Suspensa a privatização de distribuidoras da Eletrobras

Suspensa a privatização de distribuidoras da Eletrobras

Após decisão de Juíza do Trabalho do Rio de Janeiro nesta terça-feira (05/06) é suspensa a venda de cinco distribuidoras da Eletrobras localizada no Norte e Nordeste do país.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Após decisão de Juíza do Trabalho do Rio de Janeiro nesta terça-feira (05/06) é suspensa a venda de cinco distribuidoras da Eletrobras localizada no Norte e Nordeste do país.

A Juíza do Trabalho do Rio de Janeiro, Raquel de Oliveira Maciel, deu provimento à ação judicial movida pelos sindicatos dos trabalhadores das distribuidoras de energia da Eletrobras e suspendeu o processo de privatização até que seja apresentada um laudo sobre os impactos das vendas das empresas nos seus contratos de trabalho com 11.405 funcionários, entre contratados diretos e terceirizados.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O decisão da Juíza suspende o leilão de 5 das 6 empresas distribuidoras que haviam sido autorizadas, por meio da aprovação do edital de privatização emitido pelo Tribunal de Contas da União – TCU. A suspensão envolve a Amazonas Distribuidora de Energia S.A. (Amazonas Energia), as Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), a Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), a Companhia Energética de Alagoas (Ceal) e a Companhia Energética do Piauí (Cepisa).

A juíza determinou o prazo de 90 dias para que a direção da Eletrobras apresente um estudo sobre o impacto da privatização nos contratos de trabalho dos funcionários das empresas ameaçadas de privatização. E ainda fixa a multa de 1 milhão de reais em caso de descumprimento.

A decisão da juíza do trabalho se embasa no histórico das privatizações ocorridas anteriormente no país, que criaram impactos profundos na situação laboral dos seus funcionários. Redução do quadro de funcionários e dos salários, retirada e desrespeito aos direitos adquiridos,  precarização das condições de trabalho são algumas das consequências diretas observadas em empresas privatizadas.

Segundo a decisão da juíza, “O que se busca agora, é um estudo sobre os impactos da privatização das requerentes nos contratos de trabalho, levando em consideração formas de proteção ao emprego e regras para a ocorrência de demissões, viabilizando o reaproveitamento e a qualificação dos empregados no caso de mudanças tecnológicas e organizacionais”.

A gestão da Eletrobras, sob a orientação de Temer, tem investido no desmonte do sistema de distribuição de energia, que além de significar um ataque à soberania nacional, desconsidera os impactos sobre os trabalhadores e os consumidores. Privatizar significa colocar a empresa a serviço do interesses financeiros de seus acionistas; significa portanto, menos direitos para os trabalhadores e energia mais cara para os consumidores.

A decisão judicial contra a privatização é mais um grande balde de água fria nas intenções do governo, mas não o único. O arquivamento da Medida Provisória 814 que tramitava na Câmara dos Deputados também não agradou o governo e os agentes do mercado. A MP pretendia “aliviar” os possíveis compradores das empresas dos passivos das mesmas. Ou seja, o governo iria assumir os passivos e, vender, por um valor irrisório, as empresas devidamente recuperadas.

A reação dos agentes da bolsa de valores não demoraram a serem notadas. As ações da Eletrobras caíram 8%, um sinal claro do grande capital, que pretende impor a privatização por meio da chantagem no mercado de ações.

A suspensão da privatização ainda não é definitiva, a diretoria da empresa e Temer (o Ilegítimo) deverão recorrer da decisão. Então, o estado de alerta ainda permanece, mesmo com a vitória conquistada no dia de hoje. A Campanha em Defesa das Empresas Públicas segue em pleno vapor, outras empresas estatais, de vários setores ainda continuam sob risco de privatização, portanto, a unidade de ação de todas centrais sindicais comprometidas com a soberania nacional e a classe trabalhadora permanece a melhor estratégia frente os interesses do grande capital.


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Facebook Intersindical

Instagram Intersindical

YouTube Intersindical

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários