reforma urbana

Conclamamos as entidades e organizações dos(as) trabalhadores(as) e da juventude do campo e da cidade e dos movimentos populares, a construir o FÓRUM SINDICAL, POPULAR E DE JUVENTUDES, POR DIREITOS E LIBERDADES DEMOCRÁTICAS. Nenhum direito a menos!

A PEC do Fim do Mundo (atual Emenda Constitucional nº 95) foi aprovada no final de 2016, logo após o golpe que colocou Michel Temer no poder. O mundo ainda não acabou, mas, nesse ritmo, as políticas públicas no Brasil estão próximas do fim.

Trabalhadores das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo se reuniram nesta quinta-feira, 02, para debater e formalizar a unidade nas manifestações do Dia do Basta, que ocorrerão no próximo dia 10 de agosto.

No Brasil existem, segundo o IBGE, 6,07 milhões de domicílio vazios e em contrapartida temos 5,8 milhões famílias sem moradia ou com moradias inadequadas. Tem mais casas sem gente do que gente sem casa.

No dia 26-06-18 o Desembargador Marcelo Rodrigues, da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça-MG, suspendeu decisão que autorizava despejo das famílias moradoras da Ocupação Vicentão, que ocupam para fins de trabalho e moradia prédio antes abandonado pertencente ao antigo Banco Hércules, na rua Espírito nº 461.

Entrevista com Luiz Fernando, advogado popular e militante das Brigadas Populares, sobre a Ocupação Vicentão, em Minas Gerais, que está com pedido de reintegração de posse.

Nota do Movimento Terra Trabalho e Liberdade (MTL) sobre os despejos dos acampamentos Arco-íris e Córrego do Tatu nos municípios de Gurinhatã/MG e Santa Vitória/MG.

Na manhã do dia 14 de junho, centenas de moradores da Ocupação Povo Sem Medo e da comunidade da Gringolândia, na Pavuna, organizados pelas Brigadas Populares e pela Associação de Moradores da FICAP, lotaram o Plenário e as galerias da Câmara Municipal do Rio de Janeiro para uma Audiência Pública da Comissão Especial de Moradia que tinha como finalidade debater a regularização das duas comunidades.

A Intersindical lamenta profundamente o incêndio e desabamento do prédio em São Paulo que abrigava os moradores da Ocupação Paissandú. É mais um triste Dia dos Trabalhadores com esta tragédia que representa o descaso do poder público com relação a quem não tem onde morar. QUEM OCUPA, NÃO TEM CULPA!

O fascismo não pode ser entendido como experiências históricas europeias isoladas e datadas, mas como uma corrente de pensamento, que de diferentes formas e intensidade, permanece até os nossos dias e disputa a condução da sociedade, cada vez mais próxima e mesclada com o liberalismo. No caso brasileiro, as características do fascismo estão associadas às condições específicas de nosso país, que é herdeiro de uma situação colonial, da escravidão, da dependência econômica, da ausência de uma elite nacionalista e de uma posição subalterna frente ao imperialismo.

Em assembleia, 8 mil famílias se despedem do acampamento Povo Sem Medo. Nova fase de luta é por recursos para construção das moradias e resistência pela liberdade de Lula.

No dia de ontem, 16/03, moradores da Ocupação Povo Sem Medo – RJ, no bairro da Pavuna, Zona Norte do Rio de Janeiro, foram ameaçados por homens armados nos arredores da Ocupação. A antiga proprietária do imóvel, a empresa Bergitex, já tentou despejo ilegal uma vez, com utilização de homens armados à paisana. Mais uma vez, a vida das centenas de famílias que ocupam o imóvel abandonado há mais de vinte anos pela Bergitex têm suas vidas colocadas em risco.

O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto há 20 anos organiza trabalhadoras e trabalhadores das periferias das grandes cidades a lutarem por seus direitos, sobretudo o direito à moradia digna.

Desde o momento do golpe que destitui da presidência uma presidenta legitimamente eleita sem que motivos plausíveis fossem comprovados, juntamente com [email protected] [email protected] [email protected] deste país temos chamado a atenção para o projeto de desimpedimento que aqui se alastra, principalmente na Amazônia, para que grupos internacionais possam se instalarem ou ampliarem suas instalações necessárias à uma exacerbada expropriação.

Mais de 900 pessoas da Ocupação Povo Sem Medo de São Bernardo ocuparam na tarde desta quarta-feira (6) a sede da Secretaria Estadual de Habitação de SP (Sehab-SP) buscando uma solução para o caso.

As trabalhadoras e os trabalhadores do MTST tiveram uma importante vitória nesta terça-feira (31). Após mais de 10 horas de caminhada e 23 quilômetros percorridos de São Bernardo a São Paulo, o movimento finalmente conseguiu abrir uma mesa de negociação com o Governo do Estado, além de avançar em demandas para as outras ocupações do MTST.

Junte-se à Grande Marcha dos Sem Teto! Na próxima terça-feira, dia 31, o MTST organizará uma marcha histórica. Milhares de trabalhadores sem-teto sairão da Ocupação Povo Sem Medo de São Bernardo do Campo em caminhada até o Palácio do Governo de São Paulo, no Morumbi, a partir das 6h da manhã.

Na manhã de 9 de Outubro, dezenas de famílias, caminhantes da corda bamba entre a miséria e a Cruz do aluguel, tomaram a decisão que talvez seja a mais importante de suas vidas: ocupar um galpão abandonado para destinar-lhe à finalidade de moradia na Pavuna, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Cerca de sete mil famílias ocupam um terreno em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. A área está abandonada há décadas e possui dívidas milionárias com IPTU não pago. A ocupação completou no último domingo trinta dias de muita resistência, solidariedade e participação popular.

Neste dia 19 de setembro o MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto saiu às ruas de todo o país em luta por Teto, diante do congelamento dos programas habitacionais.

No sábado, ocupação Povo Sem Medo foi alvo de ataque a tiros que resultou em um ferido. Ato em desagravo teve a participação de populares, lideranças políticas e movimentos sociais.

Cerca de 500 famílias organizadas pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, ocuparam a pouco um terreno de 60 mil m² no centro de São Bernado do Campo, na rua João Augusto de Souza, em frente a fábrica da Scania.

Confira o parecer-protesto elaborado pelo núcleo jurídico das Brigadas Populares contra os desejos administrativos realizados pela Prefeitura de Belo Horizonte. As Brigadas Populares opinam pela imoralidade, ilegalidade e inconstitucionalidade dessa prática!

Mais de 10 mil trabalhadoras e trabalhadores do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) enfrentaram o frio desta terça-feira (13) para parar o centro econômico da cidade e garantir que o compromisso firmado em março, em resposta à ocupação de 22 dias do Movimento em frente ao Escritório da Presidência, seja de fato cumprido.

As diretorias estaduais do Espírito Santo da CUT, da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, da CSP/CONLUTAS e o Sindicato dos Servidores Públicos do ES manifestam total apoio à Ocupação Chico Prego, localizada no Ed. Maria Clara da Silva, e repúdio a decisão judicial de 2ª instância que deferiu pedido liminar de reintegração de posse do prédio em questão.

Mais de 100 famílias da Ocupação Maria Guerreira, localizada no bairro Copacabana em Belo Horizonte, estão ameaçadas de despejo por uma decisão horrorosa do Juiz da 3ª Vara dos feitos da Fazenda Pública Municipal que, sem observar os direitos fundamentais e o princípio da dignidade humana, estipula um prazo de 72 horas para os moradores saírem de suas casas, sem apresentar qualquer alternativa de moradia e ainda prevê multa para o Estado caso este opte pela via democrática e justa do diálogo e negociação.

Em debate promovido pela “Carta Capital”, Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai, recebeu uma questão da plateia. Uma mulher lhe perguntou sobre a luta das mulheres. Mujica falou do machismo do continente, da sua batalha pela implementação da lei que garante o aborto no Uruguai. Principalmente, salientou que são as mulheres mais pobres as mais prejudicadas.

A vitória do acampamento no escritório da presidência ilegítima realizado pelo MTST e a grande manifestação unitária do 8 de março na capital paulista, além de outras cidades, marcaram um tento fundamental na resistência à agenda de desmonte em curso no país.

Após 22 dias de acampamento na avenida Paulista, em frente ao escritório da Presidência da República em São Paulo, os trabalhadores sem-teto do MTST conseguiram uma importante vitória.

Nós somos moradores das ocupações Nelson Mandela, Vila Paula, Itayu, Joana D`Arc e Capadócia, aqui de Campinas. Nesse dia 9 março, saímos das ocupações de madrugada e ocupamos o largo do Rosário, no centro de Campinas. Somos mulheres, homens, idosos, estudantes, vendedores, empregados domésticos, eletricistas, enfim, trabalhadores e trabalhadoras que decidiram ocupar o centro da cidade para exigir apenas uma coisa: nosso direito à moradia! Um direito negado constantemente pelo poder público.

A Associação Paulista Viva emitiu um posicionamento com ataques e mentiras sobre o MTST e mandou ofício para órgãos e parlamentares pedindo a retirada violenta da ocupação em frente ao Escritório da Presidência. Mostra seu incômodo com uma manifestação pacífica e com a presença de pobres na avenida.

O dia 21 de fevereiro de 2017 ficará marcado como um dia de total descontrole do Estado de Pernambuco no que diz respeito à Segurança Pública. Se a população assistiu horrorizada os desdobramentos do assalto milionário a uma empresa de segurança pela manhã, não foi menos desesperador o campo de guerra criado pela polícia durante a tarde em frente a Companhia Estadual de Habitação de Obras de Pernambuco (CEHAB), no bairro de Campo Grande.

Desde a noite da última quarta-feira (15),na Avenida Paulista, cerca de 400 pessoas, a maioria integrante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), estão acampadas em frente ao escritório da Presidência da República, protestando contra os retrocessos sociais deste governo golpista.

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) ocupou, na madrugada deste sábado (4), um terreno de cerca de 270 mil m² na região do Pôr-do-Sol, em Ceilândia. 150 famílias estão no local.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora Em jornada realizada ontem (6) em 11 capitais do país, a Frente de Resistência Urbana deixou claro que se o governo federal não realizar novas contratações de moradias no lançamento do programa “Minha Casa, Minha Vida 3”, previsto para o dia 10 de setembro, o “Brasil vai parar” em …

Frente de Resistência Urbana dá ultimato ao governo Dilma Leia mais »

“Nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos” – Papa Francisco. Na noite de sexta-feira, 17, o movimento Terra Livre – Campo e Cidade ocupou com diversas famílias um prédio ocioso na Rua Conselheiro Furtado, no Bairro da Liberdade, região central em São Paulo. A situação da moradia no Brasil e …

Movimento Terra Livre ocupa prédio na região central de São Paulo Leia mais »