greve

O ano de 2020 começa em alta temperatura no seio de nossa categoria. O aprofundamento dos ataques ao serviço público praticados por Bolsonaro, e acompanhado pelos governos estaduais e municipais, impõem ainda mais organização, resistência e luta de nossa categoria.

Nesta quarta-feira (19/02) o Conselho Deliberativo da FUP em conjunto com as direções dos sindicatos da categoria definiram por suspender provisoriamente a greve para que a Comissão Permanente de Negociação da categoria possa participar da Reunião de Mediação agendada para sexta-feira (21/02).

Mesmo após a decisão autoritária de ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho), sindicatos decidem manter a greve na Petrobras e exigir o cumprimento do Acordo Coletivo.

Diante do debate entre governadores de 22 estados e o presidente Jair Bolsonaro a respeito da redução de impostos dos combustíveis, estes trabalhadores através de suas entidades representativas retrucam o desafio populista lançado pelo presidente lançando um novo desafio a Bolsonaro.

Em decisão abusiva, antidemocrática e inconstitucional, o ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho) Ives Gandra determinou nesta quinta-feira (06/02) o bloqueio das contas bancárias dos sindicatos dos petroleiros e permitiu à direção da Petrobras contratar trabalhadores temporários.

A greve nacional dos petroleiros, realizada por enquanto na base dos sindicatos da FUP, mas que deve envolver também as entidades ligadas à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) tem recebido novas adesões a cada dia.

A Intersindical, em conjunto com o Fórum das Centrais, Frentes de mobilização e movimentos ambientalistas confirmam a construção da Greve Global pelo Clima no dia 20 de setembro. Em defesa do meio ambiente, dos direitos e do emprego.

Em greve desde as 22 horas do dia 10 de setembro, os trabalhadores dos Correios, em todo o país, se mobilizam para defender o caráter público da Empresa de Correios e Telégrafos – ECT frente à ameaça de privatização.

Centrais sindicais e frentes de mobilização definem os próximos passos da luta contra o fim da aposentadoria após greve geral.

O funcionalismo público do Paraná tem vivido um desmonte desde que o governador Beto Richa assumiu o o estado em 2011, atacando os trabalhadores com medidas de austeridade e desmonte do setor público. Em 2015 encaminhou a ALEP um pacote de medidas (que ficou conhecido como “pacotaço de maldades”) onde propunha, dentre outros aspectos, uma migração de massas entre os fundos previdenciários do Estado, algo que inviabilizaria, no longo prazo, o pagamento de aposentadorias e benefícios.

No próximo dia 30 de maio a juventude e os diversos setores da classe trabalhadora tomam, novamente, as ruas do Brasil para demonstrar sua disposição de defender a educação pública, sem cortes e sem censura, e de se somar na luta da classe trabalhadora em defesa da previdência pública e solidária.

Conversamos com Sérgio Magalhães, diretor do sindicato dos Metroviários de São Paulo, logo depois do fim da Campanha Salarial.

Nas regiões de Campinas, Osasco e Barueri, os trabalhadores também aderiram em peso ao dia nacional de luta em defesa da aposentadoria e da educação pública.

Uma grande multidão tomou a avenida Paulista, em São Paulo, na tarde deste 15 de maio. O traço marcante da imensa manifestação foi a unidade entre estudantes, professores, pais de alunos e milhares de trabalhadores de outras categorias.

Protestos aconteceram em mais de 200 cidades no País. Ato também reforçou convocação para greve geral do dia 14 de junho.

No Dia Nacional de Paralisação em Defesa da Educação Pública, a cidade de Juazeiro do Norte-CE foi palco de uma das maiores manifestações realizadas na história do Cariri Cearense.

O Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindifort) e a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora se somam hoje a várias outras centrais, sindicatos, Frente Povo Sem Medo.

Mais de 8 mil condutores são esperados para assembleia decisiva da categoria, nesta quinta-feira (16), no CMTC Clube. Neste dia, a direção do Sindmotoristas fechará a semana de lutas, que começou com as assembleias, nas garagens, carros de som circulando nos terminais e pontos de ônibus e a distribuição da “Carta Aberta à População”.

O Brasil foi chacoalhado por milhões de pessoas nesta quarta-feira, Dia Nacional de Mobilização em Defesa da Aposentadoria e da Educação Pública. Foi histórico. Teve a capacidade de unificar a classe trabalhadora, em particular o pessoal da educação e a juventude em defesa de dois direitos fundamentais: a educação pública e a previdência social.

Assim como ocorreu em 2017, cujo ápice foi a Greve Geral de 28 de Abril, o povo brasileiro vai lutar, e muito, para barrar a entrega da previdência aos banqueiros.

Trabalhadores da Merial Boehringer de Paulínia decidiram, nesta terça (29), pela realização de um protesto contra as mudanças arbitrárias na jornada promovidas pela empresa e greve, caso a empresa não aceite negociar os itens da pauta apresentada pelo Unificados.

A crise econômica argentina se aprofundou nas últimas semanas e deixou o governo neoliberal de Mauricio Macri na mais complicada situação desde que assumiu a presidência, em dezembro de 2015.

Nesta segunda-feira, dia 25/06, a classe trabalhadora argentina respondeu à convocação das centrais sindicais do país, e entraram em greve, a terceira enfrentada pelo presidente neoliberal Mauricio Macri.

A passagem de Pedro Parente no comando da Petrobras foi curta, mas os estragos foram enormes. Nomeado pelo ilegítimo Michel Temer logo após o golpe que derrubou a ex-presidente Dilma Rousseff, Parente pediu demissão no último 1º de junho após a greve dos caminhoneiros e a pressão popular contra sua gestão. Ele foi o principal responsável por mudar a política de preços da Petrobras, que passou a vincular o valor dos combustíveis nos postos às variações diárias do barril de petróleo no mercado mundial.

Gian Lopes reafirmou ainda que a terceirização é uma realidade que eles, administradores municipais, não podem abrir mão.

Quase todas as análises sobre o movimento dos caminhoneiros, assim como ocorre em outros casos em que o assalariamento não é explícito, assimilam acriticamente a condição de ‘autônomos’ dos trabalhadores, sem perceber que a própria designação é um elemento central da gestão do trabalho pelas empresas, escrevem em Vitor Araújo Filgueiras, professor de Economia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e José Dari Krein, professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Acompanhe e participe de nossa Agende da Greve do Sintepp: 04 de junho (segunda-feira), 09:00h: Ato Público em Solidariedade à Ocupação da EE Helena Guillon;

Em poucos dias, a mobilização dos caminhoneiros conseguiu parar o país e provocar um abalo sísmico no sistema político. Percorrem as margens de toda essa pulsão transformadora e avassaladora a disputa do movimento, via uma guerra ideológica – o que é comum em todo fenômeno espontâneo. O vazio está em demasia e muitos gritam para preenche-lo, sem conseguir, por enquanto, apropriar-se dele em sua completude.

Em Cubatão, trabalhadores petroleiros estão mobilizados desde a madrugada, contra o preço do gás e dos combustíveis e pela Petrobras 100% pública! A Petrobras é do povo!

Petroleiros paralisam a refinaria de Paulínia, em São Paulo, e dialogam sobre a importância de uma empresa pública, contra o aumento dos combustíveis e do gás.

A Intersindical Baixada Santista, a diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região, a Frente Povo Sem Medo, militantes do PSOL estão posicionados desde às 6h, no escritório central do Valongo, em Santos SP, participando da greve dos petroleiros da Baixada Santista.

Começa nesta quarta-feira (30) e será por tempo indeterminado. Por ampla maioria de votos, os petroleiros do Litoral Paulista aprovaram a deflagração de greve, por tempo indeterminado, a partir desta quarta-feira (30).

Ribamar Passos, funcionários dos Correios e Secretário de Relações Sindicais da Intersindical analisa a situação dos Correios hoje, e indica que o serviço da empresa vai muito além da entrega de correspondências, é um instrumento de garantia de direitos, e portanto não deve ser privatizado.

A Executiva Estadual da Intersindical Central da Classe Trabalhadora no Estado do Ceará vem perante a população do Município de Juazeiro do Norte, prestar irrestrita solidariedade a greve dos Servidores Públicos dessa cidade. Entendemos que todas as reivindicações dos servidores são justas e carecem de uma resposta urgente na atual gestão municipal.

No próximo dia 28  completará um ano os Servidores Municipais de Cubatão foram atacados com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Após 24 horas de greve, trabalhadores alemães conquistam jornada de 28 horas semanais

Mais de 4 mil trabalhadores do transporte público da capital paulista se reuniram em assembleia, na Quadra dos Bancários, no dia 07 de fevereiro, e decidiram pela adesão ao Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência. A ação prevista pela categoria será a paralisação dos serviços de transporte público no dia 19 de fevereiro. 

19/02: Dia de Luta com greves, paralisações e manifestações em todo o país. Temer, banqueiros e a mídia jogam sujo pra acabar com seu direito a aposentadoria. Querem desmontar a previdência e entregá-la aos bancos. E já marcaram até a data pra tentar enterrar sua aposentadoria: dia 28/02, quando ameaçam votar a deforma da previdência.

A paralisação começa às 7h com a realização de uma assembleia em frente ao Hospital. Na assembleia que encerrou a greve motivada por atraso salarial no início de janeiro, trabalhadoras e trabalhadores do Hospital Florianópolis haviam decidido: nova greve em fevereiro em caso de salários atrasados.

Ação sindical reuniu trabalhadores e trabalhadoras que protestaram contra diversas medidas de implementação da reforma trabalhista no banco, como acordo individual de banco de horas semestral, alteração da data de pagamento do dia 20 para o dia 30 a partir de março de 2018, e modificação do pagamento do 13º salário, antes previsto para fevereiro e novembro e, agora, maio e dezembro.

A reforma trabalhista de Temer deixou o Santander livre para demitir em massa, fracionar férias e alterar regras para não pagar horas extras, e ainda mudar datas do crédito do salário e 13º unilateralmente, sem negociar com os trabalhadores.

As agências do Banco Santander Brasil amanheceram paralisadas nacionalmente nesta quarta-feira (20). Há poucos dias do Natal, Sérgio Rial demitiu 200 trabalhadores do banco como presente de Natal.

Os municipários de Porto Alegre estão sendo chamados a participar, no dia 13/12, a partir das 16h, da vigília no Paço Municipal como forma de exigir uma resposta do governo quanto ao pagamento do 13º salário. No mesmo dia, a direção do SIMPA pretende entregar novo ofício solicitando uma reunião entre o prefeito e representantes da diretoria do SIMPA.

Se colocar para votar, o Brasil vai parar! Reunidos na manhã desta sexta-feira, as centrais sindicais aprovam o Estado de Greve Permanente, além de um conjunto de atividades (ver abaixo), a fim de impedir a votação da Reforma da Previdência

Baixe o jornal da Greve Nacional de 5 de dezembro e entenda por que os trabalhadores do Brasil devem cruzar os braços!

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora manifesta seu total apoio e solidariedade à greve dos trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que paralisaram suas atividades no último dia 14 de novembro.

Jornalistas e radialistas da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) entraram em greve a partir de zero hora da terça-feira, 14/11, em protesto à oferta apresentada pela direção da empresa de congelamento dos salários, de retirada de direitos e de corte de benefícios do Acordo Coletivo de Trabalho 2017/2018.

Nesta terça-feira, 10 de outubro, os técnico-administrativos em educação da UFRGS, UFCSPA e IFRS irão paralisar suas atividades em mais um protesto contra os ataque ao plano de carreira da categoria e contra os cortes de investimentos nas Universidades e Institutos Federais.

Um grande ato encerrou a Greve Geral nacional da sexta-feira, 30 de junho, na avenida Paulista, símbolo do poder econômico em São Paulo, com cerca de 40 mil pessoas.

Dia 30/06 foi marcado por Greve Geral em várias capitais e cidades brasileiras contra as “reformas” da previdência e trabalhista, e pela anulação da lei de terceirização.

Trabalhadores químicos da região de Campinas e Osasco, bases do Sindicato Químicos Unificados, aderiram à Greve Geral neste dia 30/06 com atos nas portas de fábricas e participação em manifestações de rua.

Manifestantes em Greve Geral marcam a manhã desta sexta-feira (30) com bloqueios em rodovias, avenidas e ruas das principais capitais do país em protestos contra as reformas trabalhista, previdenciária e pela deposição do presidente Michel Temer.

A Greve Geral deste dia 30/06 começou forte em diversas partes do Brasil! Trabalhadoras e trabalhadores estão nas ruas contra a Reforma Trabalhista, aprovada na CCJ do Senado, neste último dia 28, a Reforma da Previdência, em tramitação na Câmara dos Deputados, e pela saída imediata do ilegítimo e corrupto Michel Temer (PMDB).

A Greve Geral deste 30/06 foi fortemente aderida pelos trabalhadores bancários de São Paulo e Grande São Paulo.

Entrada de Florianópolis (SC) travada nesta madrugada, neste dia de Greve Geral, contra o fim da CLT, em defesa da aposentadoria e pela saída do ilegítimo Michel Temer!

É preciso pôr um fim às ações do governo golpista, entreguista e corrupto do presidente Michel Temer. Além de destruir os direitos dos/as trabalhadores/as das cidades e do campo, o governo Temer está acuado por acusações escabrosas e recorrentes e sob o inteiro domínio dos interesses do capital, de modo especial os ligados ao agronegócio.

A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo reunidas no dia 23 de junho em São Paulo reafirmam seu apoio às greves e mobilizações convocadas para o dia 30 de junho contra a reforma trabalhista e em defesa dos direitos e da aposentadoria.

Fortalecer a Greve Geral, preparar fortes paralisações da produção e da circulação e realizar grandes manifestações em todo o país. Esses são os principais desafios dos próximos dias colocados para todas as organizações que realmente se orientam pelos interesses da classe trabalhadora e da maioria do povo brasileiro.

A ação unitária das Centrais Sindicais tem resultado em uma grande mobilização em todos os cantos do país, como vimos nos dias 08 de março, 15 de março, na Greve Geral de 28 de abril e no Ocupa Brasília em 24 de maio.

São Paulo amanheceu com trabalhadores se manifestando nas ruas anunciando a Greve Geral, contra as Reformas Trabalhista e da Previdência, pelo fora Temer e por diretas já!

A Greve Geral de 1917 lançou bases do sindicalismo contemporâneo. Além de debate sobre o tema, haverá também o lançamento do livro “A greve de 1917: os trabalhadores entram em cena”, de José Luiz Del Roio.

A crise política, econômica e institucional que abala o país teve mais um triste capítulo nos últimos dias. O escárnio de Gilmar Mendes e do judiciário no espetáculo deprimente do TSE demonstra até onde os poderes da república estão dispostos a ir para defender os interesses do sistema financeiro, do rentismo, do latifúndio e dos donos do dinheiro, materializados, principalmente, nas reformas da previdência e trabalhista, na terceirização e no congelamento dos investimentos públicos nas áreas sociais. Mas essa farsa, no entanto, conseguirá apenas adiar a agonia institucional que se aprofundou desde o golpe de 2016 assolando a ilegitimidade do atual executivo, a maioria conservadora do congresso nacional e do judiciário.

As centrais sindicais, (CUT, UGT, Força Sindical, CTB, Nova Central, CGTB, CSP-Conlutas, Intersindical, CSB e A Pública- Central do Servidor), convocam todas as suas bases para o calendário de luta e indicam uma nova GREVE GERAL dia 30 de junho.

MONTAGEM – A Intersindical foi surpreendida pela circulação de uma montagem com uma falsa informação, que utilizou um dos nossos jornais confeccionado na preparação da Greve Geral de 28 de abril.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora e as demais centrais sindicais decidiram, em reunião realizada na última segunda-feira (29), em São Paulo, realizar uma nova Greve Geral na última semana de junho, pela manutenção de direitos, estratégias e desenvolvimento do País.

A Executiva Nacional da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, reunida no dia 05/05/2017 em São Paulo orienta seus sindicatos, dirigentes, militantes e a classe trabalhadora em geral, o que segue:

No dia 28 de abril, cerca de 40 milhões de trabalhadores paralisaram as atividades em todo o país. O dia da greve geral já é considerado o maior da história, foi mobilizada por centenas de entidades sindicais e sociais. Todos contrários às medidas de Temer para desmontar a Previdência Social (PEC 287) e os direitos trabalhistas (PL 6787/2016).

Trabalhadores/as da Mexichem /Amanco, em Sumaré, estão em greve (desde 02/05) paralisando totalmente a produção da fábrica até que a empresa aceite a negociar todos os itens da pauta de reivindicações encaminhadas pelo sindicato. A greve tem ampla adesão, inclusive de trabalhadores terceirizados.

Após mais um ano de negociações sem efeito com o governo do estado do Pará para que o piso salarial dos trabalhadores e trabalhadoras em educação da rede estadual de ensino seja cumprido, eles decidiram em assembleia no último dia 26 de abril iniciar um período de greve por tempo indeterminado a partir de 3 de maio. O governo do Estado, no entanto, entrou com ação na Justiça pedindo a ilegalidade da greve, mas não obteve e a greve está mantida!

Deu na Globo: “Greve geral paralisa transportes e cancela voos.” (Na Argentina, dia 6 de abril.) “Manifestações contra o governo”. (De Nicolas Maduro, na Venezuela, em 19 de abril.)

Dia 28 de abril último, três ativistas do MTST foram presos sem que fosse apresentada qualquer prova contra eles. Juraci Alves dos Santos, Luciano Antonio Firmino e Ricardo Rodrigues dos Santos estão na carceragem do 63o DP até hoje, mantido presos sem nada comprovado, “em nome da ordem pública”, segundo a juíza Marcela Fillus Coelho, sem qualquer base a não ser o “relato” dos policiais militares.

Primeira lição que se tira do vulcão desatado a partir das ameaças da perda dos direitos trabalhistas e previdenciários: o que toca a vida concreta das pessoas, sua sobrevivência e o mundo da produção é o trabalho.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora se soma ao clamor pela liberdade imediata aos presos políticos da Greve Geral! Libertem já os militantes do MTST Luciano Antonio Firmino, Juraci Alves dos Santos e Ricardo Rodrigues dos Santos!

“Os trabalhadores se deram conta do estrago que significa o desmonte de direitos e resolveram cruzar os braços. Afinal, o 28 de abril não era dia de dar lucro para o patrão, mas de defender os direitos trabalhistas e a aposentadoria”, explica Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Em diversas cidades de Minas Gerais trabalhadores de diversas categorias e de movimentos sociais foram às ruas se manifestar contra o fim da CLT e da reforma da Previdência!

Trabalhadores do Distrito Federal e do entorno deram um claro recado a Michel Temer na capital federal: Não às reformas da Previdência e trabalhista! Diversas categorias se uniram: professores, rodoviários, metroviários, servidores, funcionários da saúde…

Químicos, educadores, metalúrgicos e muitas outras categorias estão paralisando as cidades para mostrar que não vão desistir enquanto não tiverem de volta os seus direitos garantidos. Trabalhadores pararam fábricas e ocuparam as ruas contra o desmonte da CLT e a Reforma da Previdência!

Em Goiânia greve geral e manifestações seguem com força. Mais de 2000 pessoas protestam no centro da cidade.

São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Goiânia, Minas Gerais, Roraima etc.

Greve geral do dia 28 de abril contra com adesões até de cidades fronteiriças, como Paranhos, no Mato Grosso do Sul, que faz divisa com o Paraguai.

Santa Luzia (MA) adere à greve geral e povo vai às ruas contra a reforma da Previdência, trabalhista, a terceirização e o congelamento dos investimentos públicos por 20 anos.

A greve geral deste 28 de abril contra a retirada de direitos já é um dos assuntos mais comentados em todo o mundo pelo Twitter. É hora de pressionar, postar fotos de nossas mobilizações e comentários nas redes. Fazer todo o mundo acordar!

Em Santa Catarina, o acesso sul ao centro de Florianópolis foi fechado desde manhã neste dia de greve geral contra o fim da CLT e contra a Reforma da Previdência. Em Lages os trabalhadores dos transportes urbanos também se recusaram a trabalhar!

Na região metropolitana do Recife (PE) nenhum ônibus saiu e as delegacias estão fechadas. Trabalhadores de diversas categorias estão de braços cruzados neste dia de Greve Geral contra o fim da CLT e das aposentadorias!

Em Capinas estão acontecendo paralisações em diversos pontos da cidade contra o fim da CLT e das suas aposentadorias!

Em Santos (SP) trabalhadores iniciaram a greve geral na madrugada fechando as duas pistas da Estrada do Sabuó, contra o fim da CLT e da aposentadoria. No entanto a Polícia Militar, controlada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), reprimiu a manifestação que lutava pelos seus direitos.

Em Uberlândia (MG) os trabalhadores dos transportes também paralisaram suas atividades pelo medo de perderem seus direitos trabalhistas e suas aposentadorias! Com a greve geral desde a madrugada, a classe trabalhadora está dando o recado de que não pagará a conta da burguesia!

Em Porto Alegre (RS), trabalhadores dos transportes públicos cruzaram os braços neste dia de Greve Geral, contra as reformas Trabalhista e da Previdência. A unidade entre trabalhadores ligados à Intersindical e ASSUFRGS e estudantes da UFRGS está sendo fundamental nesta luta.

O Sindicato Químicos Unificados convoca todos/as trabalhadores/as a parar nesta sexta-feira, 28/04 em defesa dos direitos trabalhistas que estão sendo destruídos pelo governo Temer e Congresso Nacional. Neste dia, não sai de casa para trabalhar. É hora de cruzar os braços e integrar as grandes mobilizações que ocorrerão em vários pontos das cidades brasileiras.

Os servidores municipais de Fortaleza, organizados pelo Sindifort (filiado à Intersindical) se somarão fortemente à greve geral de amanhã. A paralisação deve atingir diversas unidades e setores, como agentes de trânsito, de saúde, de combate a endemias, servidores da UrbFor e do IPM. A categoria fará concentração às 8h em frente ao Paço Municipal.

De mãos dadas, em sinal de união em prol da Justiça do Trabalho, magistrados, advogados, servidores, líderes sindicais e trabalhadores encerram o ato público realizado nesta quarta-feira, 26, em frente ao Fórum da Justiça do Trabalho, no Comércio. O evento, organizado pela Amatra5, Anamatra, OAB/BA, Abat, Abrat e Sindjufe, protestou contra as reformas Previdenciária e Trabalhista em tramitação no Congresso Nacional.

A greve geral de 28 de abril entrará para a história do país. Um dos marcos é a adesão de centenas de categorias com importância fundamental. Uma demonstração desse contagiante clima que vai tomando a sociedade brasileira é a paralisação dos professores das redes privadas.

Intersindical, Bancários de Santos e Região, a totalidade das centrais sindicais, dezenas de sindicatos, movimentos sociais e estudantes aprovaram a Greve Geral na Baixada amanhã, 28/4.

NOTA: O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, considerando a Greve Geral anunciada para o dia 28.04.2017, vem a público: I – DESTACAR que a Greve é um direito fundamental assegurado pela Constituição Federal, bem como por Tratados Internacionais de Direitos Humanos ratificados pelo Brasil, “competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender” ( art. 9º da CF/88);

O Sindicato Nacional dos Aeronautas (categoria que reúne pilotos, copilotos e comissários de voo) vai decidir em assembleias nesta quinta-feira (27) se vai paralisar os voos para Brasília (DF) na próxima semana. O objetivo é prejudicar a chegada de parlamentares à capital e a votação das reformas, em especial, a da Previdência.

Acabar com os direitos trabalhistas e a aposentadoria. É isso que o Temer quer aprovar hoje no plenário da Câmara dos Deputados.

Em assembleia, categoria decidiu deflagrar greve contra aprovação da Terceirização irrestrita, o desmonte da Previdência e a “reforma” trabalhista Reunidos em assembleia na noite desta segunda-feira, 17, bancários e bancárias da Baixada Santista aprovaram a deflagração de Greve Geral no próximo dia 28 de abril. A categoria se junta a diversos setores para parar o …

Bancários da Baixada Santista aprovam Greve Geral dia 28 de abril Leia mais »

Saiba mais: → Câmara dos Deputados dá tiro de morte nos direitos trabalhistas → Nota Pública do Ministério Público do Trabalho contra a Reforma Trabalhista e apoiando a Greve Geral → Juízes e advogados em defesa da Justiça do Trabalho No dia 28/04, não vou trabalhar, vou à rua protestar! As mídias tradicionais – televisão, rádios e …

Servidores municipais de Belém aderem à Greve Geral do dia 28 de abril Leia mais »

Em assembleia realizada na noite da última quarta-feira (19), o Sindicato da Polícia Civil do Estado de Pernambuco (Sinpol-PE) decidiu que irá aderir à greve geral contra a Reforma da Previdência, marcada para o dia 28 de abril.