Temer na ONU: cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Temer na ONU: cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Temer na ONU: cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Da tribuna da Assembleia-Geral da ONU, o velhaco Michel Temer repete o enredo farsesco que a ninguém engana. Já no início do discurso oco, o ilegítimo atenta contra a inteligência mundial ao “condenar” a discriminação, opressão e miséria.

Logo ele, responsável por um governo tão retrógrado e reacionário, a exemplo, entre uma infinidade de medidas, da reforma trabalhista recentemente aprovada que joga milhões de pessoas na miséria do subemprego e na ultra precarização que aflige, principalmente, negros, mulheres, trabalhadores/as LGBT e demais setores oprimidos pela exploração.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Na sequência, o famigerado fala em respeito aos povos. Seu governo nega aos povos indígenas e quilombolas cujas terras são surrupiadas pelos aliados do golpismo.

O amigo de “Eliseu Quadrilha” fala ainda em preservação ambiental, semanas após seu governo anunciar o fim da Renca (Reserva Nacional de Cobre e Associados) e de patrocinar, reiteradamente, a devastação ambiental e a entrega dos recursos naturais às grandes corporações.

Questão energética

O golpista falou da questão energética com a autoridade moral de quem quer entregar o pré sal e o sistema elétrico ao capital internacional, comprometendo a soberania nacional e energética.

Como o descaramento do ilegítimo não enxerga limites, Temer condenou o desrespeito à democracia. Logo ele, que foi alçado à presidência por meio de um golpe sórdido para implantar uma agenda de desmonte dos direitos sociais e trabalhistas, de desmantelamento do Estado e da Constituição Federal.

A desfaçatez do discurso de Temer na abertura da 72ª Assembleia Geral da ONU teve sequência no discurso de Donald Trump, presidente dos EUA e de Emmanuel Macron, da França, apontando a ofensiva reacionária que assola o mundo e coloca em risco as poucas conquistas dos povos e da classe trabalhadora.

Não faltam motivos para a unidade dos “de baixo” no plano nacional e internacional. Mais que nunca!


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários