golpe

Na primeira semana após a eleição, o presidente eleito Jair Bolsonaro já iniciou a articulação política com Michel Temer para aprovar, ainda esse ano, mudanças drásticas nas regras de acesso à aposentadoria.

O único motivo para a condenação é impedir que Lula seja candidato à presidência da república, já que é ele o líder de todas as pesquisas de intenção de voto.

Divulgação da PED, desenvolvida pelo Dieese e Fundação Seade, caiu de sete municípios para três. Metodologia identifica quem procura emprego e não acha, e quem deixa de procurar por falta de condições.

Promessa de Temer para aprovar reforma trabalhista no Senado sem alterações, Medida Provisória 808 está prestes a caducar; Com isso, entre outros prejuízos, grávidas poderão trabalhar em ambientes insalubres mesmo sem autorização médica.

Ao mesmo tempo em que o governo suspendeu a votação da contrarreforma da previdência, anunciaram como prioridade outros quinze projetos que pretendem aprofundar a dependência econômica brasileira às grandes potências e aos bancos.

Globo, banqueiros, judiciário e os partidos da direita se uniram pra tirar Dilma e dar um golpe no povo. Fizeram isso para desmontar o Estado, reduzir os investimentos sociais, privatizar as empresas estatais, acabar com os direitos trabalhistas e a aposentadoria.

A vida do povo piorou após Temer dar o golpe contra a classe trabalhadora. Mais de 12 milhões de desempregados, outros 37 milhões vivendo no subemprego, muitos só no bico, sem nenhum direito trabalhista. Quem ainda tem emprego, recebe salário arrochado, insuficiente pra viver com dignidade.

O presidente golpista Michel Temer (PMDB) e seu aliado tucano, o governador do estado de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) foram recebidos em Campinas com uma manifestação em protesto contra a reforma da Previdência, que impedirá o direito à aposentadoria dos/as brasileiros/as.

19 FEV – DIA DE LUTA: greves, paralisações e manifestações em todo país! CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O JORNAL DA INTERSINDICAL OU LEIA ONLINE. Pressão total sobre os deputados. Do voto do deputado na reforma, dependerá o voto  do povo trabalhador nas eleições. Se votar, não volta!

Juntamente com a Frente Povo Sem Medo e Brasil Popular, a Intersindical estará nas ruas pra dizer: a seletividade do judiciário na tentativa de cassação dos direitos políticos do ex-presidente é a continuidade do golpe pra manter a agenda de desmontes dos direitos sociais no Brasil.

Temer golpista tenta parceria com a Google para impedir que brasileiros entendam que as mudanças na Previdência propostas pelo governo são injustas

Sindicatos, movimentos, estudantes e todo o povo, devemos continuar com a pressão total sobre os deputados nos aeroportos, escritórios, congresso, portas de fábrica, atos públicos etc.

O plenário da Câmara dos Deputados concluiu, nesta terça-feira (12), a votação do PL 9.206/17, que permite o parcelamento de dívidas de produtores rurais (pessoas físicas, cooperativas e intermediários) com descontos e diminui a contribuição social sobre a receita bruta devida pelo setor a título de contribuição previdenciária dos trabalhadores rurais. A matéria será enviada ao Senado. Na Agência Câmara.

Nesta manhã, Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Intersindical, reforçou a importância de aumentar a pressão e mobilização em defesa da aposentadoria. É hora de fazer pressão total em cima dos Deputados! E preparar as paralisações e mobilizações da próxima semana.

Decisão do Tribunal Regional de Justiça do DF afirma que propaganda da Reforma da Previdência não é informativa e desrespeita servidores públicos.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora manifesta seu total apoio e solidariedade à greve dos trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que paralisaram suas atividades no último dia 14 de novembro.

Michel Temer, a maioria do congresso e a grande mídia retomaram nesta semana uma brutal ofensiva contra a previdência social. Manipulações, mentiras, propagandas milionárias, terrorismo fiscal, tudo para convencer a população a aceitar a reforma da previdência – na verdade, desmonte.

Com a Praça da Sé lotada, milhares de trabalhadores das mais diversas categorias, votaram por unanimidade: se o Congresso Nacional marcar votação da reforma da previdência o Brasil vai parar!

O desmoralizado governo Temer promete para essa sexta-feira, dia 27, a realização de dois leilões de áreas de produção de petróleo do pré-sal. A medida animou grandes empresas, principalmente estrangeiras, cuja posse dessas áreas petrolíferas é objeto de grande cobiça.

O povo brasileiro assistiu a mais um espetáculo cínico da Câmara dos Deputados. Apenas 233 deputados votaram pelo prosseguimento das investigações de Temer e seus dois ministros. Eram necessários 342 votos para abertura do processo no STF. De verbas, cargos, a liberação do trabalho escravo, tudo foi feito para garantir os 251 votos obtidos pelo governo.

Trabalhadoras/es precisam retomar mobilização unitária. O Presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM/RJ) afirmou nesta terça-feira, dia 24, que prepara uma agenda de votações assim que for votada hoje a denúncia contra Temer.

Nessa quarta-feira (25) vamos juntos dizer que basta de Michel Temer! Estamos indo de volta à escravidão, cada vez mais bandidos protegidos pelo sistema político mandam e desmandam de acordo com seus interesses, vendendo o Brasil, desmontando a educação, a ciência e toda política de amparo às periferias e aos pobres.

Após mobilizações sindicais realizadas em vários estados, foi adiada a votação da proposta de alteração do estatuto da Caixa, prevista para ocorrer na tarde desta quarta, 18, durante reunião do Conselho de Administração (CA) do banco. No ES, o Sindibancários realizou ato vestindo luto e protestando contra tentativa de privatização do banco.

A Anamatra, juntamente com a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPT), a Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas (Abrat) e o Sindicato Nacional de Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), divulgaram nesta quarta-feira (18/10) nota pública na qual criticam a publicação da Portaria nº 1.129/2017, relativa ao trabalho escravo.

A pauta patronal do Grupo CEAG-10, da Fiesp, para a campanha salarial mostra que os patrões querem acabar com as jornadas de oito horas para aplicar o trabalho intermitente, conforme passará a ser permitido pela reforma trabalhista a partir de de 11 de novembro.

O Conselho de Administração (CA) da Caixa pode votar nesta quarta-feira 18, alterações no estatuto da empresa. Entre os itens há mudanças que interferem no direito dos trabalhadores e uma transformação substancial, fazendo com que a instituição se torne uma sociedade anônima (S/A). A conselheira que representa os empregados, Rita Serrano, vai votar contra essa proposta de alteração do estatuto.

Da tribuna da Assembleia-Geral da ONU, o velhaco Michel Temer repete o enredo farsesco que a ninguém engana. Já no início do discurso oco, o ilegítimo atenta contra a inteligência mundial ao “condenar” a discriminação, opressão e miséria. Logo ele, responsável por um governo tão retrógado e reacionário, a exemplo, entre uma infinidade de medidas, da reforma trabalhista recentemente aprovada que joga milhões de pessoas na miséria do subemprego e na ultra precarização que aflige, principalmente, negros, mulheres, trabalhadores/as LGBT e demais setores oprimidos pela exploração.

A INTERSINDICAL, representada por Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Central, participa nesse momento do Encontro de Resistência Contra o Desmonte do Estado Brasileiro, que debate sobre o desmonte promovido pelo Governo Michel Temer.

No dia 13 de setembro, trabalhadores e trabalhadoras são convidados a discutir o desmonte promovido pelo governo federal, no Auditório Nereu Ramos, às 13 horas, na Câmara dos Deputados.

Com apenas um decreto, Temer colocou à venda uma das maiores reservas ambiental do mundo. E pior: empresas de mineração estrangeiras já tinham acesso a essa informação meses antes do anúncio oficial.

Segundo o documento ‘Alguns Comentários sobre a Situação Fiscal e as Privatizações do Governo Temer’, esta política não irá recuperar a economia. Em vez disso, a probabilidade é de colocar o país numa espiral recessiva sem fim. Com investimento e gasto privados travados pelos juros reais altos e expectativas pessimistas.

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) já perdoou neste ano R$ 27 bilhões em dívidas do Itaú Unibanco e do Santander. Os bancos ainda esperam a oficialização do perdão de mais R$ 1,138 bilhão.

O governo entreguista de Michel Temer, a serviço do grande capital, anunciou na quarta-feira (23) um calendário de seu Programa de Parcerias de Investimento (PPI), que discute concessões e privatizações.

Unir o povo brasileiro e as organizações da classe em defesa da aposentadoria, das garantias constitucionais, da soberania latino-americana e de empregos, com direitos para todos e a todas!

A ordem do grande capital agora é acelerar a Reforma da Previdência que está parada na Câmara. Para isso, Temer conta com o apoio irrestrito do presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM/RJ), que já se comprometeu a colaborar para que o governo recomponha a sua base, de modo a garantir os 308 votos necessários para aprovar a Reforma da Previdência.

Veja a lista dos nomes dos Deputados que absolveram Michel Temer. Como já publicado pela Intersindical, pelo menos 238 congressistas são alvos de investigações criminais no Supremo Tribunal Federal (STF). Destes, ao menos 190 participam da votação da denúncia criminal na noite de desta quinta-feira (02/08).

Réus e alvos de inquéritos (investigações preliminares que podem resultar na abertura de processos), pelo menos 238 congressistas respondem a acusações criminais no Supremo Tribunal Federal (STF).

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, está lendo nesta terça-feira (1) , no primeiro dia de trabalho depois do recesso parlamentar, o parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ), contrário ao prosseguimento da denúncia de Michel Temer por corrupção passiva.

Pesquisa Pulso Brasil feita mensalmente pelo instituto Ipsos reforça a ilegitimidade do Governo Temer na presidência do Brasil. O golpista conseguiu bater o recorde de rejeição popular, com 94% de desaprovação de seu governo, sendo a pior avaliação do governo federal desde abril de 2005.

Em carta direcionada ao procurador geral da república, Rodrigo Janot, Conselho Indígena de Roraima (CIR) pede que a Procuradoria Geral da República (PGR) tome “providencias necessárias e urgentes contra a efetividade de qualquer ato administrativo dos itens inconstitucionais”. O CIR denuncia a inconstitucionalidade do parecer emitido ontem (20) pela Advocacia Geral da União e assonado pelo presidente da República. O embasamento para o parecer corresponde a Ação 3388/RR, que decidiu a demarcação da Terra Indígena (TI) Raposa Serra do Sol (RR), em 2009.

Após os conflitos públicos gerados entre o presidente Michel Temer e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os rumores que seguiram desde que o deputado trouxe sinais de que seria favorável ao afastamento do mandatário, com o desgaste de sua imagem e o pós das reformas conquistadas no Congresso, ambos tentam recuperar o diálogo.

Terminou oficialmente nesta segunda-feira (17) o primeiro semestre de trabalhos no Congresso Nacional, que entregou a reforma trabalhista, mas não a da Previdência. Com a apresentação da denúncia de corrupção passiva contra Michel Temer, a reforma da Previdência ficou em segundo plano. Mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), tem dado declarações de que após votar a denúncia contra Temer vai fazer tramitar a reforma da Previdência.

342agora – Entrou no ar, na segunda-feira (10), site patrocinado por um grupo de artistas que pede o impeachment do presidente Michel Temer (PMDB).

O dono do baú, Silvio Santos, um dia após jantar com Michel Temer, passou a veicular no SBT propagandas terroristas de produção própria em defesa da Reforma da Previdência nos intervalos de sua programação.

É possível que o Brasil tenha entrado em um período de normalização da crise, ou algo aparentado com a “normalidade sofrente”, de que nos falava Cristophe Dejours, em O trabalho entre o sofrimento e o prazer. Não se trata de mera passividade ou conformismo, mas de um patamar a não ser perdido diante de uma situação de incertezas. Há muito de resignação e pouco de mobilização entre os de baixo. 

Um grande ato encerrou a Greve Geral nacional da sexta-feira, 30 de junho, na avenida Paulista, símbolo do poder econômico em São Paulo, com cerca de 40 mil pessoas.

Manifestantes em Greve Geral marcam a manhã desta sexta-feira (30) com bloqueios em rodovias, avenidas e ruas das principais capitais do país em protestos contra as reformas trabalhista, previdenciária e pela deposição do presidente Michel Temer.

A Greve Geral deste dia 30/06 começou forte em diversas partes do Brasil! Trabalhadoras e trabalhadores estão nas ruas contra a Reforma Trabalhista, aprovada na CCJ do Senado, neste último dia 28, a Reforma da Previdência, em tramitação na Câmara dos Deputados, e pela saída imediata do ilegítimo e corrupto Michel Temer (PMDB).

A Greve Geral deste 30/06 foi fortemente aderida pelos trabalhadores bancários de São Paulo e Grande São Paulo.

Entrada de Florianópolis (SC) travada nesta madrugada, neste dia de Greve Geral, contra o fim da CLT, em defesa da aposentadoria e pela saída do ilegítimo Michel Temer!

É preciso pôr um fim às ações do governo golpista, entreguista e corrupto do presidente Michel Temer. Além de destruir os direitos dos/as trabalhadores/as das cidades e do campo, o governo Temer está acuado por acusações escabrosas e recorrentes e sob o inteiro domínio dos interesses do capital, de modo especial os ligados ao agronegócio.

Por 16 votos a 9, com uma abstenção, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou na quarta-feira (28), o Projeto de Lei 38/2017 que promove a reforma trabalhista patrocinada pelo grande capital. Agora o projeto segue para votação em regime de urgência pelo plenário do Senado. Se for aprovado vai direto à sanção presidencial.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado iniciou na manhã desta quarta-feira (28) a sessão para votar o parecer do senador Romero Jucá (PMDB-RR) sobre a reforma trabalhista. Representantes da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e demais centrais sindicais foram impedidos de entrar.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ajuizou na segunda-feira (26), no Supremo Tribunal Federal (STF), uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a lei que libera a terceirização para atividade fim das empresas.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora está presente neste momento na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal para debater a Reforma Trabalhista.

A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo reunidas no dia 23 de junho em São Paulo reafirmam seu apoio às greves e mobilizações convocadas para o dia 30 de junho contra a reforma trabalhista e em defesa dos direitos e da aposentadoria.

Fortalecer a Greve Geral, preparar fortes paralisações da produção e da circulação e realizar grandes manifestações em todo o país. Esses são os principais desafios dos próximos dias colocados para todas as organizações que realmente se orientam pelos interesses da classe trabalhadora e da maioria do povo brasileiro.

A ação unitária das Centrais Sindicais tem resultado em uma grande mobilização em todos os cantos do país, como vimos nos dias 08 de março, 15 de março, na Greve Geral de 28 de abril e no Ocupa Brasília em 24 de maio.

São Paulo amanheceu com trabalhadores se manifestando nas ruas anunciando a Greve Geral, contra as Reformas Trabalhista e da Previdência, pelo fora Temer e por diretas já!

O “fico” do PSDB, que em reunião na segunda-feira (12) decidiu permanecer na base do governo de Michel Temer, tem dois significados: histórico e conjuntural.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu que cogita suspender o recesso parlamentar caso o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresente denúncia contra o presidente Michel Temer.

“A nossa conjuntura deu uma virada há dois meses. Até 15/03 estávamos fechados à possibilidade de luta. O governo vinha com um trator e a gente a pé.  Mas agora temos como nos fazer ouvir através da luta política”. A declaração foi dada pelo jornalista e professor de Relações Internacionais, Gilberto Maringoni, durante a reunião de análise de conjuntura da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

A jurista Anjuli Tostes Faria, da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e das Brigadas Populares, se soma a outros profissionais, estudantes e juristas nesta quarta-feira (14) às 14h, no Senado Federal, para protocolar um pedido de afastamento do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Haverá coletiva de imprensa na sala 6, Ala Nilo Coelho.

A maior concentração de pessoas que nesse domingo (11) exigiu a queda de Michel Temer e a imediata convocação de eleições diretas ocorreu na Bahia. Cerca de 100 mil pessoas se concentraram no farol da Barra, onde se apresentaram mais de  20 artistas e bandas, entre eles, Daniela Mercury e Margareth Menezes.

A crise política, econômica e institucional que abala o país teve mais um triste capítulo nos últimos dias. O escárnio de Gilmar Mendes e do judiciário no espetáculo deprimente do TSE demonstra até onde os poderes da república estão dispostos a ir para defender os interesses do sistema financeiro, do rentismo, do latifúndio e dos donos do dinheiro, materializados, principalmente, nas reformas da previdência e trabalhista, na terceirização e no congelamento dos investimentos públicos nas áreas sociais. Mas essa farsa, no entanto, conseguirá apenas adiar a agonia institucional que se aprofundou desde o golpe de 2016 assolando a ilegitimidade do atual executivo, a maioria conservadora do congresso nacional e do judiciário.

A Intersindical – Central da Classe Trabalhadora repudia com veemência as declarações intempestivas, antidemocráticas e irresponsáveis do atual ministro do Superior Tribunal de Justiça, Napoleão Nunes Maia, em sua alocução no julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral, na sexta-feira (9).

O quinto vídeo da web série divulgada pelo site Plataforma Política Social e narrada pelo ator Herson Capri aborda um dos grandes argumentos [falsos] do governo para validar a proposta de desmonte da Previdência Social. Confira.

UM REPRESENTANTE PATRONAL: empresário dono de companhias em diferentes áreas, com um patrimônio estimado em aproximadamente R$400 milhões, acionista com investimentos em diversos bancos dentro e fora do país. O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) é o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), onde foi concluída ontem a primeira fase de discussões e análises da Reforma Trabalhista no Senado.

O primeiro dia de julgamento da ação do PSDB que pede a cassação da Chapa Dilma Rousseff-Michel Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) foi marcado pela derrota das contestações iniciais da defesa sobre pontos do processo. Foram ao todo sete preliminares contestando desdobramentos da ação. Na terça-feira (6), quatro delas foram analisadas e rejeitadas por unanimidade. O julgamento será retomado nesta quarta-feira (7).

O Brasil atravessa uma grave crise política, econômica, social e institucional. Michel Temer não reúne as condições nem a legitimidade para seguir na presidência da República. A saída desta crise depende fundamentalmente da participação do povo nas ruas e nas urnas. Só a eleição direta, portanto a soberania popular, é capaz de restabelecer legitimidade ao sistema político.

O ato começou às 11h da manhã com um dia ensolarado e um carnaval fora de época, em meio à 7 horas de shows, entrecortados por debates políticos, discursos e gritos de “Fora Temer” e “Diretas Já”.

O presidente da Transparência Internacional, José Ugaz, pediu na quinta-feira (1) que Michel Temer reveja sua decisão e renuncie ao cargo de presidente pois entende que sua manutenção no posto tem por objetivo “boicotar” o processo anticorrupão vigente no país.

Artistas, ativistas e blocos de carnaval realizam manifestação em forma de show no próximo domingo (4), no Largo da Batata, às 11h, em São Paulo, para exigir um sonoro ‘Fora Temer’ e pela realização de eleições diretas democráticas de imediato.

Dezenas de artistas pernambucanos se reunirão neste domingo (4),na Praça do Carmo, no Sítio Histórico de Olinda, a partir das 15h, no evento ‘Não Me Venha com Indiretas’! A intenção dos realizadores é reforçar a vontade do povo brasileiro de escolher pelo voto direto e popular o presidente da República que, em breve, substituirá o governante ilegítimo Michel Temer.

A PEC das eleições diretas (PEC 67/2016) deu um passo adiante na quarta-feira (31) ao ser aprovada, por unanimidade, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. A proposta prevê diretas já, se o posto de presidente da República ficar vago nos três primeiros anos do mandato, um a mais do que diz a atual legislação. Michel Temer assumiu como vice em 2014. Teoricamente a mudança abra espaço para que a população escolha o substituto de Temer, caso ele venha a cair até o final do ano.

Ex-funcionários do jornal Hoje em Dia, de Belo Horizonte, ocuparam o prédio onde funcionava a sede do periódico, no bairro de Santa Efigênia, na capital mineira. Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) também participam da ocupação.

O principal argumento utilizado pelos setores do financismo, como tentativa de justificativa para o golpeachment, era a suposta incapacidade da equipe que vencera as eleições em outubro de 2014. Dessa forma, todos os problemas do Brasil seriam resolvidos, da noite para o dia, apenas com a saída da Presidenta. De acordo com tal raciocínio carregado de oportunismo, pouco importa o rito democrático e o respeito à institucionalidade da ordem republicana.

Diante da terrível situação política do país, artistas, ativistas, produtores e blocos de carnaval que acreditam na força da cultura, estão se reunindo de forma independente para lutar pela nossa democracia.

Artistas, músicos, políticos, sindicalistas e movimentos sociais reuniram entre 100 mil e 150 mil pessoas. O protesto contou com shows de Caetano Veloso, Milton Nascimento, Mano Brown, Criolo e Maria Gadú, entre outros nomes da MPB.

A queda dos políticos Michel Temer e Aécio Neves representa uma guinada dentro do movimento golpista que derrubou Dilma. Essa nova fase é o que tem se chamado de “Golpe dentro do Golpe” e a ação deflagrada pela PGR depois das escutas dos dois é o seu marco inicial. Um marco que está em desenvolvimento e com possibilidades de desfechos – um tanto – indefinidos.

A CGTP-IN condena a violenta repressão dos manifestantes do movimento Ocupe Brasília, quando estes se dirigiam pacificamente para o Congresso Nacional na capital brasileira convocados pelas centrais sindicais deste país e pelo movimento popular.

A equipe econômica federal liderada por Henrique Meirelles começa a aplicar uma nova estratégia para levar à frente a reforma da previdência, apesar da crise do governo Michel Temer. Descolar a reforma da figura do presidente interino para garantir a satisfação do mercado

A participação das centrais sindicais unidas e dos movimentos sociais unidos com pelo menos 200 mil pessoas foi determinante para o sucesso do Ocupa Brasília na quarta-feira (24). Prova disso foi a ação autoritária de Michel Temer, que temendo o poder de mobilização do povo contra as reformas e contra sua permanência na Presidência da República, editou um decreto concedendo poder de polícia às Forças Armadas para reprimir e dispersar o ato.

Sob pressão da base aliada, o presidente Michel Temer recuou e revogou decreto para atuação das Forças Armadas nas ruas do Distrito Federal em edição extra do “Diário Oficial da União” desta quinta-feira (25).

O presidente golpista e corrupto MichelTemer pediu o uso do Exercito contra os trabalhadoras e as trabalhadoras que estão nas manifestações em do #OcupaBrasília, provando que esse governo não se sustenta com base a preceitos democráticos.

As reformas da Previdência (PEC 287/16) e a trabalhista (PL 6.787/16 – PLC 38/17), não pertencem mais ao governo. Sequer foram concebidas pelo Planalto. As propostas são do mercado e foram concebidas para favorecer o capital. Essas matérias são interesse direto dos setores financeiro e produtivo, que pressionarão o Congresso Nacional para que sejam aprovadas nas duas Casas legislativas.

As negociatas para aprovação da reforma da previdência avançava nas casas antes do surgimento dos áudios envolvendo Michel Temer e os donos da JBS. No balcão, votos e apoios são comprados descaradamente com perdão de dívidas previdenciárias, movimentando um montante vergonhoso – R$ 55 bi – valor que, se fosse pago ao INSS, com certeza cobriria o tal déficit das contas.

Consultorias já avaliam que Temer caiu. A MCM Consultores vai além, apontando, em nota enviada a clientes, que “do ponto de vista da economia e da restauração da normalidade no país, quanto mais rápido Temer cair, melhor”. Segundo sua avaliação, a renúncia do presidente seria o melhor caminho, havendo como alternativa a cassação da chapa Dilma-Temer no TSE.

Os companheiros de localidades mais distantes já saíram de casa na manhã desta segunda-feira (22) para participar do Ocupa Brasília. O ato, que se realizará nesta quarta-feira (24) na capital federal com um sonoro ‘Fora Temer’, em defesa das ‘Diretas Já’ e da retirada de pauta dos projetos de reforma da Previdência e reforma trabalhista, promete ser um dos maiores protestos já realizados em unidade com todas as centrais sindicais e os movimentos sociais.

1. Ao contrário do que ocorreu nos meses que antecederam o impeachment, em abril de 2016, as diversas frações classes dominantes brasileiras encontram-se divididas sobre o que fazer depois da revelação da lambança de Michel Temer com o dono da Friboi. Eles não se entendem no destino a ser dado ao usurpador.

O domingo (21) em todo o país foi marcado por protestos em diversas capitais exigindo o Fora Temer e eleições diretas para a presidência da República. Na Avenida Paulista, mais de 20 mil pessoas enfrentaram forte chuva e frio, em ato convocado pelas Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai pedir a abertura do pedido de impeachment contra Michel Temer. O documento será protocolado na Câmara no início desta semana, segundo Claudio Lamachia, presidente nacional da entidade.

Os membros da Presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), emitiram na manhã desta sexta-feira, 19 de maio, uma Nota Oficial com o título “Pela Ética na Política” na qual afirmam que a Conferência está “unida aos bispos e às comunidades de todo o país” e acompanha “com espanto e indignação” as graves denúncias de corrupção política acolhidas pelo Supremo Tribunal Federal.

Os líderes dos movimentos sociais que compõem a Frente Povo Sem Medo e Brasil Popular avisaram quinta-feira (18) em coletiva de imprensa realizada em São Paulo: não vamos aceitar um golpe dentro do golpe. Os eixos “Fora Temer”, “retirada imediata das reformas Trabalhista e Previdenciária” e a retomada da democracia por eleições diretas nortearão a luta nos próximos dias.

O governo ilegítimo de Michel Temer está ruindo. E a quantidade de pedidos de impeachment contra o presidente da República, por crime de responsabilidade, só aumenta. Na quinta-feira (18), a oposição protocolou o oitavo pedido, assinado por PT, PDT, PCdoB, Rede, Psol e PSB.

A quinta-feira (18) foi marcada por diversos fatos importantes: a autorização dada pelo Supremo Tribunal Federal para a abertura de investigação contra o presidente ilegítimo, a homologação da delação premiada dos donos da JBS, a divulgação dos áudios que mostram que Temer soube e apoiou a compra do silêncio de Eduardo Cunha, a saída de Aécio Neves da presidência do PSDB e o afastamento dele da função de senador, a debandada de aliados políticos… mas o fato mais relevante foi sem sombra de dúvidas a retirada das reformas trabalhista e previdenciária da pauta acelerada do Congresso Nacional.

A crise no governo Temer atingiu em cheio as reformas defendidas pelo presidente. Porém, além de congelar a tramitação das matérias no Congresso Nacional o governo também decidiu cancelar as propagandas pró-reforma da Previdência que estavam sendo veiculadas desde março.

Diante das evidências que vieram à público nesta quarta-feira, 17, envolvendo o ilegítimo Temer e Aécio Neves, a Intersindical se soma às iniciativas da Frente Povo Sem Medo, em unidade com a Brasil Popular, para intensificar as mobilizações pela retirada imediata das “reformas” que desmontam os direitos sociais, pela anulação do projeto de trabalho temporário e terceirização sancionado pelo ilegítimo, pela derrubada de Temer e para que prevaleça a democracia, por meio de eleições diretas e com povo nas ruas.

O senador Aécio Neves está entre os assuntos mais comentados no Twitter mundial nesta quinta-feira (18) por conta da operação da Polícia Federal deflagrada após o vazamento de um áudio no qual o mineiro, que foi candidato à Presidência em 2014, pediu R$ 2 milhões a um dos donos da JBS para pagar advogados na Operação Lava Jato.

Apesar de Michel Temer insistir que não deixará o cargo que usurpou, a imprensa estrangeira já dá como certa a saída dele do cargo de presidente do Brasil.