rogério marinho

Parecer que reduz multas a planos de saúde. A comissão especial sobre Planos de Saúde poderá votar, nesta quarta-feira (8), proposta que cria um novo marco legal para o funcionamento de planos de saúde suplementar no País. Entre as alterações estão multas mais brandas para as operadoras; parcelamento em cinco vezes do reajuste aplicado hoje a beneficiários que completam 59 anos de idade; e redução das garantias patrimoniais exigidas das empresas do setor.

O objetivo do grupo será ir além do debate e discussão de estratégias para defender o título de Patrono da Educação de Paulo Freire, que vem sofrendo pressão de grupos conservadores para que seja revogado no Senado Federal.

Quase 2 milhões de pessoas já assistiram na rede social Facebook o secretário-geral da Intersindical, Edson Carneiro Índio, expressar a indignação que toma conta da população diante do desmonte dos direitos trabalhistas e da aposentadoria para os deputados durante sessão especial da Comissão Legislativa da Câmara.

A base de Michel Temer na Câmara sepultou os direitos trabalhistas por 296 a 177 votos, mas sem antes tentar outro golpe: impedir que o povo pudesse saber qual foi o voto de cada deputado. Felizmente foi derrotada nesse quesito e nós temos o nome de cada traidor! A resposta é greve geral no dia 28 de abril e o nome de cada traidor estampado em cartazes, postes nos imãs de geladeira. Quem traiu a classe trabalhadora nunca mais terá nosso voto!

Acabar com os direitos trabalhistas e a aposentadoria. É isso que o Temer quer aprovar hoje no plenário da Câmara dos Deputados.

Se o texto de reforma trabalhista apresentado pelo deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) virar lei, as empresas poderão reduzir os salários de todos os empregados para continuarem exercendo as mesmas funções. Por isso temos que ir às ruas no dia 28 de abril para impedir esse desmanche do emprego!

Representantes das centrais sindicais se reuniram na tarde de segunda-feira (24) para acertar os últimos preparativos para a greve geral marcada para a próxima sexta-feira (28). Todos os presentes concordaram que, pela movimentação e mobilizações programadas, a data entrará para a história. É o dia de cruzar os braços e dizer um sonoro “Não” ao fim da aposentadoria e ao desmonte dos direitos trabalhistas.

Fim do décimo terceiro, férias e descanso remunerado para milhões de pessoas que serão pejotizadas, legalização do bico para outros que serão contratados em regime intermitente, redução das garantias da CLT através da negociação abaixo da lei para diversas outras categorias, terceirização irrestrita para os demais. Essas e outras barbaridades compõem o que o governo chama de “reforma” trabalhista e deve ser votada nessa semana na Câmara dos Deputados.

O substitutivo da reforma trabalhista foi apresentado pelo deputado Rogério Marinho, do PSDB. O que era ruim, na versão inicial, ficou ainda pior. O projeto executa o desmonte de direitos conquistados ao longo de quase cem anos pelos trabalhadores brasileiros.

O deputado federal Rogério Marinho (PSDB) e relator da Reforma Trabalhista, tem passados maus bocados após ter assumido a relatoria deste projeto da Reforma Trabalhista, além das esculhambações que tem sofrido nas mídias sociais, na manhã desta segunda-feira 23, manifestante foram para frente do prédio do deputado na Floriano Peixoto, em Petrópolis.

Então será assim? O maior golpe aos direitos dos trabalhadores e aos padrões de civilidade mínima na relação entre capital e trabalho será desferido, sem qualquer constrangimento, pela pior composição parlamentar de todos os tempos, cuja maioria chafurda na lama das delações de corrupção sistêmica? A sociedade assistirá, perplexa e irresoluta, a isso?

Ao lado do relator, Índio diz: “Deputado Rogério Marinho tua foto será colocada em imãs de geladeira e chegará em todas as casas do RN. Ninguém vai esquecer quem é o responsável pelo fim dos direitos trabalhistas e dos empregos minimamente decentes”.

Os presidentes da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (ANAMATRA) e da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), respectivamente Ângelo Fabiano e Germano Siqueira, debateram nesta terça (18/4), ao vivo na Fanpage da Anamatra no Facebook, os principais pontos da reforma trabalhista (Projeto de Lei nº 6787/2016), cujo relatório foi apresentado recentemente pelo deputado Rogério Marinho, relator da proposta na Comissão Especial.

Confira a nota pública que a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) divulgou no último dia 13/04, onde manifesta sua indignação com o relatório e o texto substitutivo de reforma trabalhista apresentados pelo relator da matéria, o deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), na Comissão de Reforma Trabalhista, que deve ser aprovado nesta terça-feira (18/04).

Pelo texto substitutivo do projeto de reforma trabalhista (PL 6787/16), apresentado na última quarta-feira (12) pelo relator Rogério Marinho (PSDB-RN), os acordos entre patrões e empregados poderão prevalecer sobre a lei (Consolidação das leis do Trabalho (CLT) como regra geral.