economia

Paulo Kliass - A Previdência Social entre o desespero e a cafajestice

Paulo Kliass | A Previdência entre o desespero e a cafajestice

As estatísticas oficiais relativas ao Regime Geral da Previdência Social (RGPS) sempre foram objeto de polêmica e controvérsia. A divulgação de números e informações a respeito do sistema gerido pelo INSS implica um sem número de hipóteses que nem sempre conseguem alcançar o status de consenso ou mesmo de maioria entre os especialistas. No entanto, isso faz parte do jogo democrático e do debate plural em uma sociedade que amadurece seus sistemas de políticas públicas.

Aumento de bilionários em 2017 acabaria com extrema pobreza por 7 vezes

Aumento de bilionários em 2017 acabaria com extrema pobreza por 7 vezes

De toda a riqueza gerada no mundo em 2017, 82% ficaram concentrados nas mãos dos que estão na faixa de 1% mais rica, enquanto a metade mais pobre – o equivalente a 3,7 bilhões de pessoas – não ficou com nada. Os dados fazem parte do relatório Recompensem o trabalho, não a riqueza 2018, da organização não governamental (ONG) britânica Oxfam, divulgado na segunda-feira (22). A entidade participa do Fórum Econômico Mundial, que começou nesta terça-feira (23) em Davos, na Suíça.

dividas milionárias do agronegócio

Escândalo: Temer perdoa dividas milionárias do agronegócio

O plenário da Câmara dos Deputados concluiu, nesta terça-feira (12), a votação do PL 9.206/17, que permite o parcelamento de dívidas de produtores rurais (pessoas físicas, cooperativas e intermediários) com descontos e diminui a contribuição social sobre a receita bruta devida pelo setor a título de contribuição previdenciária dos trabalhadores rurais. A matéria será enviada ao Senado. Na Agência Câmara.

Reforma da Previdência Social reduz valor das aposentadorias e afeta consumo das famílias

Reforma da Previdência Social reduz valor das aposentadorias e afeta consumo das famílias

A reformada Previdência Social proposta pelo corrupto governo Temer não só tornará muito mais difícil o acesso ao benefício, como reduzirá o valor das aposentadorias, com impactos sobre a economia do país. De acordo com a economista Denise Gentil, professora da UFRJ, as alterações, associadas à precarização no mercado de trabalho, provocarão queda no consumo das famílias. “O impacto disso sobre o PIB vai ser brutal”.

Lucro dos bancos 2017, no 3º trimestre R$ 13,6 bi (aumento de 10,4%)

Lucro dos 4 maiores bancos cresce 10,4% no 3º trimestre e soma R$ 13,6 bi

O lucro líquido dos 4 maiores bancos do Brasil cresceu 10,4% no 3º trimestre em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica, a soma dos ganhos de Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander no período entre julho e setembro foi de R$ 13,6 bilhões ante R$ 12,3 bilhões no 3º trimestre de 2016.

Banco do Brasil tem lucro de R$ 2,8 bilhões no 3º trimestre

Banco do Brasil tem lucro de R$ 2,8 bilhões no 3º trimestre

Nos 9 primeiros meses do ano, a instituição financeira acumula ganhos de R$ 7,9 bilhões. O lucro líquido do Banco do Brasil chegou a R$ 2,841 bilhões no 3º trimestre deste ano, alta de 8,5% em relação aos 3 meses anteriores e de 26,5% sobre o mesmo período de 2016. Nos 9 primeiros meses do ano, a instituição financeira acumula ganhos de R$ 7,9 bilhões – 11,8% acima do resultado registrado no mesmo período do ano passado.

PLS 2042016, PLP 1812015 e PL 33372015 NOTA DE REPÚDIO

Nota de repúdio ao PLS 204/2016, PLP 181/2015 e PL 3337/2015

A plenária do Seminário Internacional 2017, organizado pela Auditoria Cidadã da Dívida e apoiado por dezenas de entidades nacionais e internacionais, que se realiza em Brasília-DF com o tema “Esquema Financeiro Fraudulento e Sistema da Dívida – criação de ‘Estatais não Dependentes’ utilizadas para securitizar Dívida Ativa e lesar a sociedade”, que denuncia mecanismos financeiros perversos que aprofundam a financeirização e provocam, simultaneamente, a geração de dívida e o sequestro da arrecadação pública pelo setor financeiro, manifesta total R E P Ú D I O ao posicionamento dos governadores de alguns Estados da Federação, divulgada em jornais de grande circulação, no dia 08 de novembro de 2017, onde esses defendem a aprovação dos projetos de lei que ora tramitam no Congresso Nacional (PLS 204/2016, PLP 181/2015 e PL 3337/2015).

Temer reduz salário mínimo para 2018 | INTERSINDICAL

Temer reduz salário mínimo

O Ministério do Planejamento informou, na última segunda-feira (30), que o governo baixou novamente a previsão para o salário mínimo de 2018, passando de R$ 969 para R$ 965.

Paulo Klias: Por um referendo revogatório

Paulo Kliass | Por um referendo revogatório!

O ritmo alucinante de escândalos envolvendo Michel Temer e a marca de um ano para as eleições presidenciais de 2018 são alguns dos elementos que contribuem para que o debate a respeito de alternativas de projeto de país comece a ganhar espaço nos meios de comunicação.

Santander lucra R$ 7,2 bilhões em 2017 e segue DEMITINDO

Santander lucra R$ 7,2 bilhões em 2017 e segue demitindo

Resultado representa crescimento de 35% em relação ao mesmo período do ano passado; por outro lado, banco espanhol eliminou 1,3 mil vagas em 12 meses e é o atual líder de reclamações de clientes segundo o Banco Central, o que comprova a falta de sintonia com seu próprio slogan.

Santander, Sérgio Rial e os jagunços do Mercado - INTERSINDICAL

Santander, Sérgio Rial e os jagunços do Mercado

Entusiasta das Reformas Trabalhista e Previdenciária, Rial encontra nelas um campo livre para contratar por hora (trabalho intermitente), terceirizar, pejotizar e explorar de forma selvagem o bancário. Livra-o de direitos trabalhistas e da justiça do trabalho. Rial não tem compromisso com o Brasil e os trabalhadores  

Antônio Augusto de Queiroz - Poder econômico pode influenciar a eleição

Antônio Augusto de Queiroz | Poder econômico pode influenciar a eleição

Parcela significativa do empresariado, do sistema financeiro e da direita brasileira – esta não se assumia como tal até pouco tempo atrás – nunca aceitou ou se conformou com o desenho do Estado incluído na Constituição de 1988, tido por eles como intervencionista, do ponto de vista econômico, e perdulário, do ponto de vista fiscal.

Crise econômica e mercado de trabalho no Brasil

Crise econômica e mercado de trabalho no Brasil

Para discutir e analisar a conjuntura do mercado de trabalho de determinada economia são necessários mais do que dados. É preciso também pensar a estrutura produtiva e do próprio mercado de trabalho e estabelecer o recorte temporal a ser definido como conjuntura.

Temer na ONU: cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Temer na ONU: cinismo a serviço do rentismo e do conservadorismo

Da tribuna da Assembleia-Geral da ONU, o velhaco Michel Temer repete o enredo farsesco que a ninguém engana. Já no início do discurso oco, o ilegítimo atenta contra a inteligência mundial ao “condenar” a discriminação, opressão e miséria. Logo ele, responsável por um governo tão retrógado e reacionário, a exemplo, entre uma infinidade de medidas, da reforma trabalhista recentemente aprovada que joga milhões de pessoas na miséria do subemprego e na ultra precarização que aflige, principalmente, negros, mulheres, trabalhadores/as LGBT e demais setores oprimidos pela exploração.

'Vamos' avança no 1º debate sobre a democratização da economia

‘Vamos’ avança no 1º debate sobre a democratização da economia

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora integrou o primeiro debate sobre a democratização da economia, realizado pela Frente Povo Sem Medo, por meio da plataforma Vamos!, na última terça-feira (12) à noite em São Paulo. Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora falou ao lado dos economistas Laura Carvalho e Luiz Gonzaga Belluzzo, do sociólogo Ruy Braga e de Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

Frei Betto - Grito dos Excluídos | INTERSINDICAL

Frei Betto | Grito dos Excluídos

Há décadas o 7 de setembro, data da independência do Brasil em relação à coroa portuguesa, é comemorado pelas pastorais sociais de Igrejas cristãs e movimentos sociais de nosso país como o dia do Grito dos Excluídos.

Itaú prepara a privatização do Banco do Brasil | INTERSINDICAL

Itaú prepara a privatização do Banco do Brasil

A primeira fase da privatização do Banco do Brasil resultou no fechamento de 402 agências, extinção de 9.400 postos de trabalho e redução salarial drástica que atingiu quase 4 mil funcionários.

Privatizações de Temer DIEESE publica relatório e aponta recessão

Privatizações de Temer: DIEESE publica relatório e aponta recessão

Segundo o documento ‘Alguns Comentários sobre a Situação Fiscal e as Privatizações do Governo Temer’, esta política não irá recuperar a economia. Em vez disso, a probabilidade é de colocar o país numa espiral recessiva sem fim. Com investimento e gasto privados travados pelos juros reais altos e expectativas pessimistas.

Temer vai privatizar a Casa da Moeda | INTERSINDICAL

Temer vai privatizar a Casa da Moeda

No que depender deste governo golpista e entreguista, a emissão de papel moeda, passaportes, selos postais e diplomas estará nas mãos da iniciativa privada. O anúncio foi feito na quarta-feira (23).

Justiça Federal suspende leilão de quatro hidrelétricas da Cemig

Justiça Federal suspende leilão de quatro hidrelétricas da Cemig

Uma liminar (decisão provisória) expedida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) suspendeu o leilão de quatro hidrelétricas da Companhia Elétrica de Minas Gerais (Cemig), que estavam previstas para serem vendidas pela União dia 22 de setembro.

Paulo Kliass Temer e seu nó fiscal

Paulo Kliass | Temer e seu nó fiscal

As últimas semanas têm sido marcadas por um verdadeiro movimento de vai-e-vem nas declarações oficiais relativas ao imbróglio fiscal que avassala nosso País. Porém, é forçoso reconhecer que essa onda de hesitação em assumir o inevitável é bastante compreensível.

Reforma política continua na agenda da Câmara nesta semana

Reforma política continua na agenda da Câmara nesta semana

A comissão especial que analisa mudanças nas regras eleitorais (PEC 77/03) volta a se reunir nesta terça-feira (15) para concluir a votação de mudanças no texto do relator, deputado Vicente Candido (PT-SP). A reunião está marcada para as 14h30, em plenário a definir.

Paulo Kliass: O fracasso de Meirelles

Paulo Kliass | O fracasso de Meirelles

Em julho de 2016, ele garantia que bastaram dois meses sob nova direção para que a fadinha das expectativas operasse para tirar o Brasil da depressão.

Itaú lucra R$ 12,3 bilhões no primeiro semestre do ano

Itaú lucra R$ 12,3 bilhões no primeiro semestre do ano

O Itaú informou que fechou o primeiro semestre do ano com lucro de R$ 12,3 bilhões, um crescimento de 15% na comparação com o ano passado. Já o lucro no segundo trimestre foi de R$ 6,2 bilhões, o que representa uma leve queda de 0,1% na comparação com os três meses anteriores.

Governo cancela 180 mil auxílios-doença

Governo cancela 180 mil auxílios-doença

Levantamento do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) aponta que, após realizar 200 mil perícias, o governo decidiu cancelar 180 mil auxílios-doença. Com isso, diz a pasta, será possível economizar R$ 2,6 bilhões por ano.

Reformas, desigualdades e estratégias de crescimento econômico

Reformas, desigualdades e estratégias de crescimento econômico

As reformas encaminhadas desde o ano passado têm como fio condutor a redução do tamanho do Estado, viabilizando a promoção de uma estratégia de crescimento econômico excludente, orientada pelo mercado e mais integrada à globalização capitalista

The Guardian diz que ‘Brasil pode voltar ao mapa da fome’ com medidas de austeridade fiscal de Temer

The Guardian diz que ‘Brasil pode voltar ao mapa da fome’ com medidas de austeridade fiscal de Temer

O jornal britânico ‘The Guardian’ publicou nesta quarta-feira (19) uma reportagem sobre a situação econômica do Brasil no qual sustenta que as medidas de austeridade de Michel Temer aumentarão a pobreza do país e poderão colocá-lo de volta no ‘mapa da fome’. “O Brasil caiu em sua pior recessão por décadas, com 14 milhões de pessoas desempregadas”, destaca o texto.

Dieese descarta projeção de melhora na economia nos próximos meses

Dieese descarta projeção de melhora na economia nos próximos meses

O Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgou nota técnica na sexta-feira 17 onde afirma não ver melhora na economia do país nos próximos meses, apesar de o resultado do PIB (Produto Interno Bruto) do primeiro trimestre ter crescido 1% na comparação com os três meses anteriores.

Comparar orçamento público e orçamento doméstico é uma falácia

Muitos cidadãos e alunos me perguntam porque nós, economistas keynesianos (ou “heterodoxos”), somos contrários à redução do gasto público para evitar a explosão da dívida pública. A pergunta vem muitas vezes acompanhada de uma analogia com o orçamento doméstico: se uma família gasta mais do que recebe por muito tempo, ela acumula dívidas que, a partir de um certo momento, afastam seus credores.

Valdete Souto Severo | Reforma trabalhista: o desejo do capital em destruir a Justiça do Trabalho

Com ampla cobertura da mídia que representa o grande capital, a manifestação do ex-ministro Mailson da Nobrega ganhou o destaque que as tantas manifestações públicas de repúdio às “reformas” trabalhista e previdenciária não têm. Ele afirmou em seu blog da Veja que a “reforma” acabará com os “resquícios do Estado corporativista de Getúlio”, embora admita, no mesmo texto, que a unicidade sindical (talvez um dos últimos resquícios de algo que deveria mesmo ser repensado) se mantém.

Desemprego é o maior da história para o trimestre, diz IBGE

O número de desempregados no país atingiu 14,084 milhões de pessoas no trimestre encerrado em abril, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados na quarta-feira (31). A taxa verificada no período foi de 13,6%, a maior para trimestres terminados em abril desde o início da série histórica, em 2012.

Paulo Kliass | Enquanto isso, na sala de juros…

O principal argumento utilizado pelos setores do financismo, como tentativa de justificativa para o golpeachment, era a suposta incapacidade da equipe que vencera as eleições em outubro de 2014. Dessa forma, todos os problemas do Brasil seriam resolvidos, da noite para o dia, apenas com a saída da Presidenta. De acordo com tal raciocínio carregado de oportunismo, pouco importa o rito democrático e o respeito à institucionalidade da ordem republicana.

André Santos | As reformas de Temer não são do governo, são do mercado

As reformas da Previdência (PEC 287/16) e a trabalhista (PL 6.787/16 – PLC 38/17), não pertencem mais ao governo. Sequer foram concebidas pelo Planalto. As propostas são do mercado e foram concebidas para favorecer o capital. Essas matérias são interesse direto dos setores financeiro e produtivo, que pressionarão o Congresso Nacional para que sejam aprovadas nas duas Casas legislativas.

Audiência na CPI mostra falta de consenso sobre reforma do sistema previdenciário

No entendimento do presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Ernesto Lozardo, diante do atual quadro das despesas públicas, as propostas de reforma vão assegurar definitivamente a solvência da Previdência Social respeitando os direitos adquiridos, sem afetar os beneficiários e segurados que já têm os requisitos para os benefícios.

Mesmo com queda de Temer, mercado vai querer continuar no comando

Consultorias já avaliam que Temer caiu. A MCM Consultores vai além, apontando, em nota enviada a clientes, que “do ponto de vista da economia e da restauração da normalidade no país, quanto mais rápido Temer cair, melhor”. Segundo sua avaliação, a renúncia do presidente seria o melhor caminho, havendo como alternativa a cassação da chapa Dilma-Temer no TSE.

Paulo Kliass | CARF vs ITAÚ: Escândalo do financismo

A seletividade e a parcialidade com que os grandes meios de comunicação tratam as decisões de política econômica em nossas terras são impressionantes. Apesar de já estarmos habituados a essa forma peculiar de (des)tratar a realidade do dinheiro e dos negócios, a cada nova semana parece que as “famiglie” da grande imprensa tentam se esmerar ainda mais nessa busca incansável pelo absurdo.

Bancos lucram R$ 48,5 bi em 2016 e são setor que mais ganhou grana no País

Apesar de ter uma queda de 13%, os bancos brasileiros conseguiram se manter como o setor que mais lucrou no País em 2016, segundo levantamento feito pela consultoria Economatica com as empresas listadas na Bolsa. Com 23 instituições, o bancos conseguiram lucrar R$ 48,595 bilhões no ano passado.

Golpe à vista: Câmara ressuscita projeto de terceirização de 1998 e ameaça votar semana que vem

Em mais um golpe contra a classe trabalhadora, o governo Michel Temer manobra a agenda de votações no Congresso para impor um retrocesso social ao povo. A nova ofensiva pode ser executada nesta terça-feira (7/03) pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que quer colocar em votação o PL 4302/98, sobre a terceirização, e que já tramitou no passado no Senado. Se tiver o aval dos deputados seguiria direto à sanção presidencial.

Sammer Siman | Estudo revela que Espírito Santo tem capacidade financeira para conceder revisão aos servidores

Uma análise aprofundada, realizada pelo economista, mestre em Política Social e Assessor econômico do Sindipublicos Sammer Siman, das contas estaduais, desmente em sete pontos o discurso do governo e revela que o Estado tem capacidade financeira para concessão da revisão geral anual aos servidores, conforme determina a Constituição Federal. Confira abaixo artigo sobre o assunto. Entre as mentiras, diferente do que revelam que a crise e a tragédia da Samarco ‘quebrou’ o Estado, em 2016 o governo teve um orçamento total de R$17,258 bilhões e um superávit de R$782.544 milhões.

Paulo Kliass | Austericídio e desemprego

O mês de janeiro começa a se despedir, mas não sem perder a oportunidade de oferecer ao conjunto de nossa sociedade uma nova leva dos péssimos números a respeito do desempenho da economia brasileira. Os responsáveis pelo governo bem que tentam ensaiar uma ginástica retórica para tentar justificar o que não conseguem.

Antônio Augusto de Queiroz | O servidor público na reforma da Previdência

O servidor que ingressou em cargo efetivo no Serviço Público até 16 de dezembro de 1998 e que tenha mais de 50 anos de idade e mais de 35 anos de contribuição, no caso do homem, ou mais 45 de idade e mais de 30 de contribuição, no caso da mulher, poderá optar pela redução da idade mínima (respectivamente 60 e 55 anos) em um dia para cada dia de contribuição que exceder ao tempo de contribuição.

A política econômica da austeridade e a saúde

O livro ‘A Economia Desumana’, publicado no ano de 2013 sobre os impactos das políticas de austeridade nas condições de saúde dos países que enfrentaram algum tipo de crise, concluiu que as “recessões ferem, mas a austeridade mata”. Nele, os autores David Stuckler e Sanjay Basu mensuraram os efeitos dos cortes nos respectivos orçamentos da seguridade social, em específico da área da saúde, dos países.

Câmara aprova primeira etapa do golpe na Previdência Social

Câmara aprova primeira etapa do golpe na Previdência Social

Na calada madrugada, após sessão tensa e tumultuada sessão de quase 12 horas, os deputados aprovaram a constitucionalidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287. O texto segue agora para análise de comissão especial, a ser instalada somente em fevereiro. A votação foi concluída às 2h53, com 31 votos a favor e 20 contra.

Odilon Guedes | Reforma Tributária – Solução Para a Crise Fiscal do Estado Brasileiro

A proposta contida na PEC 241 / 55, é mais um remendo que vai aumentar a injustiça social em nosso país e, ao invés de resolver, aprofundará os problemas da sociedade brasileira.Em rápida abordagem sobre a PEC de um lado perguntamos: como é possível limitar gastos públicos por 20 anos,quando, nesse período, milhões de crianças irão nascer e precisarão de mais creches e escolas públicas e, a população de idosos segundo o IBGE, terá aumentado em 79%até 2036, demandando muito mais gastos na área as saúde? Como resolver os problemas de infraestrutura um dos componentes do chamado Custo Brasil, se os investimentos serão congelados? De outro lado, não há nenhuma justificativa institucional para se inserir na Constituição Federal o congelamento dos gastos públicos e, subtrair desta forma, um instrumento fundamental de política fiscal, em uma nação como a nossa em que o Estado sempre teve um papel essencial na área econômica e social.

Confira os massacres que Temer pretende promover na Previdência Social

Confira os detalhes do massacre que o governo Temer pretende promover na Previdência Social

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sugerida pelo governo Temer para reformar a previdência social e massacrar trabalhadoras e trabalhadores brasileiros foi protocolada na Câmara dos Deputados como PEC 287. Além de fixar uma idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres, sejam eles trabalhadores do campo ou da cidade, as novas regras, se aprovadas, irão atingir trabalhadores dos setores público e privado. A única categoria que não será afetada é a dos militares.

Boletim de conjuntura econômica 5: As ilusões da PEC 55

Não é mágica, mas ilusionismo. A exposição de motivos formulada por Henrique Meirelles, atual ministro da fazenda aposentado aos 57 anos pelo Banco de Boston, é mais uma peça de ilusão elaborada por economistas.

Boletim de conjuntura econômica 4 – O lado mítico do ajuste fiscal

A afirmação de que a única saída para a crise econômica é o governo fazer ajuste fiscal é tão repetida pela televisão e pelos jornais que para muitos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil se coloca como verdade. Por isso não é exagero relembrar a frase acima que na Alemanha nazista foi dita pelo ministro de propaganda de Adolf Hitler: Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade.

PEC 241 não é para limitar os gastos públicos e sim para garantir os juros aos rentistas

Vitor Hugo Tonin, economista e membro da Direção Executiva da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, alerta para as verdadeiras intenções escamoteadas por trás da PEC 241, que o governo ostenta como um mal necessário diante da atual recessão econômica, mas que compromete o futuro do país pelos próximos 20 anos, e aponta soluções que poderiam ser adotadas, sem prejuízo para a classe trabalhadora.

Governo Temer pode usar recursos do FGTS dos trabalhadores para patrocinar privatizações

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) completa 50 anos em 13 de setembro. Seus recursos impulsionam, hoje, setores essenciais como habitação popular, saneamento básico, infraestrutura e mobilidade urbana. Com a consolidação do governo golpista, porém, o quadro deve mudar. Bancos privados estão alvoroçados para abocanhar esse dinheiro, retirando o monopólio da gestão da Caixa.

Conjuntura econômica nº2

Leia também: → Boletim de conjuntura econômica 6: 15 medidas alternativas à PEC 55 → Boletim de conjuntura econômica 5: As ilusões

Juros, extorsão e golpe!

Enquanto uma parcela da classe média e da população brasileira segue envenenada pelo ódio e o preconceito contra um governo

Denise Gentil explica o falso déficit da previdência

Denise Gentil explica o falso déficit da previdência

O Encontro de Mulheres da Intersindical, marcado para o próximo dia 17 de março, às 17h30, na Quadra dos Bancários, em São Paulo, tem como destaque a presença da professora do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Lobato Gentil. Ela vai nos municiar com argumentos consistentes contra a reforma da Previdência e descortinar a farsa contábil que transforma em déficit o superávit do sistema previdenciário brasileiro.

‘Ajuste fiscal e reforma da Previdência começaram pelas desonerações tributárias’, afirma pesquisadora da UFRJ no Senado

‘Ajuste fiscal e reforma da Previdência social começaram pelas desonerações tributárias’, afirma Denise Gentil, no Senado

Denise Gentil, expôs não apenas o que a esquerda já sabe há tempos – que a Previdência Social é superavitária – como também que as desonerações tributárias concedidas durante o governo Dilma ao grande capital privado marcaram de fato o início do ajuste fiscal e estão criando os alicerces para a promoção da reforma da Previdência.