Terceirização e corrupção é tema de palestra no Tribunal de Contas do Estado

Terceirização e corrupção

Compartilhe

Procuradora Ileana Neiva ministrou a palestra em evento sobre educação e cidadania

Natal – Reunidos para discutir temas como transparência, controle social e o papel das instituições no combate e prevenção à corrupção, representantes de diversas instituições participaram, na manhã desta segunda-feira (19), do evento “Educação para a Cidadania”, promovido pela Escola de Contas e pela Ouvidoria do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte (TCE-RN). Representando o MPT-RN, a procuradora Regional do Trabalho Ileana Neiva ministrou a palestra “Terceirização e corrupção”.

A ação ocorreu no auditório do TCE-RN e contou com a presença de agentes públicos municipais, representantes de conselhos e lideranças da sociedade civil. Em sua palestra, a procuradora do MPT/RN abordou alguns casos em que houve corrupção em contratos de terceirização de serviços, pela falta de pagamento de verbas trabalhistas aos empregados, enquanto a prestadora de serviços ficava com os valores pagos pela administração pública, de forma indevida. Em continuação, explicou como os gestores e fiscais de contratos devem agir para melhorar a fiscalização dos contratos, garantindo que os trabalhadores recebam corretamente as parcelas trabalhistas e evitando que a administração pública pague duas vezes pelo serviços – uma quando paga a fatura à empresa, outra quando os empregados, por não receberam seus direitos, recorrem ao Poder Judiciário.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Ileana Neiva ainda comentou os impactos da decisão do Supremo Tribunal Federal no que se refere à constitucionalidade da terceirização de atividade-fim. “A distinção entre atividade-fim e atividade meio, longe de ser exagerada, tem que existir. Porque há certas atividades da Administração Pública que não podem ser terceirizadas, como as atividades que envolvem sigilo, poder de polícia e atividades estratégicas. O STF não entrou no mérito da terceirização de atividade fim na Administração Pública, não disse que pode; o que foi analisado pelo STF foi a terceirização de atividade fim nas empresas”, destacou.

A palestra foi finalizada com a demonstração de que o STF prestigia o concurso público e, portanto, não irá admitir a terceirização de atividade fim, na Administração pública, que seria uma forma de acabar com o concurso público, o que é inadmissível. O evento foi uma parceria entre o TCE/RN e o Movimento Articulado de Combate à Corrupção do Rio Grande do Norte (MARCCO/RN), o Observatório Social do Brasil (OSB), o Ministério Público do Estado do RN, o Ministério Público do Trabalho no RN e a Controladoria Geral da União no Estado. A mesma ação ainda ocorre nos dias 22 e 23 de novembro, na cidade de Caicó.

Fonte: MPT


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários