Temer na ONU: cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Temer na ONU: cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Temer na ONU: cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Da tribuna da Assembleia-Geral da ONU, o velhaco Michel Temer repete o enredo farsesco que a ninguém engana. Já no início do discurso oco, o ilegítimo atenta contra a inteligência mundial ao “condenar” a discriminação, opressão e miséria.

Logo ele, responsável por um governo tão retrógrado e reacionário, a exemplo, entre uma infinidade de medidas, da reforma trabalhista recentemente aprovada que joga milhões de pessoas na miséria do subemprego e na ultra precarização que aflige, principalmente, negros, mulheres, trabalhadores/as LGBT e demais setores oprimidos pela exploração.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Na sequência, o famigerado fala em respeito aos povos. Seu governo nega aos povos indígenas e quilombolas cujas terras são surrupiadas pelos aliados do golpismo.

O amigo de “Eliseu Quadrilha” fala ainda em preservação ambiental, semanas após seu governo anunciar o fim da Renca (Reserva Nacional de Cobre e Associados) e de patrocinar, reiteradamente, a devastação ambiental e a entrega dos recursos naturais às grandes corporações.

Questão energética

O golpista falou da questão energética com a autoridade moral de quem quer entregar o pré sal e o sistema elétrico ao capital internacional, comprometendo a soberania nacional e energética.

Como o descaramento do ilegítimo não enxerga limites, Temer condenou o desrespeito à democracia. Logo ele, que foi alçado à presidência por meio de um golpe sórdido para implantar uma agenda de desmonte dos direitos sociais e trabalhistas, de desmantelamento do Estado e da Constituição Federal.

A desfaçatez do discurso de Temer na abertura da 72ª Assembleia Geral da ONU teve sequência no discurso de Donald Trump, presidente dos EUA e de Emmanuel Macron, da França, apontando a ofensiva reacionária que assola o mundo e coloca em risco as poucas conquistas dos povos e da classe trabalhadora.

Não faltam motivos para a unidade dos “de baixo” no plano nacional e internacional. Mais que nunca!


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários