62 para mulheres) para obtenção do benefício, redução nos valores e muito menos a obrigatoriedade de se cumprir 40 anos de contribuição para conseguir o melhor valor do benefício.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora, junto com outras centrais sindicais, marcou presença nesta manhã de segunda-feira nos aeroportos em atos direcionados aos parlamentares que viajam hoje para Brasília (DF). “Se votar, não volta” é a palavra de ordem, lembrando que todos e todas que defenderem a proposta de Temer (PMDB) sofrerão

As consequências nas urnas.

Em São Paulo, os senadores José Serra (PSDB), Marta Suplicy (PMDB) e Airton Sandoval (PMDB) não merecem o voto dos/as trabalhadores por se posicionarem a favor do fim das aposentadorias e por terem já aprovado outras medidas extremamente ruins para a classe trabalhadora, como por exemplo, a reforma trabalhista e a lei que permite a terceirização generalizada.

Na Câmara dos Deputados, das regiões de Campinas e Osasco, temos os deputados Carlos Sampaio (PSDB), Luiz Lauro Filho (PSB), Roberto Alves (PSB), Paulo Freire (PR), Vanderlei Macris (PSDB) e Bruna Furlan (PSDB) que votam contra os interesses dos/as trabalhadores/as.

Às ruas por nossos direitos!

Hoje também é dia de lutar por mais democracia em nosso país. Nesta segunda-feira, o Congresso votará o decreto de intervenção federal sobre o Rio de Janeiro. Isso significa que a segurança pública estadual ficará sob comando das Forças Armadas.

A medida é contestada por diversos analistas políticos que apontam que o problema do RJ não se soluciona com uma medida espalhafatosa que custará milhões aos cofres públicos, dinheiro que poderia ser usado em outras áreas essenciais, como o pagamento de servidores, saúde, serviço de inteligência e efetiva prevenção ao crime.

Se o governo de Pezão (PMDB) se auto declara incompetente na gestão, que o povo decida de maneira democrática quem deve ocupar esta função.

Ainda que o sistema democrático brasileiro seja extremamente frágil, exposto a golpes como o iniciado em 2016, é crucial lutar para que sejam realizadas eleições em outubro.

A elite deste país quer a continuidade das medidas de Temer (fim das aposentadorias, aumento da exploração sobre os trabalhadores, fim do investimento nos serviços públicos, venda de empresas estatais estratégicas e riquezas naturais a multinacionais).

Ela sabe que este projeto não tem chances de ser escolhido pelo voto popular. Temer tenta a todo custo convencer a população a acreditar em uma mentira – a de que a Previdência está quebrada. Isso não é verdade, conforme constatou uma Comissão Parlamentar de Inquérito.

Por isso, a luta tem que se intensificar nas ruas, nas fábricas, nas repartições públicas, nas escolas, nas comunidades. É urgente derrotar este projeto golpista!

Fonte: Sindicato dos Químicos de Campinas, Osasco e região


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários