caixa econômica federal

A promulgação do resultado da consulta de alteração do estatuto da CASSI, apreciada pelo corpo social da entidade entre os dias 18/11/2019 à 28/11/2019, ao não observar o texto do art. 73º do estatuto social que determina “Para aprovação de reforma estatutária […], é necessário o quorum de votantes de metade do total de associados registrado no último balancete mensal publicado, mais 1 (um) associado, e, destes, que no mínimo, 2/3 (dois terços) votem favoravelmente, não computados os votos em branco.” é um claro atentado a legalidade e a democracia na condução da CASSI.

Subscrevemos o Manifesto “A CASSI tem Solução” por representar uma solução para a CASSI aderente a esses princípios. Exigimos que a proposta acima seja objeto de apreciação da CASSI nos seus órgãos de governança, pois a governança da CASSI é COMPARTILHADA entre patrocinador e associados. A governança corporativa da CASSI tem obrigação de dar seu parecer pois o funcionalismo POSSUI a sua PROPOSTA!

Abertura de capital das áreas de seguro, cartões de crédito e loterias representa a entrega dos setores estratégicos e mais lucrativos do banco para o setor privado.

Pré-candidato à presidência da República, ex-ministro da Fazenda ligado ao sistema financeiro defende pulverização de capital dos bancos públicos e da Petrobras; bancários devem se mobilizar e acompanhar o debate eleitoral.

Nos dias 08, 09 e 10 de junho a categoria bancária, dos bancos públicos e privados, realizará a Conferência Nacional dos Bancários em São Paulo. A atividade tem como objetivo debater e definir estratégia de luta para garantir os direitos, o emprego, a defesa da Convenção Coletiva de Trabalho – CCT e dos bancos públicos e privados.

A Caixa divulgou a criação do Programa Eficiência, cujo objetivo é reduzir as despesas operacionais em R$ 2,5 bilhões até 2019. Para diretora do Sindicato dos Bancários/ES Lizandre Borges a iniciativa é mais um ataque à atuação da Caixa na área social e na execução de políticas públicas, além de poder atacar diretamente os trabalhadores e trabalhadoras, acarretando mais retirada de direitos, intensificação do assédio moral e dos adoecimentos

Além de dispensar milhares de trabalhadores, instituições financeiras lucram também com rotatividade, pagando salários bem menores aos admitidos do que recebiam os dispensados.

A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região manteve a decisão da 12ª Vara de Trabalho de Brasília, que reconheceu a ilicitude da terceirização de serviços de engenharia e arquitetura pela Caixa Econômica Federal.

Em entrevista, a representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, Rita Serrano, fala sobre o novo estatuto e a tentativa de desmoralizar os empregados do banco

A Caixa tem tentado obrigar os trabalhadores e trabalhadoras a aderir à jornada flexível, o que pode ser considerado prática de assédio moral. Segundo denúncias feitas ao Sindicato dos Bancários/ES, mesmo após a orientação do jurídico da Caixa de não impor esse tipo de jornada, isso ainda está acontecendo em algumas agências. Em uma, na sexta-feira, 03, foi passado um termo para assinatura junto com parte do normativo interno da Caixa que trata da jornada flexível. O termo não dá aos bancários e bancárias a opção de escolherem se querem a jornada rígida ou flexível, orientando que optem somente pela segunda. Em outras agências, foi dito em reunião que quem realizar jornada rígida não poderá ir ao médico, atrasar nem um minuto, “sendo melhor para todos que passem para a jornada flexível”.

A privatização prejudica os empregados que terão suas condições de trabalho precarizadas, com perdas de direitos e arrocho salarial. Além disso, é bom afirmar que o banco é operador de políticas públicas e sociais. E entre os mais prejudicados também estão os trabalhadores e os mais pobres

Após mobilizações sindicais realizadas em vários estados, foi adiada a votação da proposta de alteração do estatuto da Caixa, prevista para ocorrer na tarde desta quarta, 18, durante reunião do Conselho de Administração (CA) do banco. No ES, o Sindibancários realizou ato vestindo luto e protestando contra tentativa de privatização do banco.

A movimentação sindical ocorreu em agências da Grande Vitória e do interior com ações contra os planos de privatização da Caixa, anunciados pelo governo Temer. A ação fez parte de um Dia Nacional em Defesa da Caixa e reforçou a campanha “Defenda a Caixa Você Também”.

O Conselho de Administração (CA) da Caixa pode votar nesta quarta-feira 18, alterações no estatuto da empresa. Entre os itens há mudanças que interferem no direito dos trabalhadores e uma transformação substancial, fazendo com que a instituição se torne uma sociedade anônima (S/A). A conselheira que representa os empregados, Rita Serrano, vai votar contra essa proposta de alteração do estatuto.

Temer pretende anunciar venda no final do ano; Sindicato dos Bancários de Santos seguirá na luta contra entrega das riquezas do País.

Ex-presidente do Banco Central de FHC, Gustavo Franco diz que BB seria estatal ‘pronta’ para ser vendida e Caixa Econômica Federal deveria se tornar empresa de capital aberto.

Enquanto todos discutem as razões do deficit ou buscam argumentos para não ter que arcar com as cobranças extraordinárias, fica de lado uma discussão importante. Nos últimos anos, vimos o quanto a metodologia de equacionamento prevista na regulamentação e seguida pela Funcef não foi capaz de resolver o problema e ainda aprofundou o deficit.

Descumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho, a Caixa começou a implementar nas agências e departamentos a jornada flexível para todos os empregados, se recusando a fazer o pagamento das horas extras. A prática foi verificada no fechamento dos contracheques de setembro em várias agências do Espírito Santo. O Sindicato alerta que medida é ilegal e orienta bancários a não assinarem o ponto cujo registro for feito como flexível.

Uma normativa da Caixa Econômica Federal  sobre trabalho temporário  define que a partir de agora os trabalhadores serão contratados por meio de empresas especializadas na prestação de serviços temporários para realizar as tarefas de técnico bancário e não terão nenhum vínculo empregatício com a Caixa.

PDV: Novos contratados recebem 60% do salário de  quem saiu. Imediatamente depois da sanção do projeto de “reforma” trabalhista, agora Lei 13.467, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Banrisul anunciaram programas de demissão voluntárias. No caso do Bradesco, o Programa de Demissão Voluntária (PDV) foi anunciado na quinta-feira (13), mesmo dia da sanção da lei.

Apesar de negarem a relação entre uma coisa e a outra, o fato é que ambos os bancos abriram programas de demissão voluntária na mesma semana em que a reforma trabalhista foi sancionada por Temer

No primeiro bimestre de 2017, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), os bancos brasileiros fecharam 2.535 postos de trabalho no Brasil. Esse saldo representa um crescimento de 223,75% em relação ao mesmo período de 2016, quando o saldo foi negativo em 783 postos de trabalho bancário.

Caixa Econômica Federal é obrigada a respeitar jornada de 6 horas para todos os empregados admitidos até 14/9/1998, inclusive gerentes e gerentes gerais., de acordo com decisão judicial conquistada pelo Sindicato dos Bancários de Santos e Região.

Foi divulgada na quarta-feira, 28, a pesquisa do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego (Caged). O estudo aponta que de janeiro a outubro de 2016 os bancos brasileiros fecharam 10.009 postos de trabalho no Brasil, uma quantia que supera o total fechado em 2015, que foi de 9.886. O número de 2016 representa um aumento de 58,4% em relação ao número de postos fechados no mesmo período no ano passado, que foi 6.319.

Resultado refere-se aos nove primeiros meses de 2016 e representa queda de 47,2% em relação ao mesmo período de 2015, em parte graças a menor utilização de créditos tributários em 2016 A Caixa Econômica Federal alcançou lucro líquido de R$ 3,4 bilhões entre janeiro e setembro de 2016. No terceiro trimestre o banco obteve R$ …

Caixa lucra R$ 3,4 bi e corta 2,6 mil empregos Leia mais »

Durante movimento legítimo da categoria, contrato de trabalho fica suspenso, portanto, não se pode falar em abandono de emprego; extensão da paralisação também não leva automaticamente a dissídio. A greve continua por tempo indeterminado! Diante da intransigência da federação dos bancos (Fenaban), que insiste em proposta rebaixada para salários, pisos, vales e auxílios e não …

Lei não estipula prazo para greve dos bancários Leia mais »

A quinta semana da greve dos bancários começou nesta segunda-feira (3) com 359 agências fechadas no Espírito Santo, o número representa 80% da totalidade de agências bancárias do estado e marca um recorde histórico. São 28 dias de greve, número que supera a marca história do movimento paredista de 2004. A greve persiste após a rodada de negociação da última semana devido a insatisfação da categoria com a proposta apresentada pela Fenaban. Na noite de hoje, os bancários se reúnem em plenária no Centro Sindical para formular estratégias para ampliar a mobilização local da greve.

Fenaban mantém postura intransigente e insiste em manter política de rebaixamento de salário da categoria.

Greve só continua porque bancos, que lucraram quase R$ 30 bi em seis meses, querem pagar aumento mais baixo que a inflação para os funcionários.

A greve dos bancários completa 22 dias, nesta terça (27/9), o movimento já é maior que o ano passado quando durou 21 dias. O Comando Nacional dos Bancários enviou carta à Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) reiterando a disposição para negociar

Trezentos e cinqüenta e três. Esse é o número de agências fechadas no Espírito Santo nesta sexta-feira, 23, décimo sétimo dia de greve da categoria. Os bancos continuam negando as reivindicações dos bancários e não há previsão de nova negociação entre o Comando Nacional da categoria e a Fenaban. Mapa de greve Na Grande Vitória, …

Greve dos bancários: capixabas seguem firme com 353 agências fechadas Leia mais »

Vamos para o 18º dia de greve nesta sexta-feira (23), na maior greve nacional da história lutando por salário digno e melhores condições de trabalho. Em Santos 90% continuam de braços cruzados. Nas demais cidades 70% Os bancários intensificaram a greve em todo o país em resposta ao silêncio intransigente dos banqueiros, que se negam …

Bancários fazem a maior greve da história Leia mais »

Em duas semanas de mobilização nacional, categoria mostra disposição para lutar por aumento digno, valorização da PLR, dos vales, auxílio-creche, respeito aos empregos e fim das metas.

No primeiro semestre de 2016 o lucro líquido dos cinco maiores bancos que atuam no Brasil (Bradesco, Itaú, Santander, Banco do Brasil e Caixa) somou R$ 29,7 bilhões. Em contrapartida, houve extinção de 13.606 postos de trabalho no período de um ano. Entre junho de 2015 e junho de 2016, o total de empregados nas cinco instituições passou de 439.422 para 425.216.

Apesar de tantos lucros explorando a população, seus funcionários e os recursos do tesouro nacional – através do recebimento das taxas de juros que remuneram os títulos da dívida pública – os bancos apresentaram uma proposta 2,39% inferior à inflação do período. A categoria reivindica 14,78%, referentes à inflação mais 5% de aumento real.

Parece inacreditável, mas os bancos que mais lucram no mundo, sim no mundo, oferecem reajuste abaixo da “manipulada” inflação de 9,62%. As filiais do Santander no Brasil são as que dão o maior lucro aos espanhóis, o Itaú, BB e Bradesco figuram entre os primeiros do ranking mundial de rentabilidade. Mesmo assim, os bancos, irredutíveis, continuam oferecendo 7% e abono único de R$ 3,300.

Em rodada de negociação ocorrida em São Paulo nesta quinta-feira, 15, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) não apresentou nenhuma proposta para a categoria bancária. Além disso, a reunião chegou ao fim sem que uma nova negociação fosse agendada. “Agindo dessa forma, a Fenaban se mostra intransigente e desrespeitosa com os trabalhadores e clientes. Prosseguimos …

Rodada de negociação termina sem que a fenaban apresente propostas Leia mais »

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) está irredutível em aplicar reajuste com índice abaixo da inflação para àqueles que trabalham, lucram e enchem os cofres dos banqueiros, mais do que qualquer outro setor da economia. Os cinco maiores bancos tiveram o lucro mais alto, entre todos, no 1º semestre: R$ 29,7 bilhões (Itaú, Bradesco, Santander, BB e Caixa).

A greve dos bancários continua crescendo no Espírito Santo. Nesta segunda-feira, 12, chegou a 326 o número de agências fechadas no Estado, 12 a mais do que o registrado na última sexta-feira, e 70 a mais quando comparado ao primeiro dia da greve, iniciada em 6 de setembro.

Já vamos para o 8º dia de greve, nesta terça (13/9). A situação em Santos é de 90% da categoria paralisada. Nas demais cidades da Baixada Santista as paralisações atingem 70% das agências. Os bancários e bancárias continuaram com determinação a greve nesta segunda-feira 12. Vão para o 8º dia de greve (terça) unificados e …

Greve dos Bancários forte exige respeito nas negociações! Leia mais »

Os bancários voltaram à mesa de negociações na sexta-feira (9) com a mesma postura que tiveram nas cinco rodadas realizadas até agora: cobram aumento real e decente para salários, PLR, vales, proteção aos empregos, melhores condições de trabalho. Pela manhã, a Fenaban apresentou uma proposta de 7% de reajuste mais R$ 3,3 mil de abono. …

Greve dos bancários segue forte na próxima semana Leia mais »

Bancários e bancárias estão revoltados com os patrões banqueiros que oferecem reajuste de 6,5%, que representa apenas 68% da inflação (INPC projetado em 9,57%), e um único abono de R$ 3 mil. A greve nacional e por tempo indeterminado começou forte neste primeiro dia (6/9) na região.

Um dos principais motivadores para o aumento das receitas foi o controle de despesa administrativa, como a redução de empregados. Em 2015 a Caixa fechou o primeiro semestre com cerca de 98 mil empregados. Já em junho deste ano a instituição financeira contava com um pouco mais de 95,6 mil. O balanço semestral da Caixa …

Lucro da Caixa foi de R$ 2,4 bilhões no primeiro semestre Leia mais »

Os bancários da Baixada Santista aprovaram em assembleia, dia 04, na Av. Washington Luiz, 140, em Santos/SP, índice de 5% de aumento mais a inflação projetada de 9,31%, no total de 14,78% de reajuste na Campanha Salarial 2016. Eneida Koury, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região, ressaltou que tendo em vista a …

Bancários de todo o país reivindicam 14,78% Leia mais »

Com saldo atual de mais de R$ 300 bilhões, o FGTS atrai a cobiça do sistema financeiro privado que pretende, com apoio do governo Temer, quebrar o monopólio da Caixa na gestão do Fundo Além da degradação das condições de trabalho, o desmonte da Caixa 100% pública passa também pela retirada de áreas estratégicas do …

Gestão do FGTS é novo alvo do Governo Temer e do setor privado Leia mais »

Movimento sindical se organiza para fazer perícia técnica e contestar decisão, anunciada pelo banco na última terça-feira, 5. Em comunicado aos empregados na última terça-feira, 5, a Caixa afirmou que deixará de pagar aos avaliadores de penhor o adicional de insalubridade, benefício que corresponde a meio salário mínimo (R$ 440). A decisão tem como base …

Caixa deixará de pagar insalubridade para avaliadores de penhor Leia mais »

Com o tema “O que é público para você?”, o centro do Rio de Janeiro será tomado hoje (6) por uma grande mobilização suprapartidária em defesa do patrimônio público. Com o nome “Se é Público é Para Todos”, a mesa de debates das 15h terá a presença da  filósofa Marcia Tiburi, do cientista político Emir …

Grande ato na Fundição Progresso em defesa do patrimônio público Leia mais »

Dirigentes sindicais reafirmaram a luta em defesa da Caixa 100% Pública e repudiaram governo ilegítimo de Michel Temer. Na quinta-feira, 02, a Comissão Executiva de Empregados da Caixa (CEE/Caixa) se reuniu com a instituição financeira em uma rodada de negociação. Os representantes dos trabalhadores e trabalhadoras reafirmaram a luta contra qualquer tentativa de privatização. A …

Em reunião, representantes do banco confirmam desmonte da Caixa Leia mais »

A presidenta da Caixa, Miriam Belchior, anunciou na quinta-feira, 10, nova reestruturação do banco, com medidas que representam um desmonte da instituição financeira. A iniciativa foi apresentada em reunião com representantes da CCE/Caixa e Fenae, em Brasília, mas sem muitos detalhes. Também não houve abertura para diálogo ou negociação com os trabalhadores, em total despeito …

Disfarçado de reestruturação, desmonte da Caixa é anunciado por Miriam Belchior. Nota da direção do Sindibancários/ES Leia mais »

Começou na segunda-feira, dia primeiro, e prossegue até 31 de março, o Plano de Apoio à Aposentadoria da Caixa. Por meio dele, a instituição financeira pretende desligar 1500 trabalhadores e trabalhadoras, sendo que no ano passado, o mesmo programa foi responsável pelo desligamento de 3200 bancários e bancárias. Com o PAA deste ano, o número …

Caixa dá início a novo PAA, mas se recusa a contratar mais funcionários Leia mais »

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados realiza audiência pública na terça-feira (17), para debater o projeto de lei (PL) 551/15, de autoria do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), que veda a abertura do capital social de empresa pública que explore o serviço de loterias. O requerimento para realização …

Comissão de Desenvolvimento debate abertura do capital da Caixa Econômica Leia mais »

Os empregados da Caixa admitidos até 14/09/1998 comissionados ou não, que exerceram ou exercem atualmente (inclusive os gerentes-gerais) têm direito adquirido à jornada legal de seis horas diárias e trinta semanais, de segunda à sexta-feira. Esse direito independente do conceito legal de “cargo de confiança”, já que decorre de norma interna da empresa – o …

Sindicato ajuíza ação coletiva em benefício dos empregados da Caixa Leia mais »

Com a proposta de envolver o Parlamento, toda a sociedade, movimentos sociais, governos estaduais, municipais, entidades de classe, entre outros, na luta pela Caixa 100% pública, foi realizado na manhã desta quarta-feira, 25, um ato na Câmara dos Deputados, em Brasília. Os membros da Direção Nacional da Intersindical, Idelmar Casagrande e Antonio Cordeiro e os …

INTERSINDICAL participa na Câmara de ato em defesa da Caixa 100% pública Leia mais »